29 maio 2009

A Corrida

Ora bem, cá estamos em véspera de fim de semana.
Aqui Vos deixo um vídeo para meditar.
É bom que haja quem fixe estas imagens e as apresente a público para as vermos. Só não sei se são vistas por quem mais precisaria de as ver... mas isso é outra "guerra".
No dia em que os homens percebam que não existem para passar rasteiras uns aos outros mas antes, para se apoiarem e salvarem, teremos todos ultrapassado a crise.

A verdadeira, claro !

video

Gabriel Garcia Marquez - Aprendi que um homem só tem direito a olhar outro de cima para baixo, quando vai ajudá-lo a levantar-se.

Bom fim de semana

JPSetúbal

28 maio 2009

Maçonaria Entreaberta - III

Maçonaria Entreaberta - 3ª e ultima parte


Caso não se atinja essa dimensão, estarão sempre os maçons dominados pelas suas paixões visando objectivos materiais sem projecção espiritual... serão perfeccionistas do ritual, serão grandes doadores para obras de caridade, serão impecáveis nos seus atavios, medalhas, cordões e condecorações, mas pouco terão contribuído para o verdadeiro despertar das suas consciências, ou das dos outros. Pouco poderão contribuir, se a tão pouco se limitarem, a favorecer que a sociedade venha a ser de facto melhor.
Para se chegar a um tal nível, é necessário que tenhamos a visão das três idades que todos atravessamos: a do Pai ou da dependência, a do Eu, ou egocêntrica, e a do Nós ou da solidariedade.
Isto é, o ser humano quando nasce, e quantas vezes até morrer, nunca passa da fase inicial de dependência ou subordinação, primeiro dos pais ou do pai, depois dos professores ou tutores, depois dos amigos, dos patrões, dos leaders, enfim de quem não o permite ser livre por si próprio.
Outros há, que ultrapassam esta fase, entram na do Eu, egocêntrica e competitiva, normalmente com aspectos estimulantes de realização pessoal e profissional em função de metas materiais, atingindo quantas vezes os chamados padrões de sucesso e de convergência europeus, de felicidade e qualidade de vida, mas quantas vezes espezinhando os que encontram no seu caminho.
Não são todos, aqueles que conseguem ascender à terceira fase, a do Nós. A da solidariedade, que pressupõe responsabilidade social, sublimação de interesses materiais, conciliação entre objectivos individuais legítimos, e objectivos de interesse colectivo. Na fase do Nós, a espiritualidade é consequente, é actuante, e não apenas um rictus exterior para salvar aparências, ou apaziguar temores do desconhecido.
O momento da iniciação deveria ser, para aqueles que ainda não atingiram o terceiro degrau das suas vidas, o primeiro degrau de subida a esse nível de consciência, o verdadeiro primeiro dia do resto da suas vidas... A iniciação deveria ser sempre uma porta, um porta mais larga, com mais luz para o Nós, para consciência dos valores universais e espirituais milenários, que a Maçonaria regular representa.
A partir daqui, abre-se ao maçon regular, um caminho... ele aprenderá a comunicar pela palavra, e desde logo pelo juramento; ele aprofundará a capacidade de comunicar pelo gesto, e desde logo pelo colocar-se à ordem de aprendiz; enfim ele conseguirá com a ajuda dos seus irmãos aprender a comunicar pela mente, desde logo, pela primeira vez que se encontre numa cadeia de união.
Assim, ascenderá triplamente, oralmente, gestualmente e mentalmente, a uma nova forma de conhecimento, de si próprio, e dos outros, que como ele iniciados, passará a reconhecer e a tratar por Irmãos.
Se aqueles, que estiveram com a Grande Loja Regular até aos infaustos acontecimentos de 7 de Dezembro e depois a decidiram abandonar, tivessem mais cultura maçónica, se estivessem todos na fase do Nós, se tivessem ultrapassado as fases do Pai, e do egocentrismo do Eu, se já soubessem comunicar não só pela palavra, pelo gesto, mas também pela mente, não teriam afrontado a Maçonaria como o fizeram.
Não teriam eles sido, sim como foram, as vítimas da sua insaciável sanha anti espiritual, porque deixaram prevalecer as suas mesquinhas motivações profanas de interesses de poder material, sobre a responsabilidade do dever maçónico, que não compreenderam, que renegaram e que abandonaram.
Durante a crise aliás, verificou-se a simpatia senão mesmo a adesão aos valores da maçonaria universal pela reacção positiva de vários sectores da sociedade civil, e por uma opinião pública mais conhecedora dos fenómenos iniciáticos. Cedo se compreendeu, pela exposição à comunicação social, que o conflito tinha por génese a purificação da Maçonaria regular, de desvios que a viciavam, contrariando a sua abertura legítima ao mundo profano.
Os ex-maçons, que pelo uso da força e da mentira, violaram a lei civil e a tradição maçónica cometeram em auto-autópsia, um autêntico suicídio maçónico.
Ficou pois, finalmente claro depois da crise da maçonaria regular, quem ficou do lado da legalidade, da moralidade, da regularidade. Enfim, quem é Maçon...
Hoje, sem qualquer dúvida, a nível nacional ou internacional, a Maçonaria regular e universal está representada em Portugal pela Grande Loja Regular de Portugal, designação da assembleia geral da associação cultural sem fins lucrativos, constituída notarialmente segundo a lei portuguesa, sob a denominação de Grande Loja Legal de Portugal/GLRP.
A Grande Loja, que prosseguiu sem soluções de descontinuidade a sua actividade, congrega múltiplas lojas em todo o País, e mantém relações fraternas com a larga maioria das obediências maçónicas estrangeiras que integram a maçonaria universal, e continua a sua actividade ritual e espiritual, como é dos landmarks, no respeito das leis democráticas portuguesas, das suas autoridades legítimas, da moral social, e da Tradição ancestral maçónica universal.
A Maçonaria regular tem em Portugal, como tem em todo o mundo, um amplo horizonte de serviços a prestar à sociedade em que se insere, e à Humanidade em geral, pois os maçons, na vida profana, e pelo seu exemplo, devem constituir valores seguros de referência.
Devem os maçons envolver-se individualmente, que não em nome da Maçonaria, em projectos sociais, culturais, científicos, económicos e de solidariedade que sob o ângulo da responsabilidade e exigências de profissionalismo e justiça social contribuam para o avanço espiritual da sociedade.
A Sociedade, a Humanidade, só progride se conseguirem condições generalizadas de Paz, de Harmonia, de Fraternidade, de Solidariedade e de Tolerância entre aqueles que partilhem destes valores. As sociedades e a Humanidade serão tanto mais justas quanto menos excluídos sociais houver... só que a exclusão e a marginalidade social não afecta só os pobres de bens materiais, afecta, e de que maneira, os pobres de espírito.
Cabe em geral aos homens de boa vontade, e em especial aos maçons regulares, entre outros iniciados, tudo fazerem para que o advento do III milénio represente um efectivo progresso para a condição humana, para que cada vez haja menos excluídos de um processo de espiritualidade ascendente à compreensão do nosso destino críptico.
Apela-se pois a todos os que lerem estas linhas, Homens de Boa Vontade, e Meus Irmãos:
Confiemos no Grande Arquitecto do Universo, prossigamos a obra infindável do despertar das consciências, sejamos todos melhores num mundo que só assim melhorará, pela generalização da prática dos valores espirituais universais. A porta da Maçonaria fica pois, mais uma vez, entreaberta.....a todos Nós....em particular, aos que têm os pés na terra, a cabeça no céu, e o coração com o dos outros...
Luis Nandim de Carvalho - 1997
Editado por
José Ruah

27 maio 2009

Maçonaria Entreaberta - II

Maçonaria Entreaberta - 2ª parte

Cabe recordar o conceito de seita como foi definido recentemente pelo Parlamento francês , e que identifica "grupos que visam, mediante manobras de desestabilização psicológica, obter a adesão incondicional dos adeptos, a diminuição do seu espírito crítico, a ruptura com as referências comummente aceites (éticas, cientificas, cívicas, educacionais)...estes grupos utilizam coberturas filosóficas, religiosas ou terapêuticas para dissimular os objectivos de poder, submissão e exploração dos adeptos".

