30 março 2007

Baden-Powell e a Maçonaria

Ao sair anteontem da reunião da Loja Mestre Affonso Domingues, conversava com um de meus Irmãos sobre a acção de recolha de sangue de amanhã (a propósito: não esquecer! Amanhã de manhã, na Pontinha, EB de Mello Falcão) e sobre o Grupo 19 dos Escoteiros de Portugal e esse meu Irmão, de passagem, afirmou que Baden-Powell, o ideólogo e criador do Escotismo, fora maçon. Não duvidei - o Irmão que o afirmara é muito sabedor e de grande cultura - e tomei mentalmente nota para recolher na Rede elementos para publicar no blogue um texto sobre Baden-Powell.

Pois bem, até os melhores se enganam e, no caso, ao que parece, o erro é muito comum.

Segundo Frederick Smyth, in Ars Quatuor Coronatorum: Transactions of Quatuor Coronati Lodge, No. 2076, vol. CII, Londres, 1990, p. 264, não existe qualquer prova de que o Major-General Lord Robert StephensonSmyth Baden-Powell tenha sido um maçon, seja da Obediência inglesa, seja da irlandesa, seja da escocesa. É remotamente possível, mas improvável, que tenhasido iniciado em outra jurisdição. O Irmão George Kendall, na sua prancha "Maçonaria durante a Guerra Anglo-Boer, 1899-1902" (AQC 97) não faz qualquer menção a ele. Na obra de Paul Butterfield "Centenário: os primeiros cem anos da Maçonaria Inglesa no Transvaal" similarmente não existe também qualquer referência. Se Baden-Powell tivesse sido um membro da Ordem, tal teria seguramente vindo a lume durante a guerra na África do Sul, no decorer da qual a actividade maçónica está bem documentada".

No entanto, in
Ars Quatuor Coronatorum: Transactions of Quatuor Coronati Lodge No. 2076, vol. CIV, Londres, 1991, p. 257, esclarece-se que Lord Baden-Powell claramente que aprovou a Maçonaria, pois entregou à primeira Loja identificada com o seu nome (n.º 488,Victoria) o Volume da Lei Sagrada que nela ainda hoje é utilizado.

Estas citações recolhi-as e traduzi-as daqui, donde também retirei mais alguns elementos que igualmente incluo neste texto.

Segundo o artigo de George W. Kerr "A Maçonaria e o Movimento Escotista", publicado aqui, existem por todo o Mundo Lojas maioritamente formadas por antigos e actuais escoteiros, agrupadas numa associação denominada Kindred Lodges Association, que promove reuniões bianuais. Esta associação de Lojas de dupla filiação maçons /escoteiros compreende 28 lojas em Inglaterra, 1 na Escócia, 1 na Irlanda, 2 no País de Gales, 10 na Austrália, 1 na Nova Zelândia e 1 na Alemanha.

Existem seis Lojas maçónicas com o nome de Baden-Powell na Austrália. Destas, localizei o sítio da já mencionada n.º 488, de Victoria e é referenciada no texto de onde retirei as citações a Loja n.º 505, que publicou em 1982 o opúsculo intitulado A Maçonaria e o Movimento Escotista. A Loja n.º 222 atribui anualmente o prémio Ted Whitworth, integrado no sistema de prémios dos South Australian Rovers, uma organização escotista.

Encontrei ainda sítios de Lojas com o nome de Baden-Powell na Irlanda, na Argentina e na África do Sul.

Encontrei ainda referenciada a Loja Baden-Powell n.º 381, na Nova Zelândia.

E por aqui me fico durante os próximos dias. Vou estar ausente aproveitando uma semana de férias. O blogue fica bem entregue aos demais colaboradores.

Nota: Mais Lojas com a designação Baden-Powell referenciadas aqui.

Rui Bandeira

29 março 2007

"Tava" bom o doce !

O Rui promete o Rui cumpre.

Ontem mesmo depois de uma sessão de loja o Rui diante de um numero apreciavel de testemunhas pagou o Doce que prometeu a proposito das imagens de simbolos de Grandes Inspectores ( vide comentários aos posts ).

Mas o mais importante foi a fraternidade da refeição.

JoseSR

Sábado de SANGUE

Sábado, dia31, é dia de SANGUE.

Não, não se trata de nenhuma violência, nem este espaço a tolera.

A imagem ao lado esclarece tudo: Sábado é dia de DOAÇÃO DE SANGUE.

Preparem os vossos bracinhos, deitem para trás das costas o medo da seringa, e vamos todos seguir o exemplo do jovem da imagem e, sem custos,vamos dar o que de melhor podemos dar: um pouco de nós !

Fazer uma doação de sangue, de um pouco de seiva da vida que nos não faz falta, pois o nosso corpo muito rapidamente reporá o que demos, é um simples acto de solidariedade que devemos tornar num benigno hábito periódico. E sabemos que o que damos é sempre bem aplicado, pois vai servir a quem precisa e quando precisa.

A acção de doação de sangue é organizada pelo Grupo 19 dos Escoteiros de Portugal, da Pontinha e o sangue recolhido, por pessoal médico e de enfermagem do Instituto Portugês do Sangue, será creditado na conta corrente do Grupo de Dadores de Sangue Mestre Affonso Domingues, criado por membros da Loja com o mesmo nome e que, desde há muito, conta com a participação dos jovens escoteiros daquele Grupo.

A associação do Grupo 19 dos Escoteiros de Portugal e do Grupo de Dadores de Sangue Mestre Affonso Domingues, como todas as boas coisas de gente bem intencionada, não foi planeada, resultou de um feliz conjunto de circunstâncias, da junção simples e sem preocupações de quem quer apenas dar o seu contributo para ajudar o próximo. Numa das acções de recolha organizada pelo Grupo de Dadores, houve a oportunidade de contar com a adesão dos jovens do grupo 19 dos Escoteiros de Portugal. Tempos depois, foi o Grupo 19 quem organizou uma acção semelhante e obviamente que os elementos da Mestre Affonso Domingues tiveram todo o gosto em participar. Tivémos então a grata surpresa de verificar que o Grupo 19 destinou o sangue recolhido a ser creditado no Banco de Sangue do Grupo de Dadores, e muito gratos ficámos com isso. A partir de então, sem necessidade de mais conversas ou acordos, ficou natural e tacitamente assente: o Grupo 19 dos Escoteiros de Portugal faz, por direito próprio, e muita satisfação nossa, parte do Grupo de Dadores de Sangue Mestre Affonso Domingues. Os seus elementos têm os mesmos direitos e, se necessário, beneficiam da prerrogativa de reivindicar o crédito de sangue do Banco de Sangue. Para todos os efeitos, os elementos do Grupo 19 dos Escoteiros de Portugal e os do Grupo de Dadores de Sangue Mestre Affonso Domingues são verdadeiros IRMÃOS DE SANGUE.

E assim, as recolhas periódicas de sangue sáo organizadas por um ou outro Grupo, com a participação de todos, todos unidos na causa comum de ajudar a que não falte sangue a quem dele necessite.

Portanto, caros leitores deste blogue, considerem-se todos formalmente intimados a deslocarem-se Sábado, dia 31, entre as 9,30 h e as 12,30 h, à Escola Básica Melo Falcão, na Pontinha (perto do Quartel de Engenharia e do Restaurante Velho Mirante - é só chegar à Pontinha e perguntar, que onze pessoas em cada dez dizem logo onde é...) e... estender o bracinho.

Têm direito a um lanchinho, ao convívio entre todos, à satisfação de ajudar e ao automático registo como dador de sangue do Grupo de Dadores de Sangue Mestre Affonso Domingues, com o inerente direito a beneficiar, para si e sua família , do crédito de sangue do Grupo, quando dele necessitarem.

Quem more longe, pode colaborar na mesma: dirige-se ao Centro de Recolha do Instituto Português do Sangue mais próximo de sua casa e informa que faz a doação para crédito do Grupo de Dadores de Sangue Mestre Affonso Domingues. O pessoal do Instituto anota e regista, sem necessidade de quaisquer burocracias.

Como sempre, a doação de sangue é precedida de consulta médica e teste de hemoglobina, para garantir que não há qualquer prejuízo para a saúde do dador.

Um conselho: ao contrário do que muitos pensam, NÃO É ACONSELHÁVEL DAR SANGUE EM JEJUM. Deve-se apenas evitar tomar álcool. Pelo contrário, ter tomado o pequeno almoço é conveniente, para evitar quebras de tensão.

E pronto! Sábado lá esperamos os leitores deste blogue! Rejeitem o comodismo, vão dar sangue!

Olhem, encarem isso como a contrapartida da leitura deste blogue e considerem-se quites, até à próxima acção de recolha de sangue!

Até Sábado, na EB Melo Falcão, na Pontinha!

Rui Bandeira

28 março 2007

Grandes Inspectores

É importante clarificar a nuance.


Nas obediencias regulares os graus Azuis ( 1º ; 2º ; 3º) e os Graus filosoficos ou Altos Graus estão separados administrativamente.


Sendo assim a Grande Loja Legal de POrtugal / GLRP titula administrativamente a Maçonaria Azul , tendo estabelecido convenios com os Organismos que titulam os Altos Graus e que são fundamentalmente 3 linhas:


Rito Escoces Antigo e Aceite

Regime Escoces Rectificado

Rito de York e suas Derivativas.


O convenio estabelecido com estas entidades especifica que apenas Maçons da GLLP/GLRP poderão pertencer a estes altos graus e que se deixarem de pertencer À GLLP/ GLRP sairão tambem dos altos Graus.


A Grande Loja no entanto tem uma estrutura administrativa que inclui 3 cargos eleitos separadamente e um certo numero de cargos nomeados pelo Grao Mestre. Entre estes estão os Grandes Inspectores em numero igual aos ritos praticados pela Grande Loja.


Estes Grandes Inspectores têm por missao fiscalizar as Lojas verificando que tudo se encontra dentro dos regulamentos e que os rituais são praticados e trabalhados de forma correcta. Devem ainda propor medidas correctivas e em casos extremos sanções.


