27 outubro 2014

Reflexão sobre o " Livre Associativismo" e a sua relação com a Maçonaria…

(imagem proveniente de Google Images)
De tempos a tempos e em vários países do mundo, é posta em questão a obrigação da assumpção da pertença dos cidadãos em alguns tipos de associações, sejam de carácter privativo ou não. E por estes dias o assunto veio novamente a debate a nível parlamentar.

Naturalmente que apenas irei dar a minha opinião sobre o que à Maçonaria concerne, pois é geralmente em relação à Maçonaria que  este tipo de situações se torna mais evidente.

A Lei Portuguesa na sua Constituição da República,  afirma nos seguintes Artigos:
  •  Artigo 41º, sobre a "Liberdade de Consciência, Religião e de Culto":
    1. A liberdade de consciência, religião e de culto é inviolável.
   3. Ninguém pode ser perguntado por qualquer autoridade acerca das suas convicções ou prática religiosa, salvo para recolha de dados estatísticos não individualmente identificáveis, nem ser prejudicado por se recusar a responder. 
  •  Artigo 45º, sobre o "Direito de Reunião e Manifestação":
 1. Os cidadãos têm o direito de se reunir, pacificamente e sem armas, mesmo em lugares abertos ao público, sem necessidade de qualquer autorização.
  •  Artigo 46º, sobre a  “Liberdade de Associação”:
  1. Os cidadãos têm o direito de, livremente e sem dependência de qualquer autorização, constituir associações, desde que estas não se destinem a promover a violência e os respectivos fins não sejam contrários à lei penal.
2. As associações prosseguem livremente os seus fins sem interferência das autoridades públicas e não podem ser dissolvidas pelo Estado ou suspensas as suas actividades senão nos casos previstos na lei e mediante decisão judicial.
3. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação nem coagido por qualquer meio a permanecer nela.
4. Não são consentidas associações armadas nem de tipo militar, militarizadas ou paramilitares, nem organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista.
E como a Instituição Maçónica não promove a violência, não tem qualquer desígnio contrário à lei do país (aliás um maçom no seu juramento assume a concordância e o dever de respeitar as leis do país onde se encontra!), não faz proselitismo nem obriga ninguém a aderir à mesma (quem a ela adere, fá-lo de livre consciência e vontade), não é uma Ordem militar nem a tal se propõe, objeta contra o racismo e a xenofobia em todas as suas formas e é acima de tudo uma Ordem de caractér iniciático e filantrópico, que defende os valores da Liberdade, Igualdade e da Fraternidade e que promove a evolução da sociedade e do seu progresso através do auto-aperfeiçoamento dos seus membros e da sua ação no mundo profano.
Logo, a Maçonaria e os seus membros podem e devem ser encarados como englobados nestes artigos da nossa legislação.
Desta forma, é uma “falsa questão” se tentar obrigar os maçons a assumirem ou não a sua condição maçónica, uma vez que a mesma não decorre de nada que seja considerado ilegal pelas leis portuguesas.
Não obstante, o que me parece que é o real problema de quem tenta obrigar os maçons, membros de alguma Obediência Maçónica a declarar a sua pertença a esta Augusta Ordem não seja apenas por desejar conhecer o nome dos seus membros, até porque a maioria é gente anónima do conhecimento público, não ocupam cargos importantes nas empresas onde trabalham ou nas associações e agremiações profanas a que pertencem.
Quem quer legislar contra a Maçonaria no que toca a cercear o direito ao livre associativismo e  à privacidade dos seus membros, quer saber acima de tudo, se os  membros de alguma Loja Maçónica nas suas profissões e nas suas relações profanas poderão cometer alguma ilegalidade em virtude dos seus juramentos e/ou relações fraternais.
Quero acreditar que tal não acontece e se tal efetivamente acontecer, a pessoa ou pessoas em questão não podem ser consideradas realmente como sendo maçons, uma vez que agem contráriamente àquilo a que a Maçonaria se propõe fazer e atentam contra os valores morais da própria Ordem e contra aquilo que juraram cumprir.
Mas, quem deseja criar leis e condições que permitam a obrigatoriedade de ser assumida a filiação maçónica para justificar também a sua ignorância e a sua curiosidade sobre o que se passa no seio de uma Loja Maçónica, será também para se informar sobre quem  esteve presente e o que se debateu nessas reuniões maçónicas.  Pois em relação ao povo em geral, estes o que querem conhecer é saber se o fulano” X” ou “Y” é reconhecido como maçon e com isso justificar a opinião que poderão ter sobre essa(s) pessoa(s). Tanto que comparo isso com a mesma avidez com que a generalidade da população lê  revistas “cor-de-rosa” para saberem o que se passa na vida de fulano “A” ou “B”. No fundo meros fait-divers, porque na prática o conhecimento de tais informações não lhes trarão qualquer mais valia e apenas servirá para “matar” a sua curiosidade sobre a vida dessas pessoas, pois essas informações serão irrelevantes para a sua vida em particular.
Mas o que é para mim o mais relevante a reter, é o ataque que se faz aos direitos e garantias dos cidadãos, uma vez que o livre associativismo e a liberdade de um cidadão pertencer a qualquer tipo de agremiação ou associação num futuro quiçá talvez não tão longínquo assim, irá ser posta também em causa.
Para já, o assunto apenas aborda quem pertencer a associações secretas ou de carácter discreto, mas basta se aceitar que tal possa ser exequível, também qualquer outro direito de pertença e militância poderá também ser posto em questão e com toda a legitimidade por quem o fizer.
Para quê e para quem importará saber quem pertence a uma Obediência Maçónica se também não nos é possível saber o que se passa no interior de outras  associações e conhecer a identificação dos seus membros?
Não terão essas mesmas associações o mesmo direito que a Maçonaria se arroga a ter?!  
O direito dos seus membros poderem reunir em privacidade, sem ter de assumir a sua filiação publicamente e com isso não serem incomodados por tal?