Neste conceito de seitas, aparecem como elementos caracterizadores e indiciadores da existência da marginalidade do grupo, os atentados ou ameaças à integridade física... o discurso com características anti-sociais... perturbações da ordem pública... tentativas de infiltração dos poderes públicos... etc.
Nada disto tem a ver com maçonaria, nem com religião. Exemplos de seita antimaçónica temos historicamente em Itália a loja P2 (propaganda due). Desde logo antimaçónica, porque secreta, porque não realizando iniciações, por ausência completa de observância dos landmarks, por não reunir regularmente, não cumprir com constituições ou regulamentos maçónicos, por ter objectivos materialistas e ilegais.
Os maçons regulares devem reunir-se em lojas regulares, exclusivamente masculinas, que estão congregadas institucionalmente em Grandes Lojas, ou mesmo Grandes Orientes que globalmente trabalham à glória do Grande Arquitecto do Universo. Não é possível entender-se na Maçonaria Universal a existência de Lojas regulares que o não sejam pela legitimação da transmissão da regularidade, e acrescente-se, pela manutenção, dos "standards" dessa regularidade, fixados nos "landmarks".
Para os regulares também não é pois possível a existência de lojas regulares autónomas - estas serão lojas selvagens, não reconhecidas pela comunidade maçónica universal. Mas também não é possível, existirem dentro da mesma Grande Loja ou Grande Oriente, se pretender obter o reconhecimento internacional, lojas a funcionarem regularmente de acordo com a Tradição, e lojas irregulares a funcionarem liberalmente, isto é sem aceitação unânime do landmark da crença no Grande Arquitecto do Universo.
Neste quadro o que é possível então?
Os maçons regulares consideram que a Maçonaria, como substantivo, só pode ter uma acepção que é a do sentido de uma organização masculina, iniciática deísta e simbólica. Não se reclamam do exclusivismo esotérico nem do exclusivismo iniciático que reconhecem poder existir em outras organizações. De facto, o termo maçonaria como adjectivo, tem sido usado para qualificar outras organizações de base humanista e que pretendem por uma via iniciática substituída (não a sagrada), desenvolver igualmente a filosofia de fraternidade, igualdade e liberdade, valores cívicos essenciais ao pleno desenvolvimento dos valores espirituais da Maçonaria, como é o caso, entre outros dos Rosa Cruzes.
Deste modo, não é possível a cooperação ritual, em loja, ou mesmo em Grande Loja, entre maçons regulares e irregulares, ou entre maçons regulares e quaisquer outro grupo de iniciados, não maçons, ou mesmo mulheres que se reclamem da Maçonaria.
Mas não deixa de ser possível a colaboração em iniciativas de carácter profano em que maçons regulares, e outros homens e mulheres de bem, pretendam desenvolver iniciativas que visem proporcionar à sociedade uma divulgação de valores que sejam universais, como a Paz, a Harmonia, a Solidariedade, a Fraternidade e a Tolerância. De facto algo de essencial aproxima todos os que se reclamam da Maçonaria: as preocupações humanistas, e o envolvimento em acções humanitárias. Uns os regulares, porque crentes em Deus, Grande Arquitecto do Universo são espiritualmente humanistas, outros porque irregulares, e laicos, cientes na natureza do Homem, são igualmente humanistas. Por via espiritual ou existencialista, aceitam todos o Humanismo.
A cooperação dos maçons com outras entidades, parte porém de pressupostos mínimos que são essenciais, e até tão naturais em consciências civicamente bem formadas que quase seria desnecessário referi-lo. De facto, não há nenhum projecto no mundo cívico ou profano, que possa envolver maçons, se não for compaginável com o respeito pela legalidade e liberdade democráticas. Nem se concebe que pudesse ser de outro modo.
Por isso, um dos pontos porventura mais salientes da crise que alguns dos ex-maçons regulares em Portugal ocasionaram publicamente, em finais de 1996, e que se auto excluíram da maçonaria regular, a partir do dia 7 de Dezembro, com a usurpação das instalações de Cascais da obediência iniciática - Grande Loja Regular de Portugal - e depois, pela tentativa de domínio dos altos graus maçónicos, é o da sua ausência de cultura democrática, moral e maçónica.
As autoridades maçónicas internacionais ou estrangeiras depositárias das tradições iniciáticas da maçonaria regular já tomaram aliás, posição iniludível. Seja ao nível das Grandes Lojas, seja ao nível dos sistemas dos Altos Graus, em especial do Arco Real, dos Grandes Priorados, e dos Supremos Conselhos do grau 33º : - Em Portugal, só existe uma Grande Loja Regular legítima, e que se insere na associação sem fins lucrativos denominada Grande Loja Legal de Portugal/GLRP.
A própria opinião pública, que condenou aqueles actos, surpreendeu-se, e com razão, com o facto de tal ter podido ocorrer desencadeado por quem se dizia maçon, e sempre publicamente se tinha apresentado como tal!
Quer com isso dizer-se, que muitos dos que se lançaram na aventura anti-maçónica da "casa do sino", como ficou a ser conhecida a instalação administrativa da Grande Loja Regular de Portugal, em Cascais, se esqueceram, ou nunca tinham interiorizado os ensinamentos que deveriam ter recebido na sua iniciação, e posteriormente com o simbolismo das demais subidas de grau, ou, ainda mais grave, na ascensão nos altos graus, ditos de perfeição. Ou seja, aqueles ex-maçons, ou pior, anti-maçons, que são hoje, violaram a importância dos seus juramentos, e com isso tornaram-se perjuros; renegaram a sua condição de maçons, e auto-excluíram-se da maçonaria regular e universal.
Uns intencionalmente, e perseguindo projectos de poder pessoal só possíveis pela pérfida violação da lei civil, da moral social e da tradição maçónica; outros, que os acompanharam, fizeram-no, uns, por ingenuidade ou falta de preparação maçónica, outros ainda porque não eram livres, e dependentes de salários, de relações familiares, e de empregos, não puderam libertar-se do jugo dos seus amos e senhores, ou, na melhor das hipóteses de relações de amizade possessivas.
Esqueceram-se, que mais valia ter a garganta cortada, no simbolismo expressivo de um dos juramentos maçónicos, do que faltar aos sãos propósitos de escolher os caminhos da virtude, de praticar o bem, assim, resvalaram nos caminhos do vício, ou seja decidiram praticar o mal.
Esqueceram-se, que no próprio catecismo de muitos ritos maçónicos, se exemplifica, para além do simbolismo: - mais grave ainda do que ter a garganta cortada, é ficar a ser considerado como perjuro, e passar a ser conhecido entre os maçons de todo o mundo, como homem indigno, sem palavra e sem honra...
Mas para tanto é preciso que se tenha honra. Que se seja livre, e de bons costumes...
Ora a questão essencial da cultura maçónica, começa por se colocar desde logo no momento da iniciação: - Só homens livres e de bons costumes podem ser iniciados, e desde que sejam crentes, em Deus, Grande Arquitecto do Universo. Não se trata de frases feitas para recitar como ladainhas, mas antes de conceitos que só fazem verdadeiro sentido se interiorizados, apreendidos, e assim sentidos na profundidade de um compromisso solene e sagrado, porque sob a sua honra, e sobre o livro sagrado.
O que quer dizer livre? De maior idade? Auto-suficiente economicamente? Não dependente de vícios que condicionem ou até anulem a nossa vontade? E de bons costumes? Que quer dizer? Que não se achem condenados pela sociedade civil, quer dizer apenas uma conformidade formal com a moral social dominante e vigente? Ou, antes terá o significado de bons costumes no sentido do respeito dos elementares deveres contidos na declaração universal dos direitos do homem?
Estas questões cruciais deveriam ser sopesadas aquando cada um que deseje ingressar na Maçonaria, se decide preencher o formulário de pedido de admissão. Por isso mesmo, há que favorecer a uma maior abertura ao mundo profano, e divulgação contida, daquilo que se pode entreabrir da Maçonaria... para que se saiba ao que se vai, pelo menos quanto a requisitos mínimos. E para que a sociedade não tenha, por receio ao secretismo do desconhecido, o impulso de o combater e de condenar.
Aliás, o verdadeiro segredo maçónico consiste na percepção interior da consciência do processo iniciático. É por isso e por natureza intransmissível, por qualquer outro que não seja o próprio, e mesmo assim, se encontrar palavras com que se possa exprimir de forma inteligível para quem não tiver sido, por sua vez, também iniciado.
Não há revelação de segredo maçónico por divulgação de quaisquer fotografias, frases, e até mesmo gestos que carecem de significado para quem não foi iniciado. Se de outro modo houvesse entendimento possível, todos os segredos da maçonaria estariam já revelados nos mais de 90.000 livros recenseados, que foram publicados sobre o tema, dos vários filmes e vídeos editados pelas Grandes Lojas Regulares, incluindo a Grande Loja Unida de Inglaterra, e das milhares de páginas que se encontram na Internet, quer assumidas oficialmente por várias obediências maçónicas, quer pelas páginas pessoais de vários internautas maçons. Não sejamos hipócritas... Hoje, a Maçonaria não se pode contentar em promover a iniciação daqueles que lhe batem à porta fascinados pelo sobrenatural do secretismo do mistério, pela enganosa ambição de negociatas mirabolantes só reservadas aos eleitos das suas imaginações, pelo pseudo poder oculto do domínio de coisas e de outros. Não e não.
A Maçonaria deve sim, ser uma resposta e uma via iniciática e redentora para aqueles que procuram um auxilio solidário no despertar e formar da suas consciências. Dos que pretendem ascender a um saber milenário e iniciático, que acreditam e querem continuar a acreditar no Criador, na Paz, na Harmonia, na Solidariedade, na Fraternidade e na Tolerância de todos os homens.
A Maçonaria deve ser uma escola de escol, de virtudes, uma oportunidade de auto aperfeiçoamento fraterno e universalista, para quem a procura, um caminho consequente de sublimação e de superação de limitações. Para tanto, é preciso maturidade de idade e de consciência, é preciso que se tenha uma percepção espiritualista da condição humana derivada da crença no Grande Arquitecto do Universo, é preciso enfim, ter-se já uma consciência suficientemente evoluída que permita a cada um dos maçons contribuir para que o profano iniciado se integre perfeitamente no caminho maçónico, que consiga sublimar os seus objectivos meramente materialistas, para se colocar numa posição ou patamar de espiritualidade actuante.
Fim da 2ª parte
Editado por
José Ruah

26 maio 2009

Maçonaria Entreaberta - I

Iniciamos hoje a publicação de primeira de 3 partes de um texto que cremos ter qualidade para estar neste espaço. Este texto que nos chegou por via indirecta, mas que imediatamente foi reconhecido como tendo sido escrito por Luis Nandim de Carvalho, 2º Grão Mestre da GLLP/GLRP, em 1997 época conturbada para a Maçonaria Regular Portuguesa. Solicitada a devida autorização para publicação, que nos foi concedida, ficou ao critério do editor, e dada a grande dimensao do mesmo, a respectiva separação em 3 partes a serem publicadas em dias consecutivos.
Relembramos que este texto data de 1997 e é um artigo de opinião pessoal .
Maçonaria Entreaberta
Quando um maçon usa ritualmente da palavra, em Loja, em sessão ritual, fá-lo a Bem da Ordem. Isto é, o maçon nunca se exprime por uma motivação pessoal e egoística, antes deve sempre preocupar-se e identificar-se com a organização iniciática que é a Maçonaria, assumindo pois uma postura altruísta e filantrópica.

