Mostrar mensagens com a etiqueta fraternidade. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta fraternidade. Mostrar todas as mensagens

14 novembro 2016

Fraternidade


Mas afinal em que consiste a apregoada Fraternidade dos maçons?

Fraternidade é um espaço, uma cultura, uma postura, um sentimento, que junta um conjunto de pessoas numa teia de relações similares às que se criam ente irmãos de sangue. Tal como os irmãos no seio de uma família, brinca-se, exerce-se o mútuo auxílio, colabora-se, ajuda-se o outro a crescer e cresce-se com a ajuda do outro. Mas também tal como os irmãos no seio de uma família, discute-se, amua-se, têm-se zangas e reconciliações, disputas e alianças.

Fraternidade não é um oásis de sol e delícias. Fraternidade é a vida vivida em conjunto, com união mas também com busca de cada um do crescimento da sua individualidade no seio do grupo.

Fraternidade implica que quando um dos nossos é injustamente acusado nos levantemos, com indignação, em defesa da honra de quem sofreu o ataque da injustiça. Mas também implica que, quando um dos nossos erra e acusa injustamente alguém, seja severamente criticado. Porque, afinal, o nosso objetivo comum é que todos e cada um de nós se aperfeiçoe e isso impõe que se mostre o erro quando existe, se exija a sua reparação, se necessário se aplique a devida sanção, se aponte a senda correta, em vez do carreiro da injustiça.

Fraternidade é saber-se que nenhum de nós é perfeito, mas efetivamente prosseguir o compromisso, connosco e para com os demais, de cada um desbastar sua pedra e alisar suas imperfeições. E, quando se erra, reparar o mal, não persistir no erro e tirar a lição para agir e ser melhor no futuro.

Particularmente exigente é a situação em que um dos nossos é injustamente visado por um dos nossos, quando o erro parte de dentro de nós e atinge um de nós. Aí, a Fraternidade não exige - pelo contrário! - que nos abstenhamos de intervir, porque afinal o problema é dentro de casa. Aí há que intervir com particular acuidade, pois o injustiçado sente exponencialmente a injustiça quando vinda de um dos seus e quem erra tem de compreender que o seu erro tem de cessar prontamente e de vez, pois põe em causa o Irmão, o conjunto de Irmãos e, assim, ele próprio, ao colocar em crise a confiança subjacente ao relacionamento fraterno.

Em grupos coesos e fraternos vemos frequentemente ocorrer conflitualidade, A Fraternidade não impede essa existência. Mas os grupos coesos e fraternos aprendem e sabem como gerir os conflitos e torná-los fatores de melhoria e de avanço, individual e coletivo. O que importa é que, acima de tudo, exista respeito, consideração e disposição para a cooperação. 

Fraternidade gera muitas vezes amizade. Mas não necessariamente. Podem-se estabelecer relações fraternas, coesas, gratificantes, eficazes para a melhoria mútua com pessoas com quem não se estabelecem particulares relações de amizade. Porventura os temperamentos serão diferentes, mas os objetivos são comuns e o auxílio mútuo é reconhecido como o melhor caminho.

Mas também a amizade, por si só, não gera a Fraternidade. Porque a amizade pode ser mansa e plácida e agradável, mas não ser fator de crescimento, de melhoria.  Fraternidade implica desafio, emulação, auxílio competitivo mesclado com respeito e confiança mútuos, que cria as condições para que todos avancem.  

Mas quando a Fraternidade gera a amizade e ambas são vividas e praticadas em prol do crescimento dos amigos fraternos, então a eficácia da Fraternidade é exponencial.

Lembrei-me disso ao reler o texto, já antigo de mais de seis anos aqui no blogue, Os dois marretas. Ilustra como dois desconhecidos se encontram, por obra do acaso ou pelos desígnios do Grande Arquiteto do Universo, inseridos numa Fraternidade. Como são diferentes um do outro. Como aprenderam a complementar-se nas suas diferenças. Como souberam potenciar o apoio mútuo no crescimento de ambos. Como nesse processo nasceu, cresceu e se mantém uma singular amizade, não decorrente das semelhanças, mas regada pelo inteligente aproveitamento das diferenças e sempre adubada pela indestrutível confiança mútua.

E é assim, pela conjunção da Fraternidade conjugada com a amizade, ambas habilmente aproveitando o potencial das diferenças, que continua hoje a ser verdade o que já era verdade há anos atrás (e cito daquele texto): quando (o acordo) chega ou quando nunca chegou a haver desacordo, todos sabem que é melhor sair da frente, que estes dois, quando decidem puxar para o mesmo lado, são ossos duros de roer...