A Unica condiçao para se ser Grande Inspector é ter sido Veneravel Mestre de uma Loja.


No Post anterior e eu referi-o em comentario ao post o Rui usou o Simbolo dos Grandes Inspectores do REAA ( altos graus). Ora para ser esse Grande Inspector é necessario ser grau 33, o que nao sou ( mas por outras razões que para aqui nao sao chamadas).



Para comparaçao encontrei a imagem de um avental de Grande Loja para o Cargo de Grande Inspector. Poderão ver no centro do Avental o Simbolo Distintivo da Função ( a figura é de um avental da G.L. N. Francesa)

Comparando com a Aguia Bicefala simbolo do 33º poderão perceber a grande diferença.
Na verdade há mais uma diferença. Uma vez 33º sempre 33º, uma vez que é um grau obtido por iniciação. Quanto à função de Grande Inspector da Grande Loja, essa é efemera terminando quando o Grao Mestre assim o desejar, não conferindo qualquer direito o prerrogativa uma vez terminada.
JoseSR

Grande Inspector do REAA

Hoje apetece-me cometer uma inconfidência! Bem sei que nós, os maçons temos fama de ser discretos (alguns dizem "secretos"), mas todos temos direito a um momento de fraqueza...

Do que se passou na sessão da Primavera da Grande Loja Legal de Portugal / Grande Loja Regular de Portugal já o JPSetúbal deu conta. Mas houve algo, com um particular interesse para nós que ele não contou! Discreto!

Naquela sessão de Grande Loja ocorreu, já se disse, a investidura do Grão-Mestre Mário Martin Guia. Mas houve mais... Ocorreu também a ajuramentação dos Grandes Oficiais designados pelo novo Grão-Mestre.

Ora sucede que um desses Grandes Oficiais é o que exerce a função de Grande Inspector do Rito Escocês Antigo e Aceite. E sucede também que o ajuramentado Grande Inspector do Rito Escocês Antigo e Aceite é um elemento da Loja Mestre Affonso Domingues. Até aqui, nada de anormal: a Loja Mestre Affonso Domingues é uma das lojas mais antigas da GLLP/GLRP (é a Loja n.º 5) e está habituada a que elementos que a integram façam parte do Quadro de Grandes Oficiais.Todos os que passaram por essa situação exerceram os ofícios para que foram escolhidos com espírito de serviço e dedicação. Nada de mais, realmente.

Mas a razão da inconfidência é que, neste caso, vocês, nossos caros leitores, conhecem o novo Grande Inspector do Rito Escocês Antigo e Aceite. É certo que, pessoalmente, só alguns. E de nome poucos mais. Mas se o que um homem escreve permite perscurtar um pouco da sua alma, então, meus caros, esse é o caso daqueles que costumam visitar e ler esteblogue.

O novo Grande Inspector do Rito Escocês Antigo e Aceite da Grande Loja Legal de Portugal / Grande Loja Regular de Portugal é o colaborador do A Partir Pedra JoséSR!

Ele não o diria, modesto como é. Mas nós, os outros que aqui escrevemos, estamos muito satisfeitos com a escolha do M:. R:. Grão-Mestre!

Bom, só há um problema: já repararam, certamente, que apreciamos particularmente arranjar maneira de manter umas polemicazitas com o JoséSR...Isso agora, vai ficar mais complicado e fiar mais fino... Afinal de contas, Grande Inspector é Grande Inspector...

Brincadeiras à parte, JoséSR é o homem certo para a função. Poucos maçons regulares em Portugal conhecerão tão profundamente o ritual do Rito Escocês Antigo e Aceite como ele. E também poucos o executarão de forma tão conscientemente cuidada. Eu sei bem disso: há mais de quinze anos que o testemunho!

Bem executar o ritual em que se trabalha é importante para os maçons (um dia destes escreverei um texto sobre isso, sobre o ritual e sobre a sua importância). Tão importante que as Grandes Lojas têm elementos (os Grandes Inspectores dos vários ritos e os seus Assistentes) cuja função é visitar as várias lojas e observar como elas o executam, com vista a detectar possíveis falhas e ajudar os seus elementos a corrigi-las. E, não havendo falhas, a ajudar a que sejam ainda melhores.

Para uma loja, ser visitada por um Grande Inspector ou por um Assistente de Grande Inspector é uma ocasião em que todos procuram dar o seu melhor. E assim só o mero facto de serem visitadas por um desses Grandes Oficiais por si só já contribui para o aperfeiçoamento do seu trabalho ritual em sessão. Receber os conselhos (e também as críticas, se for caso disso) de um Grande Inspector é sempre uma mais-valia.

Com o JoséSR, todas as lojas que trabalham no Rito Escocês Antigo e Aceite sabem que vão beneficiar da ajuda do melhor.

Todos nós, aqui no blogue e na Loja Mestre Affonso Domingues sabemos que o "nosso" JoséSR vai fazer um excelente trabalho!

Rui Bandeira

27 março 2007

Deus e o Mal

Uma das definições de Maçonaria que ouvi é que a Maçonaria é um sistema de moralidade, velado por alegorias e desvendado por símbolos.

Não é apenas isso, mas também é isso.

O texto que vou seguidamente publicar é uma adaptação minha baseada numa daquelas apresentações de diapositivos que, meio lamechas, circulam pela Rede, envoltas em música suave e com fundos de paisagena aprazíveis. Mas esta, em particular, é mais do que isso, é uma forma de mostrar que Razão e Fé não são incompatíveis. São alegorias como esta que os maçons utilizam para reflectir. A Alegoria vela a moralidade, que é desvendada pelos símbolos. Isto também é Maçonaria.

Deus e o Mal

Um professor universitário desafiou os seus alunos com esta pergunta:

- Deus criou tudo o que existe?

Um aluno respondeu, afoitamente:

- Sim, Ele tudo criou.

- Tem a certeza que Deus criou tudo? - insistiu o professor.

- Sim senhor! - respondeu o jovem.

O professor, então, concluiu:

- Se Deus criou tudo, então Deus criou também o Mal, pois o Mal existe. E, assumindo que nós nos revelamos em nossas obras, então Deus é mau...

O jovem ficou calado em face de tal resposta e o professor gozava mais um triunfo da sua Lógica, que demonstrava mais uma vez que a Fé era um mito.

Então, outro estudante levantou a mão e perguntou:

- Posso fazer uma pergunta, professor?

- Claro que sim! - respondeu este.

Então o segundo jovem perguntou:

- Professor, existe o frio?

- Que pergunta é essa? Claro que sim! Ou, por acaso, nunca sentiu frio?

O jovem respondeu: - Na realidade, professor, o frio não existe! Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, na realidade é a ausência de calor. Todo o corpo ou objecto é susceptível de estudo, quando possui ou transmite energia. O calor é que faz com que este corpo tenha ou transmita energia. O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor, todos os corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não existe realmente. Nós criámos essa definição para descrever o que sentimos quando nos falta o calor.

E o jovem prosseguiu: - Mas permita-me ainda uma outra pergunta. E a escuridão, existe?

O professor, intrigado, respondeu: - Existe, claro que existe.

O aluno retorquiu: Está de novo errado, professor, a escuridão também não existe. A escuridão, na realidade, é apenas a ausência de luz. A luz pode ser estudada, a escuridão, não. Até existe o prisma de Nichols, para decompor a luz branca nas várias cores de que a mesma é composta, com os seus diferentes comprimentos de onda. A escuridão, não. Um simples raio de luz atravessa as trevas e ilumina a superfície onde termina. Como se pode saber quão escuro está um espaço determinado? Com base na quantidade de luz presente nesse espaço, não é assim? Escuridão é, pois, apenas uma definição que o Homem desenvolveu para descrever o que acontece quando não há luz!

Finalmente, o jovem perguntou. - Diga-me então agora , professor, ainda pensa que o Mal existe?

O professor respondeu, ainda insistindo: - Claro que sim, claro que existe, bem vemos os crimes e a violência em todo o Mundo, tudo isso é o Mal!

Retorquiu então o estudante: O Mal não existe, senhor. Pelo menos, não existe por si mesmo. O Mal é simplesmente a ausência de Deus, tal como o frio é a ausência de calor e a escuridão a ausência de luz. O Mal é uma definição que o Homem criou para descrever essa ausência de Deus! Deus não criou o Mal. O Mal não é como a Fé, ou como o Amor, que existem, como existem o calor e a luz. O Mal é o resultado de a Humanidade não ter Deus presente em seus corações. É dessa ausência que surge o Mal, como o frio surge da ausência de calor e a escuridão da falta de luz.

Pela primeira vez, o professor compreendeu que a Razão e a Lógica não são antagónicas da Fé e que aquelas, sabiamente aplicadas, afinal justificam esta.

E assim se provou que Deus não criou o Mal e também que a existência do Bem prova a existência de Deus, como o Calor prova haver energia e a Luz prova existir a cor.

Que o Grande Arquitecto do Universo permaneça em nossos corações!