Por natureza, o maçon é pois solidário na sua espiritualidade, o que resulta da sublimação da sua dimensão meramente terrena e materialista.
É esta atitude que alguns cínicos chamaram já de "insanidade maçónica", conceito anti-maçónico, porque anti-institucional, e que pretende ridicularizar os valores maçónicos, considerando-os só próprios de insanos.

Também na vida profana, isto é no seu quotidiano cívico, o maçon deve actuar de acordo com as suas responsabilidades próprias, isto é a bem da Ordem, o que significa nada fazer que ponha em causa a sua respeitabilidade e dignidade de instituição milenária, por via da contenção e da discrição. E por outro lado, pela via activa, tudo deve fazer para que os ideais universais dos valores da Paz, da Harmonia, solidariedade, fraternidade e tolerância, sejam efectivamente difundidos, aceites e praticados pelo maior número de pessoas, sejam ou não crentes no Grande Arquitecto do Universo.

Quer isto dizer, que não se pode ser maçon sem se respeitar a ordem democrática e da moral vigente, que aliás devem estar em consonância nas sociedades civilizadas contemporâneas. Um maçon que não se identifique nesses termos com a sociedade em que se integra, dificilmente poderá ser manter a sua condição de Maçon, porquanto nenhum legítimo dever profano deve estar em contradição com o juramento maçónico.
O maçon contemporâneo deve pois actuar de acordo com uma cultura maçónica espiritualista consequente, isto é, que compatibilize os valores humanistas universais, com os valores espirituais universais. Numa síntese, o maçon deve ter os pés na terra, a cabeça no céu, e o coração com o do dos outros... O que significa que o maçon deve sempre procurar superar as suas limitações, auto aperfeiçoar-se na busca de ser melhor do que é, especialmente em relação aos outros, qual bom samaritano. Correlativamente, cabe à Maçonaria proporcionar-lhe as condições objectivas para que tal lhe seja possível.

Esta postura é a exigida aos maçons regulares, também ditos tradicionais ou de via sagrada, aqueles que trabalham nas suas Lojas sob invocação de Deus, Grande Arquitecto do Universo, sobre o livro sagrado, o esquadro e o compasso.

Quanto aos outros, ditos maçons irregulares, ou liberais, ou de via substituída, que se reúnem segundo a aparência dos mesmos ritos, decorações e ideais, já dispensam a via espiritual, e trabalham sobre a Constituição de Andersen, a do País da sua nacionalidade, enfim sobre a própria declaração Universal dos Direitos do Homem, e sem necessariamente invocarem Deus, o Grande Arquitecto do Universo. Isto é: uns, os regulares, partem de um pressuposto que é o da crença no Criador, os outros partem do postulado da liberdade de crença ou não no Criador, uns e outros, sem se remeterem a uma posição contemplativa, buscam o seu próprio aperfeiçoamento, "não faças aos outros aquilo que não gostavas que te fizessem", mas com efeitos diversos ao nível de intervenção na sociedade.

De facto, enquanto os regulares se situam no plano do sagrado, os outros colocam-se no campo do laicicismo, e consequentemente envolvem-se mais directamente na vida profana que procuram aperfeiçoar, senão mesmo transformar.

Para um maçon "regular" a sociedade só será mais perfeita se isso decorrer do processo de aperfeiçoamento individual, de cada um, enquanto para um maçon "irregular", o essencial é ser ele o agente da transformação da sociedade. Isto é, passa o maçon em vez de ser o destinatário das suas reflexões e consciência, para procurar o auto aperfeiçoamento, a considerar-se o agente de transformação e da perfeição da sociedade.

Bem se compreende que esta atitude possa gerar desde logo, a quebra de harmonia entre os maçons. Ultrapassada a intimidade de cada um, em que só cada qual é juiz de si próprio, e de acordo com os parâmetros da sua autodefinição, sendo portanto responsável pela sua própria consciência, os maçons irregulares confrontam-se exteriormente sobre as várias actividades que poderão contribuir para transformação e aperfeiçoamento da sociedade...e estas serão tantas quantas as percepções do que é a perfeição da sociedade.
Uma outra questão que pode lançar alguma confusão quanto ao termo maçon, para além da referida distinção entre maçons regulares e irregulares, na terminologia mais amplamente consagrada, é a possibilidade de existirem maçons que trabalham regularmente mas em situação institucional de irregularidade, e a de maçons institucionalmente irregulares, mas que trabalhem regularmente nos seus templos e Lojas.
De facto, para se ser maçon não basta uma auto proclamação. É necessário que "os seus irmãos o reconheçam como tal", isto é, é essencial que se tenha sido iniciado, por outros maçons, cumprido com as suas obrigações de maçon, esotéricas, simbólicas e incluindo as materiais, e que se integre numa Loja, integrada regulamentarmente numa Grande Loja ou num Grande Oriente, devidamente consagrados, consoante as terminologias tradicionais. Ora, desde logo se pode vislumbrar a possibilidade de maçons integrados numa Grande Loja ou um Grande Oriente irregular (nomeadamente por não ter sido regularmente constituído, respeitar globalmente a crença em Deus, Grande Arquitecto do Universo, nem obedecer a outros landmarks), praticarem numa determinada Loja uma actividade em tudo igual aos que actuam numa Loja regular, integrada numa Grande Loja ou Grande Oriente Regular.

Todavia tal não basta, e uma prática maçónica, só se pode admitir como regular, se reconhecida como tal, por quem de direito, ou seja, por uma Grande Loja, ou Grande Oriente regularmente constituído e em regularidade de funcionamento.

Aos que se consideram maçons regulares, para que efectivamente o sejam, é necessário serem reconhecidos como tal, é indispensável que tal estatuto lhes seja reconhecido. De facto o reconhecimento é essencial para atestar um dos requisitos fundamentais e integradores da regularidade, que é o da legitimidade da transmissão da própria regularidade. Só assim se constitui legitimamente a regularidade.

Um pouco à semelhança do próprio processo de reconhecimento da independência dos Estados, em que não basta a proclamação unilateral de independência, é crucial que a comunidade internacional a reconheça, e depois, para se ser verdadeiramente membro de pleno direito da comunidade internacional, ou de comunidades regionais (como os Estados membros da União Europeia), é ainda necessário o respeito da legalidade universal, que tem como referência a declaração universal dos direitos do homem.

Um maçon que respeite as regras da regularidade, tem pois de respeitar as suas regras essenciais: Os landmarks, as constituições, os regulamentos, a regularidade da transmissão maçónica, enfim o próprio cumprimento das leis civis. Um maçon que portanto seja irregular quanto à sua filiação numa Grande Loja ou Grande Oriente irregular, não pode ser considerado regular pela comunidade maçónica regular... não pode pois aceder a sessões rituais regulares. Só o poderá fazer se, e quando por um processo dito de regularização, deixar a sua obediência irregular e for recebido como regular por uma obediência maçónica com estas características.
E quanto ao inverso? Um maçon iniciado regularmente, a trabalhar regularmente, integrado numa Grande Loja ou num Grande Oriente que perdeu o seu reconhecimento como regular pela comunidade maçónica universal? A resposta é simples... passa a ser incluído na irregularidade. Este só tem também uma solução à sua disposição, se não quiser permanecer na irregularidade e afastado do convívio maçónico regular universal: é ingressar numa obediência maçónica reconhecida como regular.

Caso ainda diverso e que não merece comentário, é o dos profanos e/ou, ex-maçons que se integram na anti-maçonaria, quer contra a maçonaria regular, quer contra a maçonaria irregular, desrespeitando a leis civis, e quanto aos primeiros os seus valores espirituais, e quanto aos segundos o seus valores humanísticos. Os anti-maçons estão fora da maçonaria.
Não se trata de um jogo de palavras. É essencial e constitutivo da regularidade maçónica o seu reconhecimento. Não pode haver maçonaria regular ao arrepio dos landmarks, com violação da constituição de uma obediência, dos seus regulamentos, com violação das leis civis, com a prática de crimes assim considerados pela sociedade profana democrática. A comunidade maçónica internacional condena e denuncia estas situações, que merecem denúncia pública de todos os maçons e homens de boa vontade.