E isso também é Fraternidade!

Rui Bandeira

25 julho 2016

"A Irmandade Maçónica"



A forma habitual de tratamento entre maçons é por "Irmãos". Irmão porque a Maçonaria é uma fraternidade, logo traduzido literalmente "fraternidade" por "irmandade", sendo os "fraters", "irmãos" entre si.

Todavia, mesmo não sendo irmãos de sangue - que os há! - e inclusive de não fazerem parte da mesma família sanguínea ou por adopção, os maçons sentem-se como tal, como membros integrantes e plenos de uma "família universal". E daqui vem o seu espírito de corpo (de corporação, de corporativismo). 
E aproveitando este termo também, porque a Maçonaria atual tem as suas origens nas corporações medievais de pedreiros e artificies que trabalhavam na construção civil à época onde nas quais os seus membros se sentiam também como irmãos por partilharem o mesmo ofício e os seus mistérios...

Enquanto os "construtores de catedrais" trabalhavam efetivamente a pedra em si, os atuais maçons laboram a "pedra" de uma forma espiritual, ou seja, trabalham no sentido de aprimorar a sua conduta e forma de estar, tentando modificar o seu "íntimo", por forma a que consigam honrar o seu templo interno, o seu corpo, a sua "alma", tentando ao mesmo tempo e através da sua ação na sociedade, promover a evolução desta.

Este tipo de tratamento "de irmãos" feito pelos maçons, facilita o relacionamento e o seu contato entre si, porque como a Maçonaria está presente por todo o globo terrestre, esta forma de tratamento quebra "barreiras" que não têm de existir entre irmãos, membros de uma mesma "família/grémio/fraternidade".

Este sentimento fraterno que é sentido pelos membros da Maçonaria é uma espécie de cimento que os une, independentemente da sua idade, das suas origens, estratos sociais e económicos.
O facto de se considerarem como "irmãos" menospreza determinados pormenores, mesmo que profanos, que habitualmente poderiam suscitar algum tipo de divisão ou de querela entre pessoas de bem, no que toca a temas fraturantes na Sociedade, nomeadamente no que à Política e à Religião dizem respeito. 
Cada um respeita e faz por respeitar as ideias e convicções do seu semelhante, mesmo que adversas ou contrárias às suas ideias pessoais.
A própria Maçonaria Regular no seio das suas sessões proíbe a discussão de temas onde a política partidária ou o proselitismo religioso sejam por demais evidentes.

No entanto e importa ressalvar que, mesmo apesar de se considerarem Irmãos, infelizmente nem sempre as coisas decorrem às "mil maravilhas", pois se até nas "melhores famílias" existem desavenças, a Maçonaria também não é imune a tal.
Por mais que se tentem dar todos bem, por vezes o ego de alguns se sobrepõe ao sentido de fraternidade e ao espírito de corpo que abordei anteriormente, e quando isso acontece, na maioria das vezes acontece uma separação, uma divisão, que não trará nada de bom para ninguém. Porque uns rumarão a "novas paragens" com as dificuldades que se sabem existir quando se tenta recomeçar do zero, e os que ficam, acabam por ter de "limpar os cacos" e prosseguir no seu labor constante, de forma perseverante e altruísta.
Quando existem cisões na Maçonaria, elas deixam marcas por muito tempo, cabendo ao Tempo as sanar, porque aquilo que deve estar junto, nunca deveria estar disperso...
-Um Irmão será sempre um irmão, independentemente do caminho que decida seguir...-.

Concluindo, quando existe um sentimento de amor fraternal que una alguém a alguém, esta sensação modifica os seus interlocutores, amenizando a maioria dos potenciais conflitos que poderão existir, facilitando o seu relacionamento (entre iguais) e impele a um auxílio ao próximo que de outra  forma não seria, porventura, feito.
Enfim, tudo aquilo que se espera sentir e vivenciar entre irmãos "normais" é sentido e vivido entre maçons; mesmo que se tenham conhecido no próprio dia ou que já tenham uma relação de vários anos.
 - Um mano é sempre um mano ! -

03 agosto 2015

O que os maçons acreditam?


Como utopia pessoal, cada maçom propõe elevar seu status para ser social, na medida das suas próprias competências, guiado por uma escola iniciática que fundou-a sobre princípios morais.

Acredita na necessidade de tolerar a opinião contrária, respeitando a diversidade de crenças religiosas e diferentes filosofias de vida.