Rui Bandeira

26 março 2007

Ainda a questão dos Maiores Portugueses

Não venho aqui comentar os resultados de um concurso televisivo. É um concurso e como tal tem as suas regras próprias e não deve levantar questões.
No entanto quero, não posso de , salientar o posicionamento obtido pelo Consul Aristides de Sousa Mendes.
Aristides só começou realmente a ser conhecido há uma vintena de anos, muitos anos depois da sua morte e muitos mais depois dos 3 dias em plena guerra em que emitiu os 30 000 vistos salvadores, e mesmo assim conseguiu uma votação importante.
Aristides foi um visionário. A sua visãodo problema dos refugiados foi a correcta. Salvemo-los primeiro vejamos depois como os alimentaremos e alojaremos até os podermos encaminhar ao seu destino.
Dos 30000 Refugiados de Aristides a quase totalidade chegou ao seu destino e os que chegaram refizeram as suas vidas.
Nos nossos dias os problemas dos refugiados persistem. Hoje temos meios economicos e logisticos muito maiores, mas nao seguimos a Visao de Aristides.
Primeiro mandamos comida e tendas. Desta forma garantimos que os refugiados ficam no sistio e de lá não saiem. Depois mandamos um Comissario das Naçoes Unidas ( actualmente o Eng. Guterres) fazer uma visita e aparece tudo nos média e a partir daí o Mundo está feliz porque já ajudou.
Ajudou de facto a manter os refugiados como refugiados e a garantir que mais cedo ou mais tarde o problema se auto resolve, ou o conflito acaba e voltam ou o conflito aumenta e morrem.
Aristides pôs uma dimensão humana no problema. Mostrou claramente que a vontade do homem pode fazer a diferença, mesmo que o preço a pagar seja imenso.
E ele Aristides , e a sua familia, pagou o preço. Preço Injusto porque viveu num regime que não o soube reconhecer e pôs à frente da dimensão humana a dimensão mesquinha da politica de não comprometimento.
Mas esse mesmo regime usufruiu bem dos largos milhoes de Dolares que as instituiçoes judaicas enviaram para Portugal para pagar o Alojamento, a Alimentação e toda a subsistencia dos refugiados, bem como as suas viagens para o Novo Mundo.
Aristides fez o que tinha que fazer - First Things First - primeiro salvar depois o resto. Porque o resto não existe se todos tivessem morrido.
Poderá não ser o mais Importante dos Portugueses, mas para alguém que para a generalidade das pessoas era um ilustre desconhecido o facto de ter sido dos mais votados é de importancia extrema para que as pessoas pensem no que a vontade de um homem pode fazer para mudar o Mundo.
Aristides de Sousa Mendes um Justo do Mundo.



JoseSR

O senhor Reitor-Mor e os maçons

Transcrevo parte de um texto publicado ontem, 25 deMarço, num sítio na Rede da Rádio Vaticano:

O Reitor-Mór dos Salesianos, Pe. Pascual Chavez, denuncia que "os novos pais da Europa são maçons" e puseram em andamento um "plano para descristianizar" o Velho Continente, que pretende relegar a religião e construir uma Europa laica e laicista. O mais significativo de todos eles é o "famoso maçon Valery Giscard d'Estaing".


Segundo o chefe dos 16.500 salesianos, a estratégia dos "novos pais não-crentes" da Europa, ao contrário dos fundadores (todos crentes), consiste em "marginalizar a religião e deixá-la sem espaço social e político, porque no passado foi a causa que provocou guerras e enfrentamentos".

O segundo passo desta estratégia - continua o superior geral dos salesianos - consiste em marginalizar a Igreja, porque "colocou travas na roda do desenvolvimento científico e técnico". E o terceiro passo se fundamenta na opção pela multiculturalidade. "que é a opção mais difícil". Pois bem - esclarece o superior salesiano - " por detrás desta estratégia está a maçonaria".

Obviamente que não concordo minimamente com estas declarações. Tenho, no entanto, o cuidado de as não qualificar, por duas razões. A primeira é que o facto de as etiquetar com um qualquer adjectivo, que não seria simpático, não é forma correcta de as infirmar; a segunda, porque, certas ou erradas, lógicas ou ilógicas, o certo é que, quem as proferiu limitou-se a dar a sua opinião, a exercer a liberdade fundamental de expressar o seu pensamento e é bom que o reconheçamos precisamente em relação às afirmações de que mais profundamente discordamos. A liberdade de expressão do pensamento existe em relação a todos e aplica-se às opiniões certas e às erradas, às que merecem o nosso acordo e àquelas com que não concordamos, às inteligentes e às cretinas. A todas!

Mas uma coisa é reconhecer e respeitar o direito à livre expressão do pensamento, outra é deixar passar em claro e sem oposição opiniões que consideramos profundamente erradas e desajustadas, como eu considero a que acima transcrevi.

Em primeiro lugar, importa chamar a atenção para o complexo que parece continuar a assolar certos sectores (que eu me permito considerar mais retrógados) da Igreja Católica em relação à Maçonaria. Fica-se com a sensação de que esses sectores se preocupam mais com os maçons do que com os seus fiéis, que se esmeram mais em gritar que "há lobo" (e de avental..) do que em pastorear o seu rebanho. Um ou mais políticos desagradam a esses cavalheiros? São, seguramente, maçons! Uma qualquer decisão não é bem vista por eles? Foi de certeza inspiração maçónica! Os actuais líderes políticos europeus não são do agrado desses senhores, preocupados em meter seus santos narizes nos assuntos de César, quando se deviam apenas dedicar aos de Deus, como ensinou Jesus Cristo? Todos maçons, está visto! Quando será que se aperceberão que estão a ser repetidamente ridículos?

Os sectores mais retrógados da Igreja de Roma não gostam da Maçonaria. Estão no seu direito! E tanto assim é que podem ficar cientes que nós, maçons, defenderemos o seu direito de proclamarem, as vezes que quiserem, que não gostam de nós. Mas, já agora, convinha que expressassem o seu desagrado com mais algum sentido do ridículo e evitassem declarações deste género!

Fiquem também a saber que, ao contrário do que alguns fazem crer, a Maçonaria - pelo menos a Maçonaria Regular -nada tem contra a Religião Católica, pelo contrário. Como fazemos sempre questão de deixar bem claro, só pode ser maçon quem for crente. Muitos maçons seguem a religião católica. Como muitos outros são evangélicos ou luteranos, ou calvinistas, ou judeus, ou muçulmanos.

E o que importa ter presente é que esta animosidade dos sectores católicos mais retrógados em relação à Maçonaria tem precisamente a ver com este respeito pela religião de cada um, com a recusa dos maçons de verem a Religião como factor de divisão, de guerrearem ou ostracizarem ou afastarem quem quer que seja pela estúpida razão de adorar o MESMO DEUS por forma diferente ou por Lhe atribuir uma designação diferente.Esses sectores retrógados falam, da boca para fora, de Ecumenismo, mas o que não suportam é que o Ecumenismo seja mais naturalmente praticado, porque integrante da sua essência, pela Maçonaria do que porventura alguma vez será por eles!

Este constante zumbido desses sectores retrógados em relação à Maçonaria não tem, afinal, nada a ver com esta, antes releva da sua concepção da Religião e da Igreja como Poder, como Domínio dos crentes, coutada dos seus desejos de imposição do que lhes convém definir como dogmas. É realmente complicado pastorear os seus crentes, mantendo-lhes a rédea curta e confinados ao claustrofóbico espaço deixado pelas suas retrógadas imposições, quando esses mesmos crentes se apercebem que, na Maçonaria, podem crer, podem manter a sua relação com Deus, podem crescer espiritualmente, sem que lhes seja imposta a cega obediência aos ditames de pseudo-detentores da Verdade Absoluta, podem ser Homens Livres seguindo a sua religião em harmonia com os demais, qualquer que seja a crença religiosa de cada um.

Compreendo, assim, que esses sectores retrógados não suportem a Maçonaria. Mas fiquem sabendo que nós, maçons, proclamamos o nosso respeito pela Religião Católica (como pelas outras). Do que não prescindimos é do nosso direito de, se assim o quisermos, nos relacionarmos directamente com o Criador, sem necessidade de intermediários ou intérpretes da Vontade Divina. Porque cremos - e todos os crentes devem crer, mesmo os retrógados... - que o Poder Infinito de Deus é suficiente para que a Sua Vontade possa ser revelada a cada um, sem que necessariamente tenha de passar pelo crivo dos ministros da Igreja!

Resumindo: nós, maçons, respeitamos quem entende manter a sua relação com Deus nos termos definidos pelos Ministros da Igreja e segundo a mediação destes. O que não prescindimos é do nosso direito denos relacionarmos com o Criador da forma que cada um entende a melhor para si, incluindo, se assim o entender, nos termos definidos pelos Ministros da Igreja... Que isso vos desagrade, é problema vosso; com o vosso desagrado podemos nós bem! Procuramos é aperfeiçoarmo-nos e não desagradar ao Criador!

Quanto à acusação do senhor Reitor-Mor dos Salesianos, permito-me duvidar que todos os actuais líderes europeus sejam maçons. Mas posso garantir-lhe que os maçons não têm qualquer plano para descristianizar o Velho Continente. Pela simples razão de que, agrade ou não ao senhor Reitor-Mor, a esmagadora maioria dos maçons Regulares da Europa são cristãos, e com muita honra! Agora, o que sucede é que não rejeitam, antes se sentam junto a eles, os Muçulmanos ou os Judeus ou os crentes noutras religiões. Se isso dói ao senhor Reitor-Mor, já é outro problema!

O que podemos garantir ao senhor Reitor-Mor é que os maçons não pretendem nem nada fazem para marginalizar a religião, porque, para todos e cada um dos maçons regulares, a sua religião é essencial. O que não damos é um "exclusivo" a nenhuma religião.... Se isso nauseia o senhor Reitor-Mor, o vómito é dele!

O que podemos garantir ao senhor Reitor-Mor é que nenhum maçon regular quer marginalizar a Igreja Católica. O que não permite é que nenhuma outra Igreja seja marginalizada, nem, muito menos, que a Igreja leve a cabo o desejo dos seus sectores mais retrógados de marginalizar os maçons e a Maçonaria! Se isso desorienta o senhor Reitor-Mor, a ele cabe esforçar-se para melhor decifrar a Vontade Divina!

Agora o que também podemos garantir ao senhor Reitor-Mor é que ele tem toda a razão quando diz que é estratégia da Maçonaria a opção pela multiculturalidade! Com muita Honra e todo o Gosto! E expresso o meu júbilo por, neste ponto, o senhor Reitor-Mor nos fazer justiça! Se isso faz tremer o senhor Reitor-Mor, se o senhor Reitor-Mor é adepto da "uniculturalidade" (qual, já agora? Em matéria de "uniculturalidade", confesso saber pouco; não estará o senhor Reitor-mor, espero, a manifestar o seu apreço pelas ideias "uniculturais" de um certo senhor de bigodinho que viveu na Alemanha há umas dezenas de anos...), se o convívio com as diferentes culturas o repugna, talvez seja, decididamente, melhor tratar-se!