Resta acrescentar, que não existe possibilidade de um movimento que se pretenda espiritualista, esotérico, simbólico, iniciático e universalista se desenvolver contra as próprias leis democráticas de um Estado de Direito, que se integre na comunidade internacional democrática.
A Maçonaria laica, humanista mas materialista, profana porque não sagrada, resvala com grande facilidade em dois dos mais temíveis desvios que podem fazer perigar a excelência da ideia e filosofia maçónicas: a politização e o negocismo.

De facto, grande é a tentação da opção pela via política directa, como suporte e instrumento directo da acção maçónica, para se implantar na sociedade ideias e ideais de liberdade, justiça social, igualdade, solidariedade... só que ao fazê-lo, faz-se perigar inexoravelmente a paz, a harmonia, a tolerância... a via maçónica torna-se pois irregular, na medida em que as lojas deixam logo de ser os locais de serena elevação espiritual, para passarem ao lado do esoterismo iniciático e simbólico que as caracterizam na sua pureza, para se assumiram como mais um local a profanar pelo imediatismo da gestão política dos interesses materiais.
Além da politização, o outro risco é o negocismo, a pretexto da solidariedade a estabelecer com os irmãos mais necessitados, ou para viabilizar ideais de solidariedade para com terceiros, ou mesmo para fortalecer financeiramente a instituição maçónica. O afastamento das preocupações de elevação espiritual cedo cedem passo ao "primum vivere, deinde philosophare..." Daqui à tentação do materialismo do "vale tudo" é um pequeno passo.
Dir-se-á que a maçonaria regular sofre também destas duas tentações. Decerto que sim, mas em menor grau, porque de tal modo infringiria um dos seus landmarks e consequentemente, arriscaria a perder a sua própria natureza. A maçonaria regular, que não pode por definição ser política, sofre antes, e mais gravemente de um potencial risco de desvio, que é o de se transformar em seita, pelo sectarismo messiânico, ou pseudo-esotérico de que os seus adeptos possam ser levados a reclamarem-se como iluminados.

De facto alguns, seduzidos pela aparência temporal do poder espiritual, enveredam por caminhos insondáveis de mistério, lado a lado com fórmulas de cultos iluminados de ilusionismo, cartomancia, bruxaria, satanismo, e seus similares de magia negra. Estão a um passo de enveredarem por seitas, naturalmente anti-maçónicas.

Fim da 1ª Parte


Editado por
José Ruah

25 maio 2009

Curso de Pós-Graduação em Filosofia e Fundamentação Maçónica - Conclusão

O nosso escriba em pousio, Rui Bandeira, deu aqui noticia em 22/10/2007 e em 16/04/2008 sobre o Curso de Pós-Graduação em Filosofia e Fundamentação Maçónica idealizado pelo Grande Oriente do Estado de Mato Grosso (GOEMT), em parceria com o Centro Universitário Cândido Rondon (Unirondon) e com o Instituto Creatio.

Chega-nos por via electrónica a informação da sua conclusão através do seguinte texto:


"Com muita alegria que escrevo ao irmão para informá-lo de que concluímos o curso de pós "Lato sensu" em Filosofia e Fundamentação Maçônica. Onde chegaram ao final 14 alunos mestres maçons. O que nos deu muita alegria, que fizemos o lançamento de um livro em dois volumes com os artigos das monografias dos formandos. O primeiro volume, foi lançado no XIV Encontro Nacional de Cultura Maçônica, ocorrido em Cuiabá-MT nos dias 17 e 18 de abril. O segundo volume será lançado na cerimônia de entrega dos certificados de pós aos mestres maçons, no dia 20 de agosto na UNIRONDON, com a presença da Reitora e dos três Grãos Mestres, ou seja, do GRANDE ORIENTE DO BRASIL; GRANDES LOJAS DE MATO GROSSO E GRANDE ORIENTE DO ESTAO DE MATO GROSSO. Em anexo a capa do I volume do livro lançado em abril. Desde já nossos agradecimentos, pela palavras publicadas a nós em 2008, que nos serviu de estimulo a continuar e concluir este curso.

S.'.F.'.U.'..
TFA. Ir.'. Medson Janer da Silva.
Coordenador do Curso."

Queremos concelebrar com os nossos Irmãos de Além Atlantico este sucesso com o nosso aplauso apropriado.


José Ruah



22 maio 2009

Como falamos a democracia?

Sou um amante de África !
Quando aos 20 e poucos anos desembarquei em Luanda e fui a correr beber, pela primeira vez na vida, uma Coca-Cola (no Portugal da Europa era proíbido comercializar a Coca-Cola e mais todas as outras "colas") fiquei apanhado.
Foi assim uma espécie de "tiro e queda" cuja explicação só é localizável no conceito de espaço, naquele momento completamente pulverizado.
Entendi de repente que um "metro" é muitissimo "mais comprido" do que eu tinha percebido antes. O conceito de distância era outro, e recebi por essa via um valente e violento soco mental que me fez alterar por completo a visão do mundo.

Não sei se me orgulho disto.

A constatação da "saloíce" bacoca que antes enchia a minha visão do mundo não me parece que possa constituir exatamente uma glória. Mas era assim e portanto não há volta a dar-lhe.
Terá sido então esse choque que me fez apaixonado por aquela terra ?
Agora penso que sim, embora encontre várias outras razões complementares que ajudaram à festa.
O clima é outro componente. A forma de relacionamento aberto entre as pessoas, totalmente diferente da mesquinhez continental é ainda outro a ajudar à paixão. A não utilização de dinheiro inferior a um escudo (os "tostões" não interessavam a ninguém, não valia a pena gastar tempo a contá-los !) também ajudou.


Para quem não saiba o que é isso dos "tostões" adianto que foram, na época, os "cêntimos" atuais. Portanto o que acontecia naquela terra supostamente atrasada, existente num continente supostamente atrasadíssimo (era a ideia ensinada no continente), era que tudo se passava a uma dimensão 100 vezes maior. A unidade mais pequena, lá, valia 100 vezes mais do que a unidade mais pequena do pequeno Portugal europeu.


Esta ideia não foi materializada de imediato mas foi esta a realidade encontrada.
Bem, toda esta explicação para explicar uma paixão... como se as paixões tivessem explicação.

Burro ! Não melhorei nada !!!


Finalmente, como apaixonado por África vou lendo e contactando tudo o que as oportunidades do dia-dia me vão permitindo. Foi assim que apanhei este texto de Mia Couto, curiosamente no dia a seguir a tê-lo encontrado e trocado uma conversa breve com ele, numa passadinha que deu pela Malaposta onde foi ver a apresentação local de "Chuva pasmada", coisa assim a modos que uma autobiografia de criança, conforme me disse que era.

E porque em textos anteriores "brinquei" um pouco com a lingua portuguesa (lembram-se do "bilinguismo" e da "iberofonia" ? Vão lá atrás meia dúzia de textos e verão) encontrei neste comentário do Mia Couto uma aproximação curiosa da ideia central que o tal de Roberto Moreno apresenta no seu conceito de "geolíngua".
Repare-se que um é moçambicano e outro brasileiro e não tenho qualquer indicação de que se conheçam.
Desde logo são personalidades de tal forma diferentes que há mesmo uma forte probabilidade de não saberem um do outro.

Aqui Vos deixo para se entreterem:


Como falamos a democracia?


Os nacionalistas africanos não ficaram à espera que um vocabulário apropriado nascesse nas línguas maternas dos seus países.

Na bela cidade de Durban, falávamos eu e outros escritores africanos da surpresa do modo como, no Zimbabwe, tantos ainda apoiam Robert Mugabe. Havia, no grupo, escritores de vários países de África. Aproveitámos o que melhor há nas conferências literárias: os intervalos.

A nossa perplexidade não se limitava ao caso zimbabweano. Como é que povos inteiros, em outras nações, se acomodaram perante dirigentes corruptos e venais. De onde nasce tanta resignação?

Uma das razões dessa aceitação reside na forma como as línguas se relacionam com conceitos políticos da modernidade. Por exemplo, um zimbabweano rural designa os seus líderes nacionais como entidades divinizadas, fora das contingências da História e longe da vontade dos súbditos. O mesmo se passa em quase todas as línguas bantus.

A questão pode ser assim formulada:
- Como pensar a democracia numa língua em que não existe a palavra «democracia»?
- Num idioma em que «Presidente» se diz «Deus»?

Nas línguas do Sul de Moçambique, o termo para designar o chefe de Estado é «hossi».
Essa mesma palavra designa também as entidades divinas na forma dos espíritos dos antepassados, traduzindo uma sociedade em que não há separação da esfera religiosa. Parece uma questão de ordem linguística. Não é.

Trata-se do modo como se organizam as percepções e as representações que uma sociedade constrói sobre si mesma. A sacralização do poder não pode casar com regimes em que se supõe que os líderes são escolhidos por livre votação, numa sociedade em que os súbditos se convertem em cidadãos.

Esse assunto escapa muitas vezes a quem se especializou em organizar seminários sobre cidadania e modernidade em África. A problemática política é vista, quase sempre, na sua dimensão institucional, exterior à intimidade dos cidadãos. Quando o participante do seminário explicar à sua comunidade o conteúdo dos debates usará a sua língua materna. E sempre que se referir ao Presidente ele fará uso do termo «deus».