Obviamente que sim, a vida interna de uma associação apenas deve interessar aos seus membros ou a quem vive dessas e para essas associações. É uma questão de justiça social!
E numa época em que os cidadãos têm visto os seus direitos e garantias serem limitados, independentemente de quem os governa (pois acontece assim no mundo inteiro em virtude das crises financeiras e guerras que vão se sucedendo) , abrir-se mão de um direito tão básico e ao mesmo tempo tão importante como este, será o abrir de uma “Caixa de Pandora” que depois dificilmente será fechada. Porque neste momento a preocupação infundada que existe sobre a Maçonaria facilmente se poderá alargar a outra associação qualquer, independentemente do seu tipo ou classificação profana.
E uma vez que é natural ao ser humano se associar a algo ou a outrém - isso está na nossa natureza e no nosso ADN, pois o Homem é um animal gregário -,  ao criarem-se condições para que tal suceda, parece-me a mim que, para além de ser anti-natura, é regressar-se a tempos em que mal se podia abrir a boca ou simplesmente olhar outrém nos olhos sem que se tivesse o receio de o fazer... Tempos esses que não deixaram grande saudade nos portugueses.
Seria isso quanto a mim, um retrocesso civilizacional impensável para os dias de hoje!
Aliás, já no tempo do Estado Novo, o deputado à Assembleia Nacional, José Cabral (16/09/1885 – 10/06/1950) apresentou em 19 de janeiro de 1935 e posteriormente aprovado cerca de quatro meses depois, a 12 de maio, um projeto-lei para extinguir as “Sociedades Secretas” – este projeto-lei  foi até hoje um dos mais vis ataques que a Maçonaria sofreu no nosso país – que teve como réplica por parte do poeta e jornalista do Diário de Lisboa,  Fernando Pessoa (13/06/1888 – 30/11/1935), um artigo bastante conhecido ainda hoje, denominado por “"As Associações Secretas: Análise Serena e Minuciosa a um Projecto de Lei apresentado ao Parlamento”, no qual Fernando Pessoa faz uma certa apologia da Augusta Ordem Maçónica e em que confronta a Assembleia Nacional, na pessoa do deputado José Cabral, em que o exorta a deixar cair este projeto-lei atroz para a liberdade dos portugueses. Liberdade esta, que mais tarde veio a ser limitada quase na íntegra como todos nós o bem sabemos…
Por tudo isto, não quero acreditar que os  direitos e garantias que atualmente existem e que promovem a Liberdade dos cidadãos e que foram conquistados com lutas e algum sangue derramado, sejam perdidos assim tão irresponsavelmente e de uma forma tão irrefletida como o aparenta ser .
Seria muito triste para mim, que defendo os valores da Liberdade e da Igualdade, assistir às consequências desse hipotético cenário que alguns se propõem a criar.
É que não basta se pensar que este é um problema exclusivo dos maçons, este é um problema que afetará a todos nós como cidadãos livres que somos. Pois se “agora toca-me a mim, amanhã te tocará a ti”…