Então, acredita em tolerância como resseguro à liberdade de pensamento, ela age como uma rede de contenção nos debates e teste, tornando-se permanentemente formado, Maçom em um homem com a capacidade de ouvir, compreender e agir.

Acredita na democracia como uma teia onde as diversas formas de pensamento e de crenças que estão interligadas dentro de que, tendo respeito pelos outros e tolerância de divergência, como propõe uma sociedade fraterna e progressista.

Eu, Mestre Maçom acredito na ciência, como representante do progresso, mas guiada por valores eternos como a igualdade de Justiça;lealdade sobre a igualdade de oportunidades.

Acreditar na liberdade e fraternidade como utopias que homem deveria propor e funciona dentro do templo, através do estudo das normas morais e em favor de uma atitude ética consistente em todas as áreas onde atuam.

O Maçom acredita na razão que permite-lhe descobrir a natureza das coisas, compreendê-los e respeitá-los, mas ao mesmo tempo, ele acredita na importância das doutrinas religiosas e tradições culturais como formadores do homem Sentimental.

Acredita na possibilidade de um novo humanismo capaz de priorizar, acima de pessoal, corporativa e os interesses nacionais, a preservação do habitat de todos os seres.

Acreditar nos meios pacíficos de resolução de conflitos, o Maçom opôs-se ao fanatismo político ou religioso em todos que colocam em risco a vida das pessoas.

Maçom acredita e é guiado por duas trilogias fundamentais que sintetizam seu intelecto: ciência, justiça e trabalho e na liberdade, igualdade e fraternidade.

Por isso Sou Maçom


Pedro Abreu, 

M.’.M.’. da RLMAD

PS: Texto da autoria do Pedro Abreu, Mestre Maçom, pertencente ao quadro de obreiros da Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues nº5

27 julho 2015

Porquê "meu irmão", e não "meu amigo"? (republicação)

Tenho andado a fazer uma "reciclagem" de  alguns dos textos que eu considero oportunos para serem republicados de tempos a tempos para nova leitura ou para uma "leitura em primeira-mão".

Tais textos, por norma, já têm bastante tempo passado desde a sua publicação original, logo deste modo, alguns leitores poderão nunca os ter lido por se encontrarem no "arquivo" do Blogue, e dada a sua contemporaneidade, considero que devem novamente "vir a lume" como é usual se dizer.

Posto isto, o texto de hoje foi escrito pelo Paulo M. e pode ser consultado no seu original aqui .

"Porquê "meu irmão", e não "meu amigo"? 

Os maçons tratam-se, entre si, por "irmão", tratamento que é explicitamente indicado a cada novo maçon após a sua iniciação. Imediatamente após terminada a sessão de Iniciação é normal que todos os presentes cumprimentem o novo Aprendiz com efusivos abraços, rasgados sorrisos e, entre repetidos "meu irmão", "meu querido irmão" e "bem vindo, meu irmão", recebe-se, frequentemente, mais afeto do que aquele que se recebeu na semana anterior.

O que seria um primeiro momento de descontração torna-se, frequentemente, num verdadeiro "tratamento de choque", num momento de alguma estranheza e, quiçá, algum desconforto para o novo Aprendiz. Afinal, não é comum receber-se uns calorosos e sinceros abraços de uns quantos desconhecidos, para mais quando estes nos tratam - e esperam que os tratemos - por irmão... e por tu! Sim, que outro tratamento não há entre maçons, pelo menos em privado - que as conveniências sociais podem ditar, em público, distinto tratamento.

O primeiro momento de estranheza depressa se esvai - e os encontros seguintes encarregam-se de tornar naturalíssimo tal tratamento, a ponto de se estranhar qualquer "escorregadela" que possa suceder, como tratar-se um Irmão na terceira pessoa... Aí, logo o Aprendiz é pronta e fraternalmente corrigido, e logo passa a achar naturalíssimo tratar por tu um médico octogenário, um político no ativo, ou um professor universitário. E de facto assim é: entre irmãos não há distinção de trato.

Não se pense, todavia, que todos se relacionam do mesmo modo. Afinal, não somos abelhas obreiras, e mesmo entre essas há as que alimentam a rainha ou as larvas, as que limpam a colmeia, e as que recolhem o néctar. Do mesmo modo, todos os maçons são diferentes, têm distintos interesses, e não há dois que vivam a maçonaria de forma igual. É natural que um se aproxime mais de outro, mas tenha com um terceiro um relacionamento menos intenso. Não é senão normal que, para determinados assuntos, recorra mais a um irmão, e para outros a outro - e podemos estar a falar de algo tão simples quanto pedir um esclarecimento sobre um ponto mais obscuro da simbologia, ou querer companhia ao almoço num dia em que se precise, apenas, de quem se sente ali à nossa frente, sem que se fale sequer da dor que nos moi a alma.