Como pedir uma atitude de mudança nestas circunstâncias?
O que se pode fazer?
Será que os falantes destas línguas estão condenados à imobilidade por causa desta inércia linguística?

Na realidade, existem tensões entre a lógica interna de algumas destas línguas e a dinâmica social. Estas tensões não são novas e sempre foram resolvidas a favor da adaptação criativa e da criação de futuro.
Já no passado, as culturas africanas (e todas as outras em todos os continentes) tiveram que se moldar e se reajustar perante aquilo que surgia como novidade.

Eu mesmo testemunhei o modo veloz como as línguas moçambicanas se municiaram de instrumentos novos, roubando e apropriando-se de termos não próprios. Com o uso generalizado esses termos acabaram indigenizando-se. Sem drama linguístico, sem apoio de academias nem de acordos ortográficos os falantes dessas línguas «pediram» de empréstimo palavras de outros idiomas.
Moçambique é, nesse domínio, um caldeirão dessas mestiçagens.
Os nacionalistas africanos não ficaram à espera que um vocabulário apropriado nascesse nas línguas maternas dos seus países. Eles começaram a luta e essa mesma dinâmica contaminou (mesmo com uso de termos e discursos inteiros em português) as restantes línguas locais.

Tudo isto nos traz a convicção do seguinte: a capacidade de questionar o presente necessita de língua portadora de futuro. A necessidade de sermos do nosso tempo e do nosso mundo exige línguas abertas ao cosmopolitismo.
África – tantas vezes pensada como morando no passado – já está vivendo no futuro no que respeita à condição linguística: quase todos africanos são multilingues. Essa disponibilidade é uma marca de modernidade vital.

O destino da nossa espécie é que cada pessoa seja a humanidade toda inteira.

(Crónica de Mia Couto, escritor moçambicano, publicada na edição de Abril da revista África 21 )

Como viram aqui está outro defensor do bilinguísmo sendo que, para mim, este é bem mais representativo.

Mas de facto há uma enorme aproximação no conceito base.

JPSetúbal

21 maio 2009

Antecipação do "fim de semana"

Desta vez por arranjo editorial temos a coisinha leve do fim de semana com um dia de avanço.
Assim trago esta semana um curioso exercício musical provando que os pés não servem só para andar ou chutar a bola.
São capazes de muitas e brilhantes atuações musicais. Só precisam do instrumento adequado.

Ao fim e ao cabo nada que não aconteça com os outros "artistas", desde que o instrumento seja adequado... até eu toco bem as campaínhas das portas !


Vejam, ouçam e divirtam-se.

video

Eu não disse que com os pés era fácil ?


JPSetúbal


19 maio 2009

Volume da Lei Sagrada

Num dos comentários ao post Indiferença entre semelhanca e diferença o nosso leitor JPA deixou a seguinte questão, todavia precedida ainda de uma consideração sobre o abandono de irmãos.


"No final do Ritual de Iniciação, o Neófito, faz o seu juramento sobre o VSL. Como escolhem o Livro, se o candidato acreditar sómente no GADU?"

Comecemos pelo assunto mais antigo e que tem a ver com abandonos.

As razões do abandono são distintas consoante ele se produz enquanto aprendiz / companheiro ou já como mestre.

Nos primeiros casos devem-se essencialmente a uma desadequação entre as expectativas e a realidade, e nisso as responsabilidades podem ter várias origens, nomeadamente o perfil, ou o padrinho nao ter explicado correctamente o que era a Ordem, a expectativa quanto ao tipo de trabalho feito, entre outras,

Quando o abandono se dá já enquanto mestre aí as razões tendem a ser resultantes de diferendos, ou muitas vezes apenas de mal entendidos.

Vamos então agora à pergunta de hoje.

A iniciação em si é o culminar de um processo pelo qual um profano se torna maçon. Este processo que dura alguns meses, ou mesmo anos, o processo mais longo que conheço durou 9 anos não necessariamente de conversas mas desde o momento em que houve um primeiro convite, inqueritos, pausa, relançamento do convite, novos inqueritos e finalmente iniciação.

Este processo longo e tentativamente exaustivo permite o conhecimento do profano a iniciar, permite saber das suas crenças, e dos seus desejos.

As Lojas referem sempre o livro como Volume da Lei Sagrada e não como Biblia, Corão, Torá, Bhagavad Gita, etc. Esta generalização permite uma maior abrangencia.

As Lojas não estão obrigadas a ter um exemplar de cada um dos Livros da Lei Sagrada, aliás nalgumas grandes Lojas o unico volume que existe é o Volume da Lei Sagrada editado pela propria Grande Loja e com fim unico de se ser usado nas Lojas.

Nestes casos os candidatos são informados que é assim que está determinado e é-lhes perguntado se isso lhes causa algum problema. Mas mesmo nestes casos nada obriga a que só haja um VLS em Loja



Noutras Grandes Lojas não há um livro unico e as Lojas podem escolher qual o que usam, ou mesmo quais os que usam.



Há assim um grau de liberdade para cada Loja, no que ao VLS diz respeito.

Todavia a pergunta tem mais uma pertinencia, e que é o facto de o candidato sendo crente no Grande Arquitecto, não reconhecer como Volume da Lei Sagrada nenhum dos propostos.
Temos aqui tres soluções:
O Candidato indica o livro que pretende, este é avaliado pela Loja, que deverá contudo solicitar um parecer à Grande Loja, e se tudo estiver certo a cerimonia é feita.
O Candidato aceita prestar os seus juramentos sobre o(s) livro(s) existentes na Loja e o problema deixa de existir.
O Candidato não apresenta alternativa e não aceita o(s) VSL(s) existentes. Caso em que a decisão da Loja só pode ser a de terminar o processo e não proceder à iniciação.
Ao longo dos quase 18 anos que estou na Maçonaria, e tendo assistido a centenas de iniciações directamente, e por via indirecta saber de todas as que acontecem - quanto mais não seja porque nada soube sobre elas o que quer dizer que correram sem problemas - não tenho noticia que similar problema se tenha posto alguma vez.


José Ruah

A primeira Sessão

Por “sornice” (50%), por dificuldade de tempo (50%), por falta de disposição (50%) e por falta de outras coisas (50%), ainda não trouxe ao blogue as minhas últimas notícias da Madeira relacionadas com os nossos Irmãos da nova Loja João Gonçalves Zarco.

(Vejam só em que estado anda a minha matemática. Façam as contas… 200%.
Não tenho desculpa !)

O que tenho para Vos trazer, e não tenho saber nem engenho para reproduzir com o realismo que gostaria, é a 1ª sessão ordinária desta nova loja a Oriente do Funchal.
Dei-Vos em momento oportuno uma ideia do que foram os trabalhos do levantamento de colunas da R. Loja João Gonçalves Zarco e as impressões que as cerimónias me deixaram.
Acontece que entretanto tive a possibilidade adicional de acompanhar os nossos Irmãos madeirenses na 1ª sessão da Loja e isso é mais um momento que ficará no meu espírito para sempre, dure esse “sempre” aquilo que durar.
Foi outra oportunidade única.
Como é natural uma 1ª sessão absoluta, tem de ser uma sessão de organização, de aferição das funções dos Irmãos e do funcionamento da Loja, de treino do ritual indispensável.
Há dúvidas, há hesitações que é necessário esclarecer, há arestas para limar.
Obviamente foi isso que aconteceu e o VM tomou as suas decisões, fez a formação necessária, tratou do enquadramento dos cargos e das funções, deixou o regulamento interno da Loja como grande orientador de todo o funcionamento futuro.

As instalações são exemplares em termos de adequação à função de Templo Maçónico. Infelizmente estão muito degradadas, e os nossos Irmãos vão ter muito que trabalhar (e que pagar…) para tornar aquelas instalações verdadeiramente apropriadas às sessões da Loja.
A instalação elétrica precisa de ser cuidadosamente revista antes de ser ativada e esse facto teve uma consequência. Mesmo tendo iniciado a sessão bem cedo, com muito dia pela frente, os últimos atos foram já cumpridos à luz das velas.
Apeteceu-me comparar, e tive a oportunidade de o fazer, os trabalhos que ali decorriam com os trabalhos de construção do Templo de Salomão.
É que por lá também não havia eletricidade e após o Pôr do Sol a iluminação possível teria de corresponder a algo semelhante ao que ali tivemos.
Participei numa das Cadeias de União mais emocionantes da minha existência maçónica.

Votos de longa vida e uma existência justa e perfeita para a nova Loja João Gonçalves Zarco.
JPSetúbal

18 maio 2009

Reconhecimento Publico


Do nosso leitor José Restolho recebi as seguintes questões ainda no ambito do "desafio" pergunta resposta 2009.

"Para começar gostaria de subscrever o comentário do Nuno_R em relação ao livro que insinua que Oliveira Salazar era maçon. Parece-me algo despropositado e sem sentido dado que ele perseguiu os maçons. Em relação à parte de o livro mencionar partes dos ritos do REAA, deixo esta pergunta: Será errado dizer que a descrição de um rito maçónico, quando este não é vivenciado é como se apenas descrevesse uma encenação
+/- teatral, tal como quando nas artes marciais se executa um Kata
(sequência de movimentos que simulam um ou vários combates) se não for sentido, não passa de uma mera coreografia vazia e desprovida de sentido?