O que me leva a recordar o poema "A Indiferença" de Bertold Brecht (10/02/1898 - 14/08/1956), que foi baseado num sermão proferido pelo pastor luterano Martin Niemöller (14/01/1892 - 06/03/1984), que irei aqui partilhar convosco dada a contemporaneadade que o mesmo tem para este assunto em particular:
"Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.
Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque não sou operário.
Depois prenderam os sindicalistas,
Mas não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.
Logo a seguir chegou a vez
de alguns padres, mas como não sou religioso, também não liguei.
Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde."
Concluindo, esta visão que tenho sobre este assunto pode parecer demasiado pessimista, mas basta se analisar o que se fez noutros tempos e noutros lugares e se depreenderá com alguma facilidade que tal não será tão irrealista assim…
Urge cada vez mais acabar com “falsos moralismos” e com os preconceitos ignobeis  de quem atenta indisplicentemente contra a Maçonaria.
Tudo o que há para ver, à vista está! Tudo é que é passível de ser conhecido, poderá ser conhecido.
Se dá trabalho obter tal conhecimento? Sim, dá trabalho! Mas nada nesta vida é obtido sem trabalho.
Por isso deixem lá os maçons com as suas lojas e as suas reuniões, que também eles não se importarão com os outros que também têm o direito de se reunir em privado nas suas associações…
Em democracia, o direito de uns é o direito dos outros!
É o direito de Todos Nós!

20 outubro 2014

Entrevista concedida à TVL (Televisão de Lisboa) pelo Muito Respeitável Grão-Mestre Irmão Júlio Meirinhos...


No dia 17 e no dia 18 cerca das 22h00, o Muito Respeitável  Irmão Júlio Meirinhos, recentemente instalado como Muito Respeitável Grão-Mestre da Obediência que representa a Maçonaria Regular Portuguesa, a Grande Loja Legal de Portugal/GLRP, concedeu uma entrevista  à Televisão de Lisboa, no programa "Verbos&Letras" apresentado por Alexandre Honrado, onde aborda em geral o que é a Maçonaria, o que ela faz e o que representa.

Para quem não teve a oportunidade de acompanhar a entrevista e para quem tem curiosidade em saber do que ela tratou, deixo-Vos o link respetivo da mesma, clicar AQUI.

14 outubro 2014

O trabalho da Coluna da Harmonia...

(imagem proveniente de Google Images)
Durante o decorrer de uma sessão ritual maçónica existe o hábito generalizado de existir música ambiente. Música essa que deverá criar certos estados de espírito aos seus ouvintes para possibilitar uma certa harmonia entre todos os presentes na sessão.
A responsabilidade da condução musical numa loja maçónica é do Mestre da Harmonia, o qual também é designado por Coluna da Harmonia.
A seleção musical a ser utilizada deverá ser preferencialmente escrita e/ou musicada por autores maçónicos, nomeadamente Ludwig van Beethoven, Frédéric Chopin, Wolfgang Amadeus Mozart entre outros,  mas também pode ser utilizada música de qualquer tipo de autor sem prejuízo para os anteriormente citados. O género musical a ser utilizado também dependerá daquilo a que se proponha fazer o Mestre da Harmonia em consonância direta com o programa da respetiva sessão maçónica; sendo que ao conjunto de músicas que integram o seu trabalho se designar por Prancha Musical.
E para a elaboração desta prancha geralmente são utilizadas sonoridades mais clássicas na maioria das lojas, mas na Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues nº5, os gostos são muito ecléticos pelo que é habitual, dependendo de quem ocupe a Coluna da Harmonia, se ouvir desde música clássica, passando pelo Rock ao Ambient Lounge ou ChillOut e também às sonoridades new age. Daqui se poderá depreender que tal como ao nível da utilização das novas tecnologias, também ao nível da seleção musical, a Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues nº5 é também uma loja que se poderá assumir como p’rá frentex
No entanto, e apesar da liberdade de escolha musical propiciada pela loja ao Mestre da Harmonia, a este apenas lhe é pedido ( aliás, exigido por assim dizer…) que com a sua música proporcione o ambiente ideal ao desenrolar dos trabalhos maçónicos a serem efetuados.
Mas apesar da vasta e ampla seleção musical que pode ser utilizada numa sessão maçónica, não pode a mesma ser usada de qualquer forma nem em qualquer tempo. Existe uma temporização adequada e um tipo de  sonoridade específica que se espera escutar  em determinados momentos da sessão maçónica, sejam eles a Abertura ou o Encerramento dos Trabalhos, seja no momento da execução da Cadeia de União ou na circulação do Tronco da Viúva; a música deverá criar uma sensação própria a cada um que a ouvir em relação ao momento maçónico em concreto. Não devendo o estado de espírito dos maçons se encontrar contrário ao disposto, senão resultaria numa possível quebra da egrégora criada pela harmonia experimentada pelo conjunto dos irmãos presentes na respetiva sessão.
E se no decorrer de uma sessão maçónica existir um momento ritual relevante para a vida de um maçom, tal como uma Iniciação ou um aumento de salário, a música a ser utilizada deverá ser alvo de uma especial atenção pelo Mestre da Harmonia para que esses momentos fiquem marcados na memória de quem por eles passa, pois mesmo aqueles que apenas assistem e não têm uma intervenção direta no cumprimento do ritual, também estes acabam por rever esta mesma situação que anteriormente vivenciaram. E isto também faz parte da formação maçónica, o rever e meditar sobre o que se já viveu e retirar de aí a devida reflexão.
Pelo que aqui expus, já deu para perceber que o trabalho efetuado pela Coluna da Harmonia não é de somenos importância, porque apesar de não ter um papel ritual importante durante a sessão, este é um dos cargos mais ativos da loja; é ele que tem o dever de criar os ambientes específicos e respetivos estados de alma e isso não é tão fácil como se poderia imaginar à primeira vista. E é mesmo um trabalho demorado que ocupa algum do tempo disponível que o Mestre da Harmonia tem na sua vida pessoal, pois ele terá de ouvir bastantes músicas para poder selecionar aquelas que considere como as mais apropriadas para serem utilizadas no decorrer de uma sessão maçónica. Se este mestre for um apaixonado pela música ou inclusivé um melómano até, a sua loja só terá a ganhar dada a riqueza dos conhecimentos que ele terá e que poderá propiciar aos seus irmãos.
Nem todos poderão gostar dos temas musicais que ouviram no decorrer da sessão, fruto das mais variadas preferências musicais de cada um, mas se a energia que brotou da sessão for a ideal, a melhor crítica que o Mestre da Harmonia poderá ouvir dos seus irmãos é que eles sairam contentes e satisfeitos da sessão e que o trabalho que ele desempenhou contribuiu para esse facto.
A Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues nº5 sempre teve excelentes responsáveis por "darem música" aos seus irmãos, pelo que se espera que assim o continue a ser...