Por mim, senhor Reitor-Mor, qualquer que seja o caso, desejo-lhe, sincerament, as melhoras!

Rui Bandeira

25 março 2007

O Dia Seguinte

Continuando o “post” anterior, do Rui, é altura para anunciar que hoje é o “dia seguinte” e assim sendo já podemos afirmar que tudo foi verdadeiramente JUSTO e PERFEITO (bem, exceptuando a treta do ar condicionado que acabou sendo condicionado demais).

O nosso querido Mário Martin Guia está instalado em sua Cadeira de Salomão, regularmente eleito e investido, com o testemunho de mais de 400 Irmãos Maçons e de muitas das obediências maçónicas regulares estrangeiras.

Com a pompa e circunstância bem merecidas estiveram presentes representações da G.L. Unida de Inglaterra (representada pelo respectivo Vice Grão-Mestre e como se sabe o Grão-Mestre é o Duque de Kent e a sua deslocação ao estrangeiro implica relações ao nível de Estado que complicam sistematicamente a sua presença nestes eventos), e das Grandes Lojas de Espanha, da Roménia, da Eslovénia, de Washington D.C., da Macedónia, Nacional Francesa, da Costa do Marfim, Grandes Orientes do Brasil e de Itália e do Supremo Conselho dos Estados Unidos.
A juntar a todos estas representações tivemos a presença, que nos toca especialmente, da Respeitável Loja Fraternidade Atlântica da G. L. Nacional Francesa, que tem connosco (Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues) uma convivência de geminação, única na nossa obediência.

A sessão teve a presença de mais de 400 Irmãos Maçons e pensamos ter sido a mais assistida jamais realizada no âmbito da Grande Loja Legal de Portugal/GLRP (talvez por isso se sentiu tanto a fraqueza do ar condicionado…) e o jantar de gala cerca de 290 participantes.
Se estivéssemos no futebol teriam sido casas cheias !
Foi uma festa bonita, de alegria, de esperança, que a presença dos Grão-Mestres anteriores (Nandin de Carvalho, José Anes e o agora substituído Alberto Trovão do Rosário) e do candidato não ganhador (Fernando Ferrero) tornou num hino à verdadeira fraternidade maçónica.
JPSetúbal

23 março 2007

Investidura do Grão-Mestre da GLLP/GLRP

Vai ter lugar amanhã, dia 24 de Março de 2007, a partir das 17 horas, num hotel de Lisboa, a sessão da Primavera da Grande Loja /Legal de Portugal / Grande Loja Regular de Portugal.

O elemento central da ordem de trabalhos da sessão é a Investidura nas funções de Grão-Mestre do Muito Respeitável Irmão Mário Martin Guia, que foi eleito para o exercício desta missão no passado dia 16 de Dezembro, na sessão de Inverno da Grande Loja realizada em Tomar, em que se procedeu ao apuramento do resultado das votações ocorridas em todas as Lojas da Obediência.

Desde a data em que foi proclamada a sua eleição até à investidura que irá agora ocorrer, o Grão-Mestre eleito tomou mais profundamente conhecimento dos assuntos em andamento na Obediência, beneficiando da colaboração do Grão-Mestre em exercício, e seleccionou e escolheu os colaboradores que o irão auxiliar na condução dos destinos da Grande Loja durante o seu mandato, integrando o Quadro de Grandes Oficiais da GLLP/GLRP. O trimestre de transição entre a eleição e a investidura permitiu, assim, uma suave transição entre as duas equipas de direcção da Obediência, a que cessa as funções que frutuosamente exerceu e a que agora vai assumir a responsabilidade da gestão da GLLP/GLRP.

Na sessão de instalação estarão representadas todas as Lojas da GLLP/GLRP, os Corpos Rituais dos Altos Graus regularmente praticados em Portugal e as Grandes Lojas e Grandes Orientes internacionalmente reconhecidos como Regulares, convidados para a ocasião, e estarão presentes todos os maçons , de todos os graus e de todas as Lojas da GLLP/GLRP, que desejem fazê-lo.

Será manifestado o respeito pela Nação e seus símbolos, quer pela presença, no lugar proeminente que lhe compete, da Bandeira Nacional, quer pela, como sempre, sentida e respeitosa entoação do Hino Nacional. Seguidamente, efectuar-se-á a silenciosa homenagem à memória dos Irmãos que passaram ao Oriente Eterno.

Após a realização das operações de leitura e votação de aprovação da acta da sessão anterior, será apresentado o relatório do Grande Secretário e proceder-se-á à imposição de distinções honoríficas conferidas pela Obediência.

O final do exercício de funções do Grão-Mestre cessante, M:. R:. I:. Alberto Trovão do Rosário, será, muito simbolicamente, assinalado com a apresentação por este da sua última prancha de Grão-Mestre.

Efectuar-se-á então a cerimónia de investidura do M:. R:. Grão-Mestre Mário Martin Guia, após o que este procederá à nomeação e ajuramentação do corpo de Grandes Oficiais, que o acompanhará no exercício do seu mandato.

Está prevista seguidamente a habitual concessão da palavra a Bem da Ordem, que será certamente utilizada pelos representantes das várias Lojas para saudarem o novo Grão-Mestre e manifestarem a disponibilidade das mesmas para a cooperação e colaboração nas tarefas que se perfilam no horizonte, bem como a concessão da palavra aos Muito Ilustres Visitantes.

Proferirá depois o Grão-Mestre recém-investido a sua primeira alocução nessa qualidade.

Após a apresentação da prancha do Grande Orador, circulará o Saco da Beneficência, na habitual recolha de fundos para as obras de beneficência auxiliadas pela Grande Loja, e executar-se-ão as operações de encerramento dos trabalhos.

Pelas 20 horas, no mesmo hotel, terá lugar um jantar de convívio, em honra das senhoras.

É um simples acto da mais elementar justiça, que neste blogue gostosamente se pratica, reconhecer o frutífero desempenho do Grão-Mestre cessante, M:. R:. I:. Alberto Trovão do Rosário, e da equipa de Grandes Oficiais que o auxiliou, e manifestar a todos eles a gratidão pelos esforços que desenvolveram a bem da nossa Ordem.

É um simples acto de natural confiança declarar que todos depositam as maiores e mais optimistas expectativas no bom desempenho de funções pelo novo Grão-Mestre, M:. R:. I:. Mário Martin Guia, e da equipa que o acompanhará.

É um simples acto de natural satisfação consignar a naturalidade com que ocorre a transição entre dois ciclos.

Rui Bandeira

22 março 2007

Polémica ?... coisa nenhuma. Viva a Primavera

Meu Caro José, sê bem aparecido !
O "A-Partir-Pedra" sentia a Tua falta. Sei que andas muito atarefado, mas vai mandando uns palpites dos teus, para alegria e ensinamento de todos nós.

Meu Caro Rui, pois cá para mim os indianos tomaram a atitude inteligente.
Chegaram à mesma conclusão que eu, há duas componentes, Conteúdo e Título, que não batiam uma com a outra.
Não podendo alterar a primeira resolveram adaptar a segunda ! É inteligente, pois claro.
"Maçons em Julgamento" é bem achado, tanto mais que a Maçonaria sai "absolvida" daquele "tribunal".
Já pensaste o que responderias quando alguém se chegasse ao pé de Ti, logo pela manhã :

- Então, quantos é que a maçonaria já matou hoje ?

Não tem piada nenhuma !

Bom, mas há coisas igualmente importantes, e uma Amiga minha não perdoa estas coisas e não me deixa esquecer datas importantes.
Hoje mandou-me uma mensagem que só posso mesmo "blogar" para todos. Aqui vai.


alô alô a teresa primavera chegou
de mãos dadas com o vento e corada de tanto correr.
parece-me que trás cerejas no seu chapéu de palha
e um recado para quem gosta de cheirinhos e de plantar...:


época de sementeira

abóbora abril/junho
alface janeiro/junho
beterraba março/maio
cebola fevereiro/maio
couve março/setembro
hortelã março/junho
rabanetes abril/junho
tomate fevereiro/maio


aqui deixo um sorriso para o tempo novo que aí vem
e espreitem este filme...............

http://www.dailymotion.com/video/xp7vr_verdi-traviata-choeur-bohemiens

um beijo-hortelã.marina

JPSetúbal

Polemica

Até que enfim uma polémica em que eu nao entro !!!!.

Tenho andado arredado da escrita, mas nao ando longe do blog.

Nao vi o documentario, tentarei ve-lo no domingo ( se me lembrar).

No entanto de tudo o que li há uma coisa que nao posso concordar. Se bem que a versão oficial é que o Papa João Paulo I morreu de causas naturais, nada foi provado até agora que essas causas naturais nao tenham sido induzidas.

Tudo o que li até hoje aponta para aí.

Mas isso sao outros 500 !!

JoséSR

National Geographic - 4


Tinha decidido dar o tema por encerrado com o último texto do JPSetúbal. Juro!

A única dúvida sobre o assunto que me restava, e que teria oportunidade de pessoalmente esclarecer com o JPSetúbal, era a aferição de em que medida é que o título do documentário ("Dentro da Maçonaria" não contribuiu para o desencanto de quem o viu. Isto é, se ao documentário tivesse sido dado outro título, mais consistente com o seu conteúdo, se a reacção de desagrado seria a mesma e no mesmo grau.