Mas passemos então à questão que eu gostaria de pôr. Segundo li no livro "Freemasons at work", um M:. M:. reconhece outro executando os cinco pontos de fraternidade. Pela descrição que li, não me parece que seja algo que passe despercebida à outra pessoa, sendo ela maçon ou não. Se a suspeita em relação a essa pessoa estiver errada não será um pouco embaraçoso??? Eu sei que esta não é das questões mais brilhantes que se poderia colocar, mas ainda assim foi algo que me deixou extremamente curioso."

Com relação ao livro sobre Salazar devo informar que não o li pelo que não posso comentar sobre o que o autor escreveu. Por maioria de razão também não posso ajuizar sobre as descrições feitas acerca de rituais.
Os livros de maçonaria descrevem muitas vezes os rituais, sendo inclusivamente uma fonte de aprendizagem. Estes livros acessíveis nas livrarias e bibliotecas, fazem com que o segredo seja algo relativo e sobretudo algo que neste blog já deu azo a trocas de opinião.
Da mesma maneira que se pode ler uma peça teatral e assistir à sua representação, assim acontece nos rituais. A vivência é uma parte importante.

Quanto ao reconhecimento.

Há reconhecimento e reconhecimento.

O que quero dizer é que há múltiplas formas de reconhecimento entre os maçons. Umas são praticáveis ao “ ar livre” e outras apenas a coberto. Ou seja umas são mais discretas que outras.
Nesse sentido a forma de reconhecimento de que fala é apenas usada a coberto e depois de respeitados alguns pontos prévios.

O reconhecimento publico é sempre difícil e complicado, podendo de facto o outro ao não ser maçon não perceber, mas como não percebeu também não entendeu que se tratava de uma tentativa de reconhecimento. Se percebeu e respondeu então o reconhecimento mutuo fica feito.

A partir daí há que explorar mais um pouco para se poder perceber a que obediência pertence e qual o grau que diz ter.

Publicamente o processo não passará de muito mais do que isto. As formas públicas de reconhecimento assentam em pequenos toques ou sinais, ou mesmo na utilização de um determinado tipo de vocabulário, inserido na conversa tida.
No entanto quando um maçon pretende visitar uma Loja, e não é conhecido por ninguém dessa mesma Loja, situação que acontece com frequência em visitas no estrangeiro, então o processo de reconhecimento é distinto.

Não se pretende saber se quem está em frente de nós é maçon, pretende-se também ter a certeza que o grau que diz ter corresponde à verdade, pelo que é função do Guarda Interno verificar o visitante, solicitando-lhe que se faça reconhecer nos 1º, 2º e 3º graus de forma sucessiva.

Compreenderá certamente (aliás compreenderão quase todos os leitores) que não entrarei em detalhes sobre as formas sucessivas de reconhecimento, mas elas permitem com um grau de confiança importante, e sobretudo porque com elas deverão existir documentos, como sejam o passaporte maçónico, cartão de membro, documento da Loja mãe, que corroborem que quem está perante nós é maçon de uma obediência reconhecida e tem o grau que diz ter.

Isto tudo para dizer que os maçons não andam aí pelo meio da rua a fazer figuras estranhas para tentar reconhecer / ser reconhecidos como tal.
José Ruah

15 maio 2009

Amor !

Não sei o que Vos possa dizer relacionado com as imagens que aí vão.

Quando me entraram pelo mail fiquei estupefacto sem perceber muito bem se era brincadeira ou a sério.
Pois bem, é a sério !!!

Esta "história aos quadradinhos" trazia como título "Amor". Mantenho-o por não encontrar nada melhor !
Só que para além do Amor há aqui muito (muitíssimo) de solidariedade, persistência, doação ao outro e sei lá que mais.
O ser humano tem capacidades que, dizem alguns, são inesgotáveis.
Não sei se são ou não inesgotáveis, mas que por vezes parecem sê-lo, isso não há dúvida.

Pelo menos para alguns !

Este exemplo de QUERER, de FORÇA e de ALEGRIA está para além daquilo que a imaginação média consegue alcançar.

Vejam e apreciem. Já agora um exercício especial para o fim de semana:
- Experimentem imaginar-se na mesma situação. Como seria ?



































Imaginem só que estas imagens faziam escola e as relações humanas agarravam o exemplo.
Mundo bom, hein...
Façamos então por isso. Para além do mais, é essa a nossa obrigação.
Tenham um bom fim de semana.
JPSetúbal

14 maio 2009

Indiferença entre semelhança e diferença

O nosso leitor e comentarista JPA deixou a seguinte pergunta.

"Sendo a Loja formada por irmãos com diferentes formações e interesses, não leva a que uns fiquem aquém do trabalho em loja, i.e. não atinjam os objectivos, e outros achem os objectivos curtos, i.e. pouco para eles. E se tal acontece, não pode levar ao abandono quer de uns quer de outros?"


Permito-me começar a responder com uma nova pergunta :

Sendo a Loja formada por irmãos com semelhantes formações e interesses, não leva a que uns fiquem aquém do trabalho em loja, i.e. não atinjam os objectivos, e outros achem os objectivos curtos, i.e. pouco para eles. E se tal acontece, não pode levar ao abandono quer de uns quer de outros?


Todos os homens são diferentes, e isto independentemente da sua formação. A capacidade de trabalho, não está em meu entender ligada à formação ou aos interesses, é algo intrínseco e logo cada um tem a sua capacidade, velocidade, empenho.

Uma Loja deve sempre tentar ter objectivos de grupo. Estes sim deverão ser atingidos, e é através destes que os membros individualmente se vão melhorando.

Quero com isto dizer que o abandono tem pouco a ver com a formação ou interesses de base, mas muito a ver com a vontade de cada pessoa, ou às vezes por situações conflituantes. Os abandonos também se devem em parte a “erros de casting” ou seja pessoas que foram iniciadas mas que não o deveriam ter sido.

Finalmente, em minha opinião, creio que é mais vantajoso para a Maçonaria que as Lojas tenham pessoas com formações e interesses diferentes pois isso obriga-os a encontrar as pontes que os unem e não quando todos são por exemplo advogados, onde cada um tentará sobressair face aos outros.

Aqui fico a aguardar mais perguntas.


José Ruah

13 maio 2009

Abriu a caça aos Pirilampos...


Como de costume Maio é o mês do Pirilampo, e 2009 não foge à regra.
Desde o fim de semana passado que o Pirilampo anda por aí… desejoso de ser apanhado para poder iluminar muitos seres que ainda vivem na penumbra.
O tempo é de dificuldades, todos sabemos, mas os portugueses são solidários, também sabemos. E não é publicidade eleitoral, não !
É comprovadamente assim desde há séculos. Já assim foi nas deambulações pelo mundo que os portugueses tiveram ao longo de muitos séculos.
Não há razão para duvidar dessa característica que é bem portuguesa.
Pois bem, vamos todos à caça do Pirilampo Mágico. Se só pudermos caçar um, pois que seja, mas se for possível 2 ou 3, melhor será !
Mas não desperdicemos a oportunidade de dar uma ajuda às “crianças com limitações” que as Cerci’s apoiam.
Esta campanha anual é fundamental para a sobrevivência destas organizações, constituindo um dos pouquíssimos meios de financiamento de que dispõem.
Não recusemos a ajuda às Cerci’s e às suas crianças.

Áh… e não esqueçam os “pinos” ! Também existem e este ano são lindos. Ponham-nos na lapela, ou na blusa, ou na camisa, ou… onde quiserem. Mas comprem e usem-nos.

E o Pirilampo é lindo… Já viram ? Bem na côr da moda !!!
JPSetúbal

12 maio 2009

Leçon d'un Maitre à son Apprenti - II


Mon Très Cher Frère,

Cette cérémonie, dont tu fus l’acteur principal, a fait de toi un Initié.

Cette initiation a débuté lorsque tu étais seul, face à toi-même, dans le cabinet de réflexion. Nous t’avons ensuite révélé une partie de nos savoirs car nous t’avons jugé digne de les recevoir.

Nous avons décelé en toi, lors de ton passage sous le bandeau, l’aptitude nécessaire pour te joindre à nous. Nous t’avons donc initié.

Que signifie le mot « initiation » ? Il vient du latin initiatio et on peut lui donner la signification de « commencer ». Tu laisses derrière toi ta vie profane pour commencer ta vie de Maçon.

L’initiation est seulement la première étape sur la route qui te mènera, si tu en as les capacités, vers la lumière. C’est la restauration de ton état édénique, te replaçant dans un état d'innocence primitif. Il te reste tout à apprendre.

A partir de cet instant, tu vas progresser dans ton émancipation personnelle et spirituelle aidé, pour cela, de tes Maîtres qui seront attentifs à l’application que tu apporteras dans l’exécution des travaux qui te seront confiés.

Ainsi, au fil de ta compréhension des enseignements ésotériques du degré auquel tu appartiens, celui d’apprenti, tu chemineras progressivement d’étape en étape jusqu'à obtenir l'équivalent du degré de ton maître, voire de le dépasser. C’est tout le mal que nous te souhaitons.

Je parle de l’ésotérisme car c’est ainsi que l’on dénomme l’enseignement que nous allons te prodiguer au sein de cette Respectable Loge.