07 outubro 2014

VER MAIS

video

Refletindo sobre a frase "Não sabemos o que se passa e precisamente é isso o que se passa" de Ortega Y Gasset...

(imagem proveniente de Google Images)
 
Nesta simples frase proferida pelo filósofo espanhol José Ortega Y Gasset (09/05/1883-18/10/1955) e que se encontra na sua obra “ A Revolta das Massas” escrita em 1930, encontro um paralelismo com a postura que o mundo profano tem em relação à Maçonaria.
O atrás designado  mundo profano, a sociedade em geral, pouco conhece ou entende dos segredos e mistérios maçónicos, podendo apenas especular sobre o que farão os maçons nas suas reuniões e sessões de loja bem como qual a sua ação na sociedade civil. E, uma vez que os profanos pouco ou nada conhecem, muitos porque nem sequer se dão ao trabalho de tentar conhecer, especulam e especulam mal!
Várias vezes foi dito neste blogue, que tanto na internet como nas livrarias e bibliotecas espalhadas por esse mundo fora, existe um rol de informações fidedignas efetuadas tanto por maçons como por autores não maçónicos credíveis, tanto pela sua cultura como pela sua  idoneidade, que atestam a conduta da Maçonaria e o que ela representa nos vários países onde está inserida.
Este espaço tal como outros, é acessado por milhares de pessoas, sejam elas iniciadas ou não, que buscam conhecimento ou mera informação, outras quiçá algo mais… Algumas inclusivé, por mais que se lhes tente explicar o que é de facto a Maçonaria, para elas a sua intenção é meramente desestabilizar e nada aprender com o que lhes é transmitido, demonstrando apenas os seus preconceitos contra a Ordem Maçónica no geral, repudiando qualquer explicação que lhes seja oferecida. Há de tudo como na vida, “para todos os gostos e tamanhos”…
Todavia, tal como se pode depreender do que Ortega Y Gasset afirma,  o facto de não se ter conhecimento de algo, não significa necessáriamente que tal não exista. E se é usual os maçons  dizerem que a Maçonaria não é uma instituição secreta, é porque efetivamente todo o mundo a conhece e dela fala! Aquilo que é secreto nunca é abordado em lado algum. Quanto muito, esta Augusta Ordem terá uma postura discreta no que faz ou deixa fazer…
Mas por muito confuso que aparente a afirmação que fiz anteriormente, não cabe à Maçonaria fazer algo, caberá sim aos maçons o fazer!
Seja através de uma visão mais ortodoxa , seja por uma vivência mais liberal, o maçom tem o dever de intervir na sociedade, seja como alguém que vislumbrou  a luz ou seja como uma individualidade apenas. Uns (maçons) preferem fornecer as “ferramentas sociais e filosóficas” para uma evolução e aprimoramento da Sociedade, outros preferem serem eles mesmos, os “agentes de transformação” em prol do progresso da generalidade dos povos.
Não me compete a mim e nem me proponho a tal, decidir quem está mais certo ou menos correto na sua postura maçónica de intervenção social, acredito que há espaço para todos e isso para mim é de menor importância, porque acredito que um maçom nunca deverá baixar os braços,  pois se ele é uma centelha de luz, tem a obrigação de iluminar os demais…
E é fundamentalmente por este tipo de atitude que se encontra no ADN de um maçom que a Maçonaria não é aceite nem tolerada nos locais onde reine a anarquia ou a ditadura, seja esta ao nível governamental (países ditatoriais ou absolutistas), seja ao nível laboral (locais onde o “quero, posso e mando” são a lei patronal) ou até mesmo em lugares onde a religião assim o assuma e determine. Logo, a consequência mais direta de tais factos é a Maçonaria ser anatemizada socialmente e os seus membros,  alvos de constante estigmatização apenas por serem maçons.
Por isso deixo a seguinte reflexão:
Será que quem constantemente ataca  a Maçonaria, quem constantemente especula negativamente sobre a Ordem Maçónica na sua generalidade, saberá o que se passará no interior das lojas maçónicas?
Parece-me que não! E tal como Ortega Y Gasset bem  dizia e que eu  transponho para a Maçonaria, é isso o que precisamente se passa!