Mas quis a deusa da Fortuna (que, aliás, não existe...) que, na minha busca de informação que pudesse ser interessante colocar neste blogue, deparasse - nem de propósito! - com notícia, que manifestamente respeita ao mesmíssimo documentário, SÓ QUE COM OUTRO TÍTULO, na edição na Rede de hoje, 22 de Março, do jornal indiano The Hindu, que traduzo:

Descobrindo o interior da Maçonaria para espectadores do pequeno écran

Madhur Tankha (autor do texto)

“Maçons em julgamento” programado para ser emitido

“MASONS EM JULGAMENTO”: O programa estreia no canal National Geographic este domingo.

NOVA DELI: “Maçons em julgamento”, que estreia no canal National Geographic no póximo domingo, examina detalhadamente os Maçons. Analisando boatos sobre Maçons, o programa de duas horas ajuda a distinguir factos e ficção acerca deste grupo enigmático com milhões dos membros em todo o Mundo.

Pela primeira vez, os templos Maçónicos em todo o Mundo abrem as suas portas e fornecem a cobertura exclusiva para “Maçons em julgamento”.

Uma característica especial do programa é que uma Loja da Maçonaria em Halifax, Canadá, permitiu mesmo a filmagem de um ritual Maçónico, que ocorre em templos Maçónicos desde o início do século XVIII.

Complementado por entrevistas com Maçons proeminentes da América do Norte e da Grã- Bretanha, tal como de não maçons e peritos da Maçonaria, o programa especial fornece um acesso sem paralelo, que lança nova luz sobre a história e as tradições da Maçonaria.

O programa providencia um olhar crítico sobre o significado oculto de alguns dos símbolos mais comuns da Maçonaria e dos possíveis códigos encontrados em lugares como uma igreja escocesa medieval e mesmo numa nota de dólar dos Estados Unidos.

Joy Bhattacharjya, vice-presidente sénior (programação) do canal National Geographic da Índia, disse que o programa leva os espectadores para dentro da Ordem para revelar a verdade atrás desta organização enigmática.

“Esta película promete fazer com que os espectadores repensem a sua opinião, levando-os para ao interior da Maçonaria, não para revelar os rituais, mas para descobrir o pensamento Maçónico. Passando através da ficção, a película responderá à pergunta -- O que significa realmente ser Maçon?”

Como se intui facilmente, o documentário é o mesmo, o título é diferente - porventura mais ajustado.

Enfim, bom ou mau, goste-se ou não, esclarecedor ou fraquinho, o certo é que este documentário é exibido em todo o Mundo. E, se nós achamos que a Maçonaria merece um documentário melhor, a solução é simples: produzi-lo e realizá-lo!

Rui Bandeira

21 março 2007

NATIONAL GEOGRAPHIC - 3


Eu logo vi que isto não acabava bem…
Meu Caro Rui, és um desmancha consensos !

O Teu ponto de vista é bem levantado, porque o filmezinho realmente é feito por americanos, mas não temos que aturar todos os disparates que os americanos querem fazer, na sua mais do que improvável inocência, ainda que na sua enorme ignorância.
A este nível de gente, então, não acredito nem um bocadinho na inocência de quem fez o filme, por muito que seja com a intenção de ganhar ou garantir audiências.

Eu bem vi as entrevistas que me mandaste, feitas ao “povão” americano pela CNN, e que dão uma ideia trágica da completa ignorância daquela gente:
-Diga um país começado por “U”
– “yuguslavia “... “Utopia”…

- Qual a religião em Israel ?
-… “Israeli”… -“Muslim”…-”Islamic”… -“Católica, provavelmente”…

- Qual a religião dos monges budistas ?
-“aaaa….ahnnnn …...unnn..”

– Quem é Fidel de Castro ?
– “um cantor…”

- Quantos lados tem um trângulo ?
– ahnnn.. quatro ?... … - Uhmmm, … não tem lados… um ? ”…

- Qual a moeda usada no Reino Unido ?
- aa…aannnn….ahnnn…. o que é o reino unido ?... - Eu não sei… … possivelmente dinheiro americano !... -uhmmmm,… a moeda Queen Elisabeth ?

- Kofi Anan é uma bebida, verdadeiro ou falso ?
- Café ( coffee…) é uma bebida… - ahnnn,…isso parece uma firma de advogados…

(http://www.zortal.gr/modules/mylinks/visit.php?cid=8&lid=6175)

E muitas outras, entre as quais aquela da “Al-Qaeda” ser um ramo da Ordem Maçónica… ainda é das menos ofensivas para a inteligência humana.

Como sabes, bem melhor do que eu, nos EUA é tão honroso ser-se maçon que essa qualidade, quando existe, é incluída na apresentação pessoal (cartão ou curriculum).
Ora o que eu concluo do documentário do NG não honra ninguém.
E a pergunta que faço é razoavelmente simples de responder, penso eu, e é a seguinte:

- Se os acontecimentos mostrados não têm a ver com a Maçonaria, então porque carga de água lá foram metidos ?

Não me parece ser demasiadamente exigente querer que um filme com o título “Dentro da Maçonaria” refira o que acontece dentro da Maçonaria !
Não me parece ser demasiadamente exigente querer que um filme com o título “Dentro da Maçonaria” não ande à volta do que está fora da Maçonaria e, mais, se afirma nada ter a ver com ela.

Os realizadores, historiadores, cenógrafos, técnicos e demais profissionais ao serviço da NG são reconhecidamente de grande qualidade e profissionalismo, razão adicional para eu torcer o nariz à apresentação que ali é feita.
Não me cabe na cabeça que aqueles técnicos, exactamente aqueles técnicos, sejam os mais fraquitos que a NG tem, e então, qual Beto do Benfica, desculpa-se porque não têm imaginação para fazer melhor.
Tenho muita dificuldade em comprar estas ideias.
Para mim aquilo está mal feito.
Não chego ao ponto de dizer que é propositado, não estou nada virado para a teoria da conspiração, mas devo exigir mais do controlo de qualidade da NG.
A não ser que afinal a NG não seja tão boa como circula pelo mercado televisivo!

Então, para mim, fico com uma NG com a grande qualidade a que nos habituou com os seus belíssimos documentários sobre a Natureza, sobre História, sobre Ciência…
Fico também com a excelente qualidade dos seus profissionais !


E acabo ficando com um documentário sobre “Dentro da Maçonaria” que é um produto menor (é preciso ter azar…), feito por quem apenas quis encher tempo de antena, feito por quem não sabe nada do que está a contar e como tal, não sabe por onde começar, como continuar e como terminar.
Porque o filmezinho começa, continua e acaba mal ! Desta vez só se aproveitam, mesmo, os intervalos !

E se é só para americano ver, então teremos de pedir contas à NG/Tv Cabo que o incluíram na programação para Portugal !

Só um apontamento relativamente às Tuas conclusões.
É preciso uma “boa vontade” muito, mas mesmo muito, grande, para concluir que fica claro, no documentário da NG, que a morte de João Paulo I tenha sido por causas naturais.

E o Maçon comentador inglês, não foi, ou não poderia ter sido, consultor para evitar os desvios que ali ocorrem, como aquela que Tu apontas bem a propósito, dos tijolos nos bolsos do fulano que apareceu pendurado na ponte ?

Bom, para finalizar por agora, eu não gosto do documentário, fico com a opinião de que está mal feito, foge ao tema que o envolve e não tem nada a ver com o título que o anuncia, é muito pouco cuidado e por isso resulta perigoso.

E como é dia
Para lembrar a poesia…

Para todos um abração,
quer concordem ou não !


JPSetúbal

National Geographic - 2

Li com atenção o texto de JPSerúbal a propósito do documentário "Dentro da Maçonaria" que o canal National Geographic transmitiu no passado Domingo e retransmitiu na madrugada de segunda-feira. Li também interessadamente os comentários que tal texto suscitou, genericamente concordando com a postura de crítica e de lamento de que tal documentário não tenha sido mais esclarecedor e, sobretudo, menos sensacionalista.

Manifesto-me contra a corrente, pois a minha opinião diverge das que foram expostas. E, como é apanágio dos maçons, exprimo serenamente a minha opinião divergente, sem prejuízo do integral respeito pelas que já foram apresentadas.

Penso que as críticas expostas por JPSetúbal e que mereceram a concordância de o marreta, escriba e o profano (a patbr não viu ainda o documentário) sofrem de um duplo erro de perspectiva: resultam da análise de (1) quem é maçon ou, não o sendo, se interessa pela Maçonaria e dela conhece os elementos essenciais) e (2) de quem viu o documentário na perspectiva europeia.

Se procurarmos - tanto quanto tal seja possível - despirmo-nos destas perspectivas e, pelo contrário, atendermos a que o documentário foi produzido por quem está de fora da Maçonaria, destinado a ser visto essencialmente por quem está de fora dela (daí, aliás, o título "Dentro da Maçonaria", que só é apelativo para quem está "de fora" e tem curiosidade em saber como é "cá dentro"), foi pensado e realizado por quem vive , é oriundo e tem a cultura da América do Norte (e aqui incluo os Estados Unidos e o Canadá - o México é de outra galáxia...) e destinado a ser visto por quem vive e tem os traços culturais americanos e canadianos, facilmente concluiremos que, dentro da perspectiva de quem o fez e para quem foi feito, o documentário procura e consegue desmistificar algumas das teorias da conspiração envolvendo a Maçonaria e procura e consegue repôr alguma verdade sobre o que é e quais são os objectivos desta.

Atentemos no seguinte: o americano médio, de uma pequena povoação do Ohio ou do Wisconsin, ou o canadiano isolado nos confins do Yukon, qualquer deles bombardeado desde há dezenas de anos por uma imprensa que faz os tablóides britânicos parecerem meninos de coro e por dezenas de canais televisivos que fazem da TVI e da TV Record expoentes máximos da suma qualidade televisiva, provavelmente as únicas coisas que ouviram falar da Maçonaria é que é um grupo esquisito de gente que faz coisas secretas, de forma secreta, em locais secretos - e se tudo isto é secreto é porque não deve ser boa coisa, porque se fosse faziam-no às claras... - e que só se ouve falar dela em ligação a escândalos ou crimes: a morte esquisita do Papa dos católicos, a morte de um tipo rico pendurado, com tijolos nos bolsos, a morte de um desgraçado a tiro durante um ritual maçónico. Enfim, tudo coisas tenebrosas, que bem fazem emparceirar estes maçons com a Máfia, os adoradores do Diabo e os conspiradores do assassínio de Kennedy (e, vai-se a ver, se calhar, eles também estão metidos nisso...).