Mas não serão isto "amigos"? Porquê "irmãos"? Durante bastante tempo essa questão colocou-se-me sem que a soubesse responder. Sim, havia as razões históricas, das irmandades do passado, mas mesmo nessas teria que haver uma razão para tal tratamento. O que leva um punhado de homens a tratarem-se por "irmão" em vez de se assumirem como amigos? Como em tanta outra coisa, só o tempo me permitiu encontrar uma resposta que me satisfizesse. Não é, certamente, a única possível - mas é a que consegui encontrar. 

Quando nascemos, fazêmo-lo no seio de uma família que não temos a prerrogativa de escolher. Ninguém escolhe os seus pais ou irmãos de sangue; ficamos com aqueles que nos calham. O mais natural é que, em cada núcleo familiar, haja regras conducentes à sua própria preservação e à de todos os seus elementos, regras que passam, forçosamente, pela cooperação entre estes. É, igualmente, natural que esse fim utilitário, de pura sobrevivência, seja reforçado por laços afetivos que o suplantam a ponto de que o propósito inicial seja relegado para um plano inferior. É, assim, frequente que, especialmente depois de atingida a idade adulta, criemos laços de verdadeira e genuína amizade com os nossos irmãos de sangue, que complementa e de certo modo ultrapassa, em certa medida, os meros laços de parentesco.

Do mesmo modo, quando se é iniciado numa Loja - e a Iniciação é um "renascimento" simbólico - ganha-se de imediato uma série de Irmãos, como se se tivesse nascido numa família numerosa. Neste registo, os maçons têm, uns para com os outros, deveres de respeito, solidariedade e lealdade, que podem ser equiparados aos deveres que unem os membros de uma célula famíliar. Porém, do mesmo modo que nem todos os irmãos de sangue são os melhores amigos, também na Maçonaria o mesmo sucede. Não é nenhum drama; o contrário é que seria de estranhar. Diria, mesmo, que é desejável e sadio que assim suceda, pois a amizade quer-se espontânea, livre e recíproca. E, tal como sucede entre alguns irmãos de sangue, respeitam-se e cumprem com os deveres que decorrem dos laços que os unem, mas não estabelecem outros laços para além destes. Pode acontecer - e acontece. Mas a verdade é que o mais frequente é que, especialmente dentro de cada Loja, cada maçon encontre, de entre os seus irmãos, grandes amigos - e como são sólidos os laços de amizade que se estabelecem entre irmãos maçons!

Paulo M.  "

20 abril 2015

Relacionamento “inter-frates”

O texto que hoje publico é motivado por um agradável convívio entre pessoas que observam os mesmos princípios e costumes de vida em que tive o prazer de participar e para o qual fui amavelmente convidado. Aliás, pelas presenças neste encontro quase que me apraz dizer que se tratou de um “almoço de família”…

Fica assim desta forma aqui explicitado publicamente o meu agradecimento a quem organizou tal refeição.

Posto isto, vou "aflorar" um pouco acerca do relacionamento maçónico entre irmãos.

Noutra ocasião – noutro texto – já tive  a oportunidade de abordar o relacionamento entre maçons e suas famílias particulares, por isso venho agora focar-me noutro ponto deste mesmo tipo de relacionamento.
Os maçons consideram-se irmãos entre si, logo dessa forma, como partes integrantes de uma “grande família”, que também é assumidamente universal.

É habitual após a realização das reuniões/sessões maçónicas existir uma refeição – ágape – entre quem esteve presente durante a realização dessas reuniões/sessões onde habitualmente se convive e se tratam assuntos que nada (em geral) tenham a haver com os assuntos tratados em maçonaria. Os irmãos conversam, debatem, abordam temas variados sem ter a preocupação ou a obrigação de cumprir com os preceitos que são obrigados a respeitar no interior da sua Respeitável Loja.

Também é habitual que membros de uma mesma Obediência visitem outras Respeitáveis Lojas filiadas nessa mesma Obediência e assim conhecerem outros irmãos e poderem conviver com eles, mas principalmente também conhecer os trabalhos realizados por essas Respeitáveis Lojas, algo que é fulcral para a aprendizagem e caminhada maçónica que o maçom se propõe a fazer.