01 outubro 2014

O enigmático Segredo Maçónico...

  (imagem proveniente de Google Images)
 
O Segredo Maçónico será mito, será verdade?
Mas o que é um segredo?
Não será algo que apenas um conhece ou que poucos o saibam…?
Sempre ouvi dizer que quando mais que um o conheça, deixará de ser segredo…
E qual será então o segredo maçónico?
Não falo no segredo que seja o conhecimento de vários rituais maçónicos ou a identificação de membros de alguma Obediência, falo mesmo no tal segredo que muitos ambicionam alcançar.
Já o virtuoso poeta Fernando Pessoa o celebrou em poema e o mesmo pode ser consultado também  neste blogue AQUI.
Mas guardará este segredo uma mensagem?
Um caminho a seguir?
Uma conduta de vida?
Ou será algo indizível e inexplicável e que será apenas sensorial tal como muitos maçons o afirmam?!
Em alguns dos vários textos elaborados por vários autores, sejam maçónicos ou não, que se encontram tanto nas livrarias como na própria internet, é habitual se encontrar definições de que este segredo será “algo que estará para além da compreensão humana”, noutros “ que estará para além do descritível e apenas observável”…
De facto, o segredo maçónico é algo que é somente sentido e compreendido por quem o experimenta.
Passando por uma Iniciação, em que  tal é o véu que cobre os olhos e ainda nos limita a visão, também o segredo maçónico tem as suas veleidades e somente com a constante presença em Loja, na prática do ritual maçónico e no relacionamento fraternal com os demais Irmãos, se pode alcançar esta sensação, o conhecimento de tal segredo.
Mas será que esse segredo é tão relevante  assim para o mundo?
Não será esse segredo, somente algo que deverá ser exclusivo apenas da propriedade dos maçons? Pois será o seu segredo?
Fica a reflexão...
Geralmente quando existe ou se fala em segredo/os, chega-se sempre à conclusão de que afinal não há segredo algum ou se houver, já seria do domínio e conhecimento público; quando não é mesmo, algo fruto da imaginação coletiva da generalidade da população. E o segredo maçónico encontra-se neste contexto.
Muito se poderia elucuburar sobre ele, tantas páginas foram e mais ainda serão escritas sobre este segredo, e mesmo que um dia alguém o consiga descrever, nunca o fará na sua efetiva plenitude, pois quem nunca passou pela porta baixa dificilmente lhe terá acesso… Porque nem tudo é possível ser pronunciado e nem tudo é passível de ser soletrado. Ou não fosse a carne despreender-se dos ossos…
Assim, tal como as experiências que vamos passando ao longo da nossa vida que para nós ficam, também as sensações que alguém sentiu apenas para ela ficarão…
E será que ficou algo por explicar, no que consistirá o tal segredo?
É possível, mas não serei eu a pronunciá-lo. Por mim, o enigma persistirá…