Se tivermos esta noção, percebemos então que um documentário que se limitasse a revelar um pouco dos nossos princípios, das nossas práticas, dos nossos propósitos teria como resultado que, logo no primeiro intervalo (e, na televisão americana, os intervalos são de dez em dez minutos - isso é, aliás, claramente visível na estrutura do documentário, organizado em blocos de dez minutos), o povão, farto dessas intelectualices bacocas e sem interesse nenhum, rapava do telecomando e mudava para o reality show mais próximo...

Para ser visto (e, para não ser visto, só filma o Manoel de Oliveira...), o documentário tinha de ter algum sensacionalismo. Procurou, assim, prender o público com a análise das teses que implicavam a Maçonaria nas mortes de João Paulo I, do banqueiro do Banco Ambrosiano e do candidato morto em cerimínia maçónica. É sensacionalismo? É! Seria possível ser feito de outra maneira e ser visto pelo público a que se dirigia? Não! (Agora, pareço o Ricardo Araújo Pereira a imitar o Prof. Marcelo...)

Mas, se repararmos bem, resultou dessa análise a inequívoca conclusão de que a morte de João Paulo I se deveu a causas naturais e que, se conspiração tivesse havido, o lógico é que ocorresse no interior dos altos interesses da Igreja Católica, não da Maçonaria. Resulta dessa análise evidente a conclusão de que o banqueiro pendurado em Londres foi assassinado pela Máfia, prejudicada pelas malfeitorias financeiras feitas pelo Banco Ambrosiano, que os tijolos nos bolsos mais não foram do que uma canhestra tentativa de desviar a atenção para a Maçonaria (e canhetra, porque, ao menos, o inculto do mafioso podia ter posto pedras, brutas ou cúbicas, tanto fazia, e não tijolos...) e que a P2 de maçonaria tinha o aspecto, mas nada mais era do que um antro de conjurados de extrema-direita sedentos de Poder (e nós recordamo-nos, mesmo na Europa, as confusões que houve com aquela P2 e a Maçonaria...). E resulta claro que a morte a tiro na cerimónia maçónica (os americanos gostam muito de brincar com armas de fogo...) foi acidental e que, mesmo assim, o causador do acidente, porque condenado por homicídio por negligência, foi expulso da Maçonaria.

Tudo isto foi dito e esclarecido no documentário. Só não vê quem não quiser ver - e não duvido também que os nossos "inimigos de estimação" não viram ou duvidaram de tudo o que excluia a Maçonaria desses episódios...

E, de caminho, ainda conseguiu o documentário, divulgar algo de rituais (rituais americanos, claro...), algo do nosso ideário, algo das nossas posições.

É claro que não é ópera, mas não foi um espectáculo indecente. É claro que não são pérolas, mas será que os destinatários as apreciariam?

Em resumo: se analisarmos a questão deste ponto de vista, o documentário até foi sério e bem feito, atento o público a que se destinava.

Para a patbr e mais quem não viu o documentário: o National Geographic vai retransmiti-lo domingo, 25, às 14 horas.

Rui Bandeira

20 março 2007

A canadiana Internet Lodge of Research

Já dei conta, neste texto, da existência, na Grande Loja Unida de Inglaterra, de uma Loja de investigação denominada Internet Lodge.

Agora, dou-vos conta de uma Loja similar, também de investigação, também vocacionada para a Internet, mas esta integrada na Grande Loja de Alberta, no Canadá: a Internet Lodge of Research, criada em 4 de Março de 2000 e consagrada em 17 de Novembro de 2002.

São seus objectivos:

- Oferecer aos Maçons, especialmente na área de Calgary, um fórum cibernético para a publicação na Rede das suas pranchas de pesquisa. Tais pranchas devem ser aprovadas por uma comissão de publicações e ser digitalizadas no formato “pdf”, quando possível.

- Promover o uso das Novas Tecnologias nas Lojas e pelos maçons e desenvolver programas para ajudar os Maçons a usar estas ferramentas para realçar nas suas Lojas e vidas pessoais. Tais programas devem enfatizar soluções aptas a serem utilizadas por todas as plataformas, para serem utilizáveis por todos.

- Promover uma comunicação entre os Maçons de todo o Mundo, usando a Rede e as variadas tecnologias disponíveis através de sítios, correio electrónico, magazines electrónicos, salas de conversação, grupos de notícias e demais tecnologia que vier a aparecer.

- Promover os princípios da Maçonaria, pela informação exacta, relevante e significativa a fornecer sobre a Fraternidade, seus propósitos e objectivos, seus projectos de solidariedade e seus projectos no ciberespaço e fornecendo atalhos para outros sítios.

- Publicar os registos de suas reuniões formais e de quaisquer outras pranchas de pesquisa maçónica que a sua comissão de publicações recomendar, em formato electrónico.

Podem ser membros desta Loja os Mestres Maçons de qualquer Loja da Grande Loja de Alberta.

No sítio desta Loja, podemos encontrar, além de pranchas (Maçonaria e Tecnologia, O Esquadro, o Compasso e o Computador e O impacto do motor a vapor na Maçonaria são exemplos de títulos de pranchas ali disponibilizadas em .pdf), um muito completo serviço de indicação de atalhos para sítios de interesse maçónico, mas não só. De uma forma geral, o sitio está muito orientado para a interactividade com os seus visitantes.

Vale a pena visitar.

Rui Bandeira

19 março 2007

National Geographic


O excelente canal televisivo que é o National Geographic transmitiu ontem à noite um programa de 2 horas sobre a Maçonaria, intitulado “Dentro da Maçonaria”.
Foi anunciado com alguma insistência e, confesso, que mantive uma expectativa muito grande sobre o conteúdo espectável.
Tenho para mim que os Maçons só têm a ganhar com a desmistificação da sua actividade e objectivos, tornando claro a todo o mundo quais os seus fins, porque existem e porque mantém a discrição das suas actividades.
Neste sentido ia a minha expectativa.

A Maçonaria não é constituída por um bando de malfeitores, egoístas, organizados em bando de interesses próprios, auto-protegendo-se em ambiente de ilegalidades.
A Maçonaria é constituída por homens de boa vontade, sujeitos por juramento à obediência à lei da Nação, trabalhando e procurando em conjunto o melhoramento da sociedade em que se inserem.

Igualdade, Fraternidade, Solidariedade são as ideias-chave dos Maçons, que devem praticar e viver dentro e fora do Templo, em ambiente maçónico ou profano, devendo constituir-se em exemplo para os demais que com eles convivem.
Isso é a Maçonaria e assim são os Maçons, mau grado as dúvidas, calúnias e acusações que parte grande da sociedade ainda faz à organização maçónica.
Por ignorância uns, por maldade outros, por interesses inconfessáveis outros ainda.
Parece-me incompreensível e estúpido, mas os maçons têm os seus “inimigos de estimação”, sempre originários em ideologias que ao longo da história têm querido controlar o Homem, no seu sentir e no seu viver.
Foi assim com todas as ditaduras, que tentaram banir a Maçonaria da face da terra, foi e é assim com a Igreja de Roma responsável ao longo de séculos por morticínios em massa de maçons, só porque, na sua verticalidade e na certeza da obediência a um juramento que fazem voluntariamente, nunca condescenderam com a subserviência a que os quiseram obrigar.

Ora o documentário que o National Geographic passou não resolveu nenhuma das dúvidas que se punham e põem a quem quer saber o que é a Maçonaria ou a quem ainda tem medo dos maçons.
É facto que se trata de um documento afirmativo quanto às virtudes maçónicas, mas também é verdade que toda a história roda à volta de dois crimes horrendos, por “coincidência” ambos relacionados com a Igreja Católica, no mais próximo que pode ser dos interesses em jogo em redor do Papa.
Num caso envolvendo as traficâncias do Banco Ambrosiano (banco do Vaticano), e noutro caso envolvendo mesmo a morte do Papa (João Paulo I).
Em qualquer dos casos se afirma que a Maçonaria não teve nada a ver com estes crimes, mas ambos os casos mostrados e comentados num documentário sobre a Maçonaria, “Dentro da Maçonaria”.
Claro que as perguntas ficam no ar, infelizmente e como de costume, nem todas.
Assim, não vi qualquer referência a uma figura mais do que parda, da vida do Banco Ambrosiano, que foi condenado pelos tribunais italianos e depois protegido pelo Papa e retirado para o Vaticano de onde nunca mais saiu com vida, o Monsenhor Marcinkus.
É estranho que com uma história tão insistentemente falada ao longo do documentário, não tivesse havido qualquer referência a essa figura negra da administração do banco.
A outra questão que foi esquecida refere-se à morte de João Paulo I, Papa por 33 dias, Agosto de 1978.
Oficialmente foi “enfarte de miocárdio” (sem autópsia), nas entrelinhas ficam várias interrogações sobre o interesse da Maçonaria em se ver livre de um Papa honesto, que sabia o que tinha dentro de casa e estava disposto a pôr ordem na traficância, suborno, chantagem, que o Presidente do Banco (Paul Marcinkus) e o Cardeal Jean Villot cobriam, com outros, através da chamada “loja P2”.
Esta “loja P2” começou por ser, realmente, uma loja do Grande Oriente de Itália, mas muito antes destes acontecimentos, em 1976, já a loja abatera colunas e os seus membros haviam sido expulsos da ordem, justamente por renegarem com os seus actos o juramento de honestidade, fraternidade e solidariedade que fizeram quando aceitaram fazer a iniciação maçónica, acabando por se tornar uma filial da Máfia italiana, com ligações aos piores aspectos que a política pode ter.
E isto, lamentavelmente, não fica nada claro no filme.
É assim a modos que uma espécie de filme “Dentro da Maçonaria”, mas só por fora !