L’ésotérisme fait usage de symboles, qui sont nombreux et divers dans la pratique de l’Art Royal qu’est la Maçonnerie, que tu auras l’occasion de découvrir auprès de celui qui aura la charge de ton enseignement, notre frère Second Surveillant.

Tu vas être confronté à des mots, à des objets, à des attitudes qui ont tous une signification particulière. Tout est symbole et rien n’est le fruit du hasard.

- Apprends ces mot et comprends les puisqu’un jour, tu pourras les prononcer ;
- Sois attentif lorsque tes Frères manient les objets car tu auras, toi aussi, à les utiliser plus tard ;
- Observe nos gestes et nos attitudes en Loge, tu devras toujours t’y conformer.

Une seule recommandation : ouvre tes yeux et tes oreilles mais, et ne l’oublies jamais, ce que tu vois et ce que tu entends ici ne peut, et en aucun cas, franchir la porte de ce Temple.

Bienvenue, mon Très Cher Frère, nous sommes heureux et fiers de t’accueillir parmi nous.
Jean-Pierre Grassi

11 maio 2009

Geminação


As Geminações são um instrumento de extrema importância para facilitar a aproximação entre os maçons e entre lojas maçónicas de diferentes países.

Hoje é um dia de festa para a R:.L:. Mestre Affonso Domingues, já que teve lugar a cerimónia de geminação com a Lodge Hippokrates, Loja Regular da Gross Loge von Österreich, A:. F:. A:. M:. (Grande Loja dos Maçons Antigos e Aceites da Áustria) a Oriente de Viena de Austria.

Para o efeito, deslocaram-se a Portugal cerca de uma dezena de Irmãos, tendo sido celebrada uma sessão conjunta, na qual foi efectuada a geminação entre as duas lojas.

Foi realmente interessante ver dois Ritos (REAA e Schröder), com claras diferenças, a interagir juntos.

Com esta cerimónia, a R:. L:. Mestre Affonso Domingues reforça a sua vertente de abertura ao exterior, vindo esta geminação juntar-se às outras duas oportunamente feitas:

  • R:.L:. Fraternidade Atlântica, N.º 1267 da Province de Bineau da Grande Loge Nationale Française
  • R:.L:. Rigor, N.º 57, a Oriente de Bragança, da GLLP / GLRP.
A sessão foi seguida por um jantar na qual estiveram presentes elementos das duas Lojas, tendo sido feita a entrega de diplomas alusivos ao acto.

A Maçonaria está de parabens.

08 maio 2009

As 6.ªs da música, com Silêncio...

De verdade podemos começar a anunciar uma rubrica regular, tal como nas programações da rádio ou da TV.

Já que tenho dedicado parte das últimas 6.ªs feiras à música, hoje resolvi chamar-lhe isso mesmo.

Como diria qualquer apresentador:

- Senhoras e senhores, preparem-se porque vamos ouvir um som do outro mundo...

Não acreditem. É mesmo deste mundo, mas para quem não conheça ainda o vídeo certamente irá repeti-lo, repeti-lo, repeti-lo...

A míuda é sensacional !

video

Pronto, já está, já podem respirar !

É assim que se ensina o que é "deixar os metais à porta do Templo"...

Aí está ! A simplicidade do que é bom, mesmo.

Bom fim de semana.

(Vá lá, oiçam outra vez...)

JPSetúbal

07 maio 2009

Shake Some Hands


I want to thank my brothers of the Grande Loja Legal de Portugal who write the blog “A Partir Pedra” for allowing me this opportunity to write an article for their magnificent site.

My name is Nick Johnson and I am a brother from the Grand Lodge of Minnesota, AF & AM. I am the Senior Warden of my Lodge, Corinthian Lodge #67, yet I am still very much a neophyte in my Masonic journey as I am 26 years and have been a Freemason for a little over three years.

The topic on which I will focus is visitation and how important it is in a Mason’s life and how often it is ignored.

In Minnesota, we follow the Ancient Landmarks of Freemasonry which have been codified in our Grand Lodge regulations of which one of them is the right to travel. (“That to visit Masonicly is an inherent right of Masons, but no visitor shall be received into a Lodge if any member present objects.” §C2.03(8)) I have always been of the opinion that our Craft arose from the cathedral builders of Europe and the secret traditions that they carried from city to city as they traveled to find work. Our ancient brethren who practiced both operative and speculative Masonry needed this right to find work. These Fellow Craft Masons were cared for by their brothers and given a chance to practice their Craft in any place they found themselves.

I can only imagine the welcome that these brothers would receive in places that spoke different dialects or languages yet carried the same secret knowledge that allowed them to be received as brothers. Sadly, this tradition has become rather forgotten in many places of my state and many Grand Lodge jurisdictions throughout the world. The desire to travel has now become the province of Grand Lodge officers and maybe few adventurous souls. Therefore, I propose a challenge: get out and shake some hands.

In this fast moving age of information, we have the tools to find Lodges located in nearly all Grand Lodge jurisdictions on this planet. The only major challenge is the willingness to leave the comfortable confines of a brother’s Mother Lodge. Yes, it is true; it’s really cozy in the Lodge Room and yes, there is nothing better than snuggling into one of those sideline chairs, listening to the calming humdrum of Lodge life, ultimately leading down the dimly lit cave to Morpheus’ ebony bed. Zzzzz… Hrmph… Sorry, I drifted off there thinking about it. We cannot fall into the trap of thinking that the only Masonic life that we have is our local Mother Lodge, Appendant Body, or Shrine Club. We can and should join the greater Masonic world.

The Masonic world is huge. My Grand Lodge sent a contingent of brothers to Cuba to meet brothers in that country for fellowship and humanitarian relief. We have made an unbreakable connection with those brothers because of this visit. At the MN Grand Lodge Annual Communication, we got to hear the proposed recognition of different Grand Lodges in other parts of the world. I have never been to Mexico, nor have I been to any of the other places that my Grand Lodge has recognized yet I felt closer to those countries than I could have ever been before. I have been truly fortunate to have visited Lodges near me and it has been a treat. I have always been received warmly. I have also been fortunate to have brothers from other Lodges visit my Lodge.

Here is my proposal for all Masonic Officers: create a Masonic Ambassador program. It’s our duty to make friends with the officers of the other Lodges in our jurisdiction and abroad. We can absorb their ideas and take their advice and put it into practice. If a Lodge meets on the same day as yours, create a Lodge Exchange program where half of the brothers of one Lodge visit a different Lodge and vice versa. Promoting inter-Lodge fellowship can promote the exchange of ideas and, in my opinion, lead to the improvement of the overall Masonic experience of everyone.

Even if we cannot meet brothers in physical Lodges due to distances, it is still possible to meet brothers through the “magic” of Internet (I’ve heard that it involves spells cast by the Google guys.). I am a blogger, and through my experiences writing my own site, I have made many new friends that I probably would have never made otherwise. Facebook and Myspace, or in other parts of the world, Bebo or Orkut, has aided in helping brothers meet. There is even a Masonic social networking site called Masonic Planet dedicated to bringing Freemasons and OES members together. We now have the tools to connect to any brother in the world. Even if we can’t extend our hand physically to another brother online, we can still extend our figurative hand and make those meaningful connections.

This paper represents my shaking of the hands of the brothers of “A Partir Pedra” and I want to thank them for this opportunity. Our world is getting smaller. The universal aspects of Freemasonry give us an edge over many other organizations in promoting global perspectives. We are not a national organization but an international movement to promote the brotherhood of man under the fatherhood of G-d.

Nick Johnson
nota: Nick Johnson escreve no blog The Millennial Freemason

06 maio 2009

Grande Loja - o novo Sitio da Internet


Entrou em linha ( online) anteontem o novo sitio da Internet da Grande Loja. Os "nossos" Rui Bandeira e A. Jorge, quais abelhinhas, andaram no passado mês a preparar a coisa, mais ou menos em segredo.

O resultado está à vista AQUI, e o melhor mesmo é que os nossos leitores passem por lá e digam de sua justiça, porque nós aqui somos um pouco parciais, porque do Rui e do A.Jorge conhecemos bem o trabalho e a capacidade.

Temos para nós a ideia que por trás desta nova fase está um conceito de comunicação bem mais vasto e estruturado, mas o Grande Correio Mor Rui Bandeira terá sempre a última palavra.

Os nossos votos de sucesso nesta nova fase são o minimo que podemos deixar aqui.

Os Editores do A Partir Pedra

05 maio 2009

Salvé 2/5/2009


Afinal a frase mais ou menos anedótica do “já chegámos à Madeira…” desta vez aplica-se
na perfeição.
Na verdade já chegámos à Madeira.

A 2 de Maio levantou colunas uma nova Loja Maçónica Regular.

Com a presença do Grão-Mestre da GLLP/GLRP, de Grandes-Oficiais e de Mestres da R.L. Mestre Affonso Domingues levantou colunas na Madeira, a Oriente do Funchal, a Respeitável Loja João Gonçalves Zarco, n.º71.

Sendo um sonho antigo foi finalmente possível reunir as condições necessárias a que a Maçonaria Regular pudesse ter representação portuguesa na Madeira, pela 1ª vez, e com a concordância expressa da autoridade autonómica.
De facto têm funcionado na Madeira Lojas Maçónicas sob obediência inglesa, mas nunca houve qualquer Loja de origem exclusivamente portuguesa.
Frequentemente temos sido procurados por turistas, de todas as nacionalidades, procurando por uma Loja Maçónica na Madeira já que na sua passagem pela ilha gostariam de contactar Irmãos portugueses. Pois a partir de agora já será possível indicar a RL João Gonçalves Zarco. Finalmente.