É pena ter sido assim.
Entendo que foi perdida uma boa oportunidade de clarificar muita coisa, ainda que alguma tenha sido mostrado e esclarecido, nomeadamente a concepção deísta da Maçonaria.
Pelo menos isso ficou claro, tal como foi interessante a explicação sobre a parte ritual representativa da morte de Hiram Abif.

Outro pormenor que convém esclarecer tem a ver com a parte do ritual em que é apontada uma pistola ao candidato a maçon disparando balas fingidas, numa das provas pelo qual o candidato a Maçon tem que passar na sua iniciação.
No documentário mostra-se uma dessas provas em que o candidato acaba morto por um erro terrível que fez com que a pistola usada tivesse balas a sério.
O ritual de Iniciação que seguimos e que é parte do Rito Escocês Antigo e Aceite não utiliza qualquer prova na qual se disparem pistolas ou seja que arma for, nem a brincar e muito menos a sério.É impensável que uma situação destas possa acontecer na Maçonaria Regular de Portugal.


JPSetúbal


Harry Houdini

Quando se pensa em ilusionista, o nome que classicamente logo ocorre é o de Houdini, o grande mestre do escapismo, a sua imagem de marca.

Harry Houdini, de seu verdadeiro nome Ehrich Weiss, nasceu em Budapeste em 24/3/1874 e morreu em Detroit em 31/10/1926, com 52 anos, portanto. Ficou famoso pela sua habilidade em se libertar de algemas, mas também de correntes e cadeados, dentro de caixas, dentro de tanques fechados, dentro e fora de água.

O que é menos conhecido é que Houdini foi maçon, iniciado na Loja Santa Cecília, N.º. 568, de New York, em 17 de Julho de 1923, passado a Companheiro em 31 de Julho e elevado a Mestre em 21 de Agosto seguintes.

Em Outubro de 1926, morreu, de forma estúpida. Após apresentar um espectáculo para uma platéia de estudantes em Montreal, no Canadá, enquanto ainda exibia o "super tórax", um dos estudantes, pugilista amador, invadiu os bastidores e, sem dar tempo para que Houdini preparasse os músculos, golpeou-lhe o abdómen com dois socos. Os violentos golpes romperam-lhe o apêndice, e seis dias depois, morreu num hospital de Detroit.

As exéquias maçónicas em honra de Houdini tiveram lugar em 4 de Novembro de 1926, em New York.


Rui Bandeira

16 março 2007

À volta do Marquês

O nosso visitante O Profano, frequente autor de pertinentes comentários a textos publicados neste blogue, interroga-se, a propósito do texto de ontem:

Sempre ouvi dizer que o Marquês de Pombal teria sido iniciado na "Arte Real" aquando da sua estadia em Viena. Será essa informação que tenho, incorrecta?

A única resposta acertada para esta questão é: "Não sei!"

Efectivamente, como menciona o nosso comentador, é comum referir-se que o Marquês de Pombal teria sido iniciado maçon em Viena. No meu texto de ontem, consignei que "existem efectivamente indícios de que terá sido iniciado maçon. A época, as viagens, as ligações pessoais e o sentido de modernidade autorizam essa ideia" e aludi a um livro publicado por José Braga Gonçalves em que, de uma forma propositadamente romanceada mas indubitavelmente pormenorizada, se elencam alguns desses indícios.

Porém, a minha posição é que, com o que actualmente se sabe, apenas se pode dizer que é possível que o Marquês tenha sido maçon, mas não mais do que isso. Ou seja, existem importantes indícios... mas não há certeza!

Nesta questão da afirmação de quem foi o não maçon, sigo o critério de rigor que foi instituído pela Loja Quatuor Coronati, isto é, só dando como certo o que esteja indubitavelmente provado, seja por documentos, seja por declarações relevantes dos próprios, seja por testemunhos credíveis de maçons da época que com o visado tenham directamente privado.

No caso do Marquês, não se conhece inequívoca declaração sua de ter sido maçon - e tal não é de admirar: não nos esqueçamos que, naquela época, ainda funcionava em Portugal a "prestimosa" instituição que dava pelo nome de Santa Inquisição e que uma das suas tarefas era precisamente descobrir e aplicar o "santo correctivo" aos maçons...; aliás, é conhecido o caso do inglês de origem suíça John Coustos que, em 1743, fundou e dirigiu em Lisboa uma Loja Maçónica, tendo sido rapidamente preso e torturado, por nove vezes no espaço de dois meses, pelos Santos Inquisidores... Também, pela mesma razão, não se conhecem declarações de maçons da época que, tendo pessoalmente conhecido o Marquês, informassem da sua filiação na Ordem. Quanto a documentos, dificilmente se encontrará algo de relevante em Portugal, já que, devido às perseguições da Inquisição, a última coisa que os maçons de então, em Portugal, faziam era registar assuntos da Maçonaria em documentos, que poderiam facilmente cair nas mãos de algum denunciante ou, mesmo, de um Santo Inquisidor. Resta a hipótese de vir a ser localizado ou estudado algum documento austríaco, que venha a fornecer a prova inequívoca de que agora se não dispõe - e não sabemos se alguma vez dela se disporá.

É por isso que eu digo que é possível que o Marquês tenha sido maçon, iniciado em Viena - mas não afirmo que, com toda a certeza, o foi.

Ainda em comentário ao texto de ontem, "Fernando Pessoa" comentou que pensou que Aristides Sousa Mendes e Álvaro Cunhal tivessem tido alguma ligação à Maçonaria.

Quanto ao último, basta recordar que se afirmava ateu para se verificar que nunca poderia ter sido maçon regular; quanto à maçonaria liberal, lembremo-nos que postula ideais políticos e democráticos claramente incompatíveis com a ideologia assumidamente por ele professada e orgulhosamente defendida.

Quanto ao primeiro, recordemo-nos que era cônsul ao tempo da 2.ª Guerra Mundial e que, então, desde a entrada em vigor da lei de Salazar que proibiu as "associações secretas", já existia a regra de que todo o funcionário público, para o ser, tinha de emitir uma declaração por sua honra de que não era comunista nem membro de "sociedades secretas"; o meio diplomático de então era muito pequeno e, como hoje continua a ser, muito fechado; enquanto esteve na carreira, dificilmente poderia ter actividade maçónica sem ser detectado - e nada consta a esse respeito; depois de demitido e perseguido pelo regime de Salazar, tendo uma família numerosa para sustentar, teve de dedicar a sua vida à luta pela subsistência tão digna quanto possível; as coisas do espírito e do aperfeiçoamento pessoal não fizeram então, certamente, parte das suas preocupações prioritárias... Mas reafirmo que qualquer maçon se sentiria honrado em poder tratá-lo por Irmão e que, indubitavelmente, pode e deve ser reconhecido como um "maçon sem avental".

Rui Bandeira

15 março 2007

"Os grandes portugueses"

A forma privilegiada de interacção entre os autores do blogue e os visitantes deste é, obviamente a caixa de comentários, pelas possibilidades de diálogo entre uns e outros a propósito de qualquer tema, de qualquer texto, que a mesma propicia. Neste aspecto, já o JoséSR deixou cair, há tempos, num dos seus textos, um pequeno lamento quanto ao reduzido número de comentários que são colocados no blogue. Não é algo que me espante, quer porque, ao contrário dos hábitos anglo-saxões de participação, os nossos hábitos latinos não nos incitam a sair dos respectivos casulos e compartilhar opiniões. Normalmente lemos, gostamos ou não, concordamos ou não, mas raramente achamos que vale a pena dar - ainda por cima publicamente... - a nossa opinião. Acresce que neste blogue optámos por não permitir comentários anónimos, o que obriga aquele que, ocasionalmente, sinta o impulso de comentar um texto, a fazer um registo prévio no serviço de blogues para o poder então fazer, o que, frequentemente, faz extinguir o impulso...

Mas outra forma há de interacção, para quem pretenda opinar ou sugerir algo: o uso dos endereços de correio electrónico dos vários autores de textos, disponíveis nos respectivos perfis (excepto no caso do JPSetúbal; mas, para esse, podem comunicar comigo, que eu depois retransmito para ele...).

Foi o que sucedeu com um dos nossos visitantes, que me enviou uma mensagem de correio electrónico, em que, além do mais, escreveu o seguinte:

"a razão pelo e-mail, prende-se pelo facto de me ter surgido uma ideia/curiosidade, talvez que o Sr. ate possa esclarecer ou ate mesmo escrever no Blog:
Dos dez nomeados no concurso do "Melhor Português"
http://www.rtp.pt/wportal/sites/tv/grandesportugueses/index.php) quantos e quais foram maçons?
Pelo que li no livro de José Braga Gonçalves o Marques de Pombal foi um dos primeiros maçons em Portugal e dos nomeados Fernando Pessoa também tinha alguma ligação com a maçonaria. Mais alguém?"

Esta mensagem resolveu pela alternativa positiva uma dúvida com que me debatia: fazer ou não um texto a propósito deste programa televisivo? Por um lado, estava tentado a fazê-lo, pela temática histórica do programa e pela sua potencialidade de, pela via lúdica da "eleição" do "maior", reinteressar os portugueses pela História; por outro, o desagradável e infantil "campeonato" de cultores de ideologias representadas por dois dos "nomeados" em que publicamente se transformou o programa e a escolha, fez desaparecer instantaneamente o meu interesse pelo programa. Aquilo deixou de ser um programa lúdico-didáctico, passou a ser um banal pretexto para uma pueril pugna entre saudosistas de Salazar e cultores da personalidade de Cunhal, qual pseudo Benfica - Sporting de baixo nível, que nem Cascalheira - Carcavelinhos chega a ser. Enfim, tacanha mediocridade transformou uma ideia que até era interessante em reality show de baixo nível, como todos o são!

Mas se alguns assim estragaram o que indiscutivelmente era uma boa ideia, muitos - felizmente! - continuam fiéis à boa ideia e aproveitam o pretexto do programa para se interessar pela nossa História. É o caso do meu correspondente electrónico, e será o caso de muitos e muitos, e ainda bem! É, assim, com todo o gosto que vou procurar responder à questão colocada: quantos e quais dos dez nomeados no dito concurso foram maçons?

Os dez nomeados são, por ordem cronológica: D. Afonso Henriques, Infante D. Henrique, D. João II, Vasco da Gama, Camões, Marquês de Pombal, Fernando Pessoa, Aristides de Sousa Mendes, Salazar e Cunhal.

Em primeiro lugar, recorde-se que a Maçonaria Especulativa, a Maçonaria tal como a entendemos hoje teve o seu início em princípios do século XVIII. Antes disso, o que existia era o o que designamos por maçonaria operativa, isto é, a organização profissional dos construtores em pedra, que se organizavam em Lojas de trabalho operativo. A construção em pedra abrangia não só a elaboração dos projectos e planos de construção (actividade hoje associada à profissão de arquitecto), como a direcção da execução da mesma (engenheiro), como ainda a execução da obra (pedreiro, canteiro) e a elaboração das peças decorativas (escultor, gravador, pintor). A partir da segunda metade do século XVII, as oficinas de construção, as Lojas, passaram a admitir também elementos estranhos à arte da construção em pedra, mas nela interessados, particularmente nobres e intelectuais, assim iniciando a transição da maçonaria operativa, organização profissional com ética e princípios próprios, para a Maçonaria Especulativa, sistema de aperfeiçoamento ético e espiritual, independentemente da profissão de cada um.

Portanto, anteriormente ao século XVII, a inclusão de alguém na maçonaria só enquanto operativa, e, portanto, só se tratando de alguém que trabalhasse a pedra.

Dos dez nomeados ficam, assim, automaticamente excluídos dessa hipótese cinco: D. Afonso Henriques, Infante D. Henrique, D. João II, Vasco da Gama e Camões. Vejamos então os restantes cinco.

Cunhal é público e notório que não foi maçon. Dedicou-se à luta política, dedicou-se à ideologia que abraçou.

Salazar é também evidente que não foi maçon, antes se opôs à Maçonaria e contra ela usou o seu poder, tendo feito publicar diploma legal proibindo-a.

Aristides de Sousa Mendes podia perfeitamente ter sido maçon. Os seus princípios, a sua ética, os seus actos, qualificavam-no abundantemente para tal. Os maçons sentir-se-iam honrados em tê-lo na sua companhia! Aliás, na GLLP/GLRP existe uma Loja que homenageia a sua memória, a R:. L:. Aristides de Sousa Mendes, n.º 32. Mas não existe qualquer registo de entrada na Ordem Maçónica. Mas sem dúvida que o seu comportamento, a sua postura e os seus ideais permitem que, sem objecções, dele se diga que foi um autêntico "maçon sem avental".

Fernando Pessoa esteve muito ligado ao mundo do esoterismo - o que, aliás, é perceptível na sua obra - e obviamente que teve contactos com a Maçonaria, seus textos e princípios. Defendeu publicamente a Maçonaria, no artigo "As Associações Secretas: Análise Serena e Minuciosa a um Projecto de Lei apresentado ao Parlamento", publicado em 1935 no Diário de Lisboa. Mas nenhuma evidência ou registo existe que permita concluir que alguma vez foi iniciado maçon. Certamente porque não teve interesse em tal. Se o tivesse desejado, não haveria, sem dúvida, dificuldade na sua admissão às provas da Iniciação. Também em relação à sua memória a GLLP/GLRP dedicou e dedica uma Loja, a primeira, a R:. L:. Fernando Pessoa, n.º 1.

Quanto a Sebastião José de Carvalho e Melo, Conde de Oeiras e Marquês de Pombal, existem efectivamente indícios de que terá sido iniciado maçon. A época, as viagens, as ligações pessoais e o sentido de modernidade autorizam essa ideia. José Braga Gonçalves, designadamente no seu livro O maçon de Viena sustenta essa tese com abundância de pormenores, alguns dos quais talvez um pouco forçados (estou a pensar na tese de que os planos da Baixa Pombalina reproduzem a disposição de uma Loja Maçónica: só com algum esforço e alguma dose de boa vontade se pode concluir pela afirmativa). Mas, apesar dos pesares, o conjunto de indícios apontados por Braga Gonçalves é de considerável peso. No entanto, até agora não se encontraram provas irrefutáveis que confirmem essa forte possibilidade. O Marquês de Pombal também é homenageado por uma Loja da GLLP/GLRP, a R:. L:. Marquês de Pombal, n.º 19.

De referir, ainda, que a GLLP/GLRP dedica à memória do Poeta dos Lusíadas a R:. L:. Camões, n.º 15, e à do Navegador a R:. L:. Infante D. Henrique, n.º53.

Rui Bandeira

14 março 2007

Convenção do Rito de York Unido de Portugal


O último Sábado foi mais um dia de festa para a Maçonaria Regular de Portugal
Realizaram-se as reuniões magnas dos Altos Graus do Rito de York da Maçonaria Regular, juntando em Lisboa os representantes dos Altos Graus da Maçonaria Regular da Roménia, Grécia, Estados Unidos, Brasil, Áustria e Alemanha.

No Templo de Lisboa reuniram-se o “IV Conclave” dos Cavaleiros
Templários de Portugal, a “IX Assembleia” da Maçonaria Críptica de Portugal (Grande Conselho de Mestres Reais e Escolhidos de Portugal) e a
“XI Convocatória” do Grande Capítulo de Maçons do Arco Real de Portugal.

Encontros de grande significado maçónico que serviram também para os
Maçons Regulares elegerem os novos corpos de oficiais que
orientarão estes órgãos de cúpula do Rito de York Unido no período
que ora se inicia.

Viveram-se momentos de grande solenidade maçónica, nomeadamente quando da homenagem à Bandeira Nacional com o Hino Nacional cantado em uníssono pelas assembleias de pé e em sinal de paz.

Estas reuniões anuais são sempre aproveitadas também para os Maçons portugueses homenagearem as mulheres, como se sabe impedidas de assistir aos trabalhos das sessões rituais e, por isso mesmo, lembradas nesta altura e homenageadas com a atribuição da “Ordem da Rosa”, numa
cerimónia muito bonita e de grande simbolismo.

Também neste fim de semana se comemorou o XXV Aniversário da Grande Loja de Espanha com a presença dos Grão-Mestre instalado e do Grão-Mestre eleito da Maçonaria Regular de Portugal, que se deslocaram a Barcelona de propósito para acompanhar os nossos Irmãos espanhóis nesta Sua festa.
JPSetubal

13 março 2007

O sítio das tatuagens maçónicas

A imagem que ilustra este texto é de uma tatuagem executada no braço de um senhor chamado Terry Jackson, membro da Belle City Lodge, n.º 18, do Wisconsin, Estados Unidos.

O Irmão Jackson informa que esta tatuagem é apenas o começo: à medida que for progredindo nos graus da Maçonaria, tenciona gravar outras tatuagens no ombro, no peito e nas costas.

Esta imagem encontra-se, desde 15 de Agosto de 2006, no sítio Masonic Ink, um sítio destinado a apresentar tatuagens maçónicas.

Quem aceder ao sítio, vê logo, na sua página de entrda, uma dúzia de imagens de tatuagens de temática maçónica. Mas, para poder apreciar devidamente o sítio, deve registar-se (basta indicar um nome de utilizador, uma palavra passe e um enedreço de correio electrónico, para onde, de imediato, será enviada uma mensagem com um atalho de activação do nome de utilizador e palavra passe). Poderá então ter acesso ao conjunto completo de imagens de tatuagens e outras imagens de temática maçónica (incluindo uns interessantes quadros de Loja) e copiá-las para o disco, imprimi-las ou enviá-las por correio electrónico. Para melhor apreciar cada imagem, deve clicar duas vezes na mesma, o que fará abrir-se uma janela com a sua ampliação e uma pequena mensagem do tatuado.

Cá por mim, acho curioso ver estas imagens, algumas de uma complexidade apreciável, mas fico-me por aí. Em matéria de tatuagens, passo...

Rui Bandeira

12 março 2007

Dentro da Maçonaria

Para quem tem acesso à TV Cabo: no próximo Domingo, dia 18 de Março, às 20 horas, com repetição na madrugada de 2.ª feira, 19, à 1 hora e no Domingo seguinte, dia 25, pelas 14 horas (hora de Portugal Continental), o canal National Geographic vai apresentar um documentário, de cerca de duas horas, intitulado Dentro da Maçonaria.

Eis a respectiva sinopse: Atacada, ridicularizada e vilipendiada, nenhuma outra organização deu lugar a rumores tão imaginativos e apaixonados. No entanto, os tempos em que maçonaria era sinónimo de secretismo, rituais sinistros e corrupção pertencem ao passado. Mas o que significa ser maçon?

A não ser que ocorra uma coincidência de títulos, trata-se de um documentário que, segundo se informa no sítio da Grande Loja da Colúmbia Britânica e do Yukon, mais precisamente numa sua secção de Documentários maçónicos, foi filmado em 2004 e que consiste num conjunto de entrevistas a maçons da América do Norte e de Inglaterra, que foi estreado em 12 de Abril de 2004 na estação televisiva canadiana Vision TV e apresentado no Atlantic Film Festival de Halifax em 17 de Setembro do mesmo ano. Foi produzido, escrito e dirigido por John Wesley Chisolm, tendo como produtor associado e co-realizador Colin MacKenzie.

Uma boa oportunidade para maçons e profanos interessados no tema verem um documentário que, pela origem de quem o produziu e realizou e pela qualidade do canal que o emite, tudo indica ser um trabalho sério e esclarecedor.

Rui Bandeira