É mais uma pedra de grande alegria e orgulho para a Mestre Affonso Domingues ser origem e dar apoio ao nascimento de mais uma Loja da GLLP/GLRP.

Estou a pôr estas linhas em ordem ainda sob a emoção dos momentos vividos com os nossos Irmãos que na Madeira irão ficar a dar testemunho do trabalho da Maçonaria Portuguesa.
Todas as cerimónias, e foram várias, decorreram em ambiente de grande fraternidade, alegre fraternidade diga-se, já que tanto o MR Grão-Mestre como os que o acompanharam não são gente para deixar a alegria à porta do Templo.

Também, e como acontece com alguma frequência entre nós, os procedimentos rituais foram “ajustados” às emoções que se soltaram, pelo que as quase 4 horas que os trabalhos demoraram foram passadas como apenas 5 minutos, não fosse essa outra “emoção”, a interna, começar a reclamar pela feijoada.

Belíssima cerimónia que ficará como um marco inesquecível para a memória de todos os presentes.

Como comentário final destas linhas o voto de que os Irmãos madeirenses consigam, de facto, pôr em prática os princípios que orientam a maçonaria Regular a que pertencem e que a Fraternidade que anunciam seja o cimento agregador entre todos (TODOS) os Irmãos que agora tiveram a oportunidade histórica de fazer o levantamento da Loja n.º 71, a Oriente do Funchal, sob a obediência da GLLP/GLRP, Respeitável Loja João Gonçalves Zarco.
(As fotos são de Acácias em flôr, tiradas Madeira, na levada de S.João de Latrão)
JPSetúbal

04 maio 2009

Tomato , To-mah-to

TOMATO, TO-MAH-TO; Shibboleths Beyond the Craft
By Michael A. Halleran,
M:.M:. Emporia Lodge No. 12, Emporia, Kansas, USA.


That sore battle, when so many died
Without reprieve, adjudged to death
For want of well pronouncing Shibboleth.
--John Milton



A shibboleth is defined as any word, or indeed any usage of language, that identifies one’s region of origin or identifies one as a member of a group. For Freemasons, the concept of shibboleth is important. It forms a part of our rituals, and our fellows are taught about an historical occurrence in which the use of shibboleths originated. In actuality, it is very likely that shibboleths of some kind have been in use since the dawn of Man, but certainly the story found in Judges must be one of the first recordings of the practice. In our order, the newly admitted fellow is told of the story, but he is never told why it is important and is simply left to ponder the significance of the term, and indeed, of the event.

Jephthah's shibboleth is by no means the only example we encounter of these verbal tests. In my particular corner of the world, the North American state of Kansas, the word “rural” is a shibboleth of sorts and if one pronounces it by dropping the middle “r” and ignoring the last syllable – rendering it as “rule” – one proclaims himself a true Western Kansas man, and not at all an Eastern Kansas fop. There are many examples of these harmless shibboleths and our daily lives are full of them.

More ominous, however, are the military applications of test-language, and more often than not they are used, as Jephthah used them, to determine life or death. A few examples:
In 1002, Saxons tested Danes with the phrase “Chichester Church,” a phrase which certainly would have excluded Americans, as well. In 1282 the Sicilians revolted against the occupying French, and many French men-at-arms were murdered. The Sicilians used the local word for “chick pea” (cicera) as the test word, as it was difficult for the French to properly pronounce it.

In the early years of the 16th Century, the Netherlands were embroiled in fierce factional fighting between various warlords, bandits and foreign troops. One of these warrior chiefs was a Frisian strongman named Piers Gerlofs Donia. According to legend, his soldiers used the shibboleth "Bûter, brea, en griene tsiis; wa't dat net sizze kin, is gjin oprjochte Fries", ("Butter, bread, and green cheese, whoever can't say that is no sincere Fries"). The phrase worked as a shibboleth between the Dutch, German and Frisian pronunciations of "butter, bread, and green cheese." In Frisian, these sound like our English pronunciation. But the Dutch would say "Boter, brood, en groene kaas", while the German would pronounce it “Butter, Brot und grüner Käse.” The wrong answer meant no green cheese for you and quite possibly a pole ax to the head.

There are several examples of the practical use of shibboleths among the Arabs. In 1840 Ibrahim Pasha, commander of Egyptian rebels fighting against Turkish rule gathered his forces, many of them Syrians, who were press-ganged to join the rebels. Ibrahim Pasha fought the Turks in the Lebanon, and he was successful at first. However, with the assistance of British, French and Russian naval forces, the Turks put Ibrahim Pasha to flight.


He turned about and retreated, coming down through Aleppo and Damascus and crossing the Jordan at the same fords that the Ephraimites had crossed, and met with such disaster in mispronouncing a word. Now, in all retreating armies there are stragglers, and many of them. As I have intimated, the Syrians hated the Egyptians, and when the soldiers, the stragglers, came to the ford the Syrians would ask them: "Are you a Shami (Syrian)?" "Yes, indeed," the Egyptian would say to gain favour and perhaps food. "Then say Jamel (camel)." "Gamel," the Egyptian would inadvertently say. Now there is no "J" sound in the Egyptian dialect of Arabic. The letter that is written the same is in the Syrian dialect sounded like a soft "J," really like the French "J," whereas the Egyptians always pronounce it like a hard "G," and accordingly said "Gamel." … So the Syrian soldiers said "Jamel," they said, "Pass on, my brother"; but when the Egyptians said "Gamel," they said, "Iktul 'ameru," (cut off his life!) and they killed them just as the Gileadites slew the Ephraimites, three thousand years before at the same place.[1]

Shibboleths, it seem, run deep near the Jordan. Seventy-eight years after Ibrahim Pasha’s rout, Lord Allenby’s forces re-enacted the scene with retreating Turkish forces by the famous fords, and the Arabic word for onion (بصل – Buzszle) became a matter of life or death;

The Turks in the Great War drafted the Syrians into their army and most of them were very unwilling soldiers. They were not in sympathy with the Germano-Turkish aims and plans. When Allenby made that wonderfully complete crumpling up of the Ottoman army in Palestine and across the Jordan in September, 1918, many who did not get caught in the net at first tried to escape by crossing from the east of the Jordan to the west side by these same fords of the famous river. There they met many Syrians, some soldiers and some civilians, and each fleeing soldier was asked whether he were Syrian or a Turk. If he said he was a Syrian, they said to him: "Say Buzszle"; and if he were a Turk he would say "bussel," for the Turkish language makes no difference in pronouncing the "Sod" and the "Seen," both varieties of the letter "S." The "Sod" is a heavy "S" sounded with the tip of the tongue down below the roots of the front teeth and the Turks pronounce it just like an ordinary "S." The Syrian ear is very discriminating to these sounds; and when they heard the word for onion come hissing out instead of lisping out like a tongue-tied child, they said "Iktul 'ameru" (cut off his life), and they slew many Turks at the fords of the Jordan.[2]

The New World also has its share of shibboleths used in war. In 1937, Rafael Trujillo, the military dictator of the Dominican Republic, launched a pogrom against Haitians living in that country. That purge, known as The Parsley Massacre, resulted in an estimated 17,000 to 35,000 Haitians murdered by death squads.

“What is this?” the death squad commander would ask, holding a sprig of parsley. If the person could pronounce the word – perejil - with the correctly rolled Spanish “r,” he stood a good chance of survival, if not, death was the inevitable result.

Our ritual does not tell us why shibboleths are important, but we can venture a guess. Among other things, they demonstrate a sense of belonging, and a means of detecting those who do not belong. Our ritual is full of them, and we are everyday reminded how to know who is a Mason and who is profane.

Thankfully, none of them involve the application of a pole ax.


© 2009 Michael A. Halleran

[1] Adams, Walter B. “Then They Took Him, and Slew Him at the Passages of the Jordan!,” The Builder, Vol. IX, No. 4, April 1923.
[2] Ibid. C.f., Mackey, Albert G. Encyclopedia of Freemasonry, vol. II. Masonic History Co., New York, 1919 p. 686

03 maio 2009

Autores Convidados - Michael Halleran



Dando continuidade aos textos escritos por autores convidados , trazemos hoje aqui a biografia do Irmão Michael A. Halleran.


Michael A. Halleran 32°, is a freelance writer and a practicing attorney in the Midwestern United States.


Bro. Halleran received the Scottish Rite’s (Southern Jurisdiction) Mackey Award for Excellence in Masonic Scholarship for his article in Heredom, vol. 14 (2006), and he is the author of the “Brother Brother” column appearing regularly in the Scottish Rite Journal.

A member of the Board of Directors of the Scottish Rite Research Society, he also maintains membership in the Quatuor Coronati Correspondence Circle through which he studies and speaks on military Masonry in both the US and the UK. His first book, The Better Angels of Our Nature: Freemasonry in the American Civil War, will be published in 2010 by the University of Alabama Press.


Os artigos deste nosso convidado podem ser encontrados em Audi Vide Tace e em freemasoninformation/aude vide tace


Os Editores
JPSetubal
A.Jorge
José Ruah