Quanto a visitas a outras Obediências, o mesmo já dependerá do reconhecimento que exista entre elas. Estando vetada a visita de membros de Respeitáveis Lojas que não sejam reconhecidas pela sua Obediência de origem,  e o mesmo reciprocamente. Sendo que se tal proibição não for observada, esse comportamento poderá ser passível disciplinarmente mediante o regulamento que exista em vigor na Obediência em questão.

Mas apesar do que afirmei nos dois parágrafos anteriores, isso somente se aplica de forma ritualista. Uma vez que nada proíbe ou impede o convívio entre pessoas fora do “mundo da Maçonaria”. Fora das Respeitáveis Lojas é habitual irmãos da mesma Obediência ou de Obediências “diferentes” se cruzarem e manterem relações de amizade ou cordiais entre si.

Algo que eu considero que seja até “saudável” que aconteça, porque muitos até são colegas académicos ou de trabalho, vizinhos e/ou até mesmo familiares na sua vida profana, e como tal não haveria outra forma de ser. Teriam sempre de se relacionar entre si. - Não há volta a dar -.
Assim e como o Homem é um “animal social” logo faria todo o sentido que pessoas que vivem mediante determinados princípios se relacionassem entre si no “mundo profano”. 
Não será nada de estranho nem é algo que possa ser considerado como anormal ou bizarro sequer!

Aliás é mesmo habitual serem organizados “eventos brancos” – eventos abertos a profanos – onde os intervenientes são membros das mais variadas organizações maçónicas que existem bem como outras pessoas que nada têm a haver com a Maçonaria na sua generalidade e que se calhar também nunca terão alguma ligação a ela. 
Numa larga maioria das vezes, quem frequenta este tipo de eventos é gente que apenas gosta do tema "Maçonaria" e que o estuda, investiga, mas que depois não se interessa por dar o respetivo "passo".

Normalmente este tipo de eventos são debates, tertúlias ou simpósios onde habitualmente a Maçonaria é o tema principal, mas onde pode qualquer outro tema ser abordado ou designado como foco ou temática a ser abordada. 

Na prática o que é de interesse é o salutar debate e trocas de ideias pelas partes presentes nesses encontros, para além do convívio e o relacionamento fraternal que possa decorrer entre maçons, demonstrando dessa maneira que na realidade “existe algo mais que nos aproxima do que aquilo que nos separa ”.

Estes convívios que por vezes ocorrem, permitem também a existência de um diálogo aberto e franco sem quaisquer preconceitos que possam existir entre pessoas com origens diferentes.

- É através do debate de diferentes pontos de vista e de determinados conceitos que possam ser divergentes, que a evolução na e da Maçonaria pode ser concretizada bem como o progresso da sociedade em geral -.

No entanto, não é obrigatório que tal aconteça a curto trecho nem a médio prazo sequer, ou se alguma vez tal sucederá.

O que importa reter é que os princípios que todos dizem subscrever se tornem os pontos fulcrais da forma de viver de cada um, seja na sua vida profana, seja na sua vida maçónica.  

E se caminharem todos lado a lado, tanto melhor… a Sociedade só terá a ganhar.

26 janeiro 2015

Sugestão Musical para a Coluna da Harmonia “Los Hermanos” de Atahualpa Yupanqui...


A música que hoje publico, “Los Hermanos”, e que em relação à qual poderia ter feito a sua respetiva análise quanto à simbólica maçónica que se pode encontrar nela, não a farei.
E não a farei apenas porque o simbolismo intrincado nela é bastante explícito, bem como quero deixar ao critério de quem a ouve ou mais abaixo lê a sua letra, fazer esse tipo de exercício.

Esta canção pertence a um autor, compositor e músico argentino que nunca foi membro da Maçonaria, tendo sido  inclusive perseguido e encarcerado pelo regime de Juan Domingo Péron (que era maçom) por ter pertencido durante algum tempo ao Partido Comunista Argentino.
O autor desta canção, o argentino Héctor Roberto Chavero (31/01/1908-23/05/1992), mais popularmente conhecido por “Atahualpa Yupanqui”, legou-nos uma música que eu não poderia deixar de salientar neste espaço e também de a enaltecer, dada a beleza e o sentido fraterno contidos  nela.

(Para quem afirmou acima que não faria qualquer análise, expresso aqui uma dica quanto a algum simbolismo que se possa encontrar implícito na canção).

A letra da canção que mais abaixo se encontra publicada, está no seu castelhano original e dada a familiaridade entre a língua portuguesa e a língua espanhola, creio que também será fácil a quem ler a respetiva letra, efetuar a sua tradução e compreender o que está escrito, caso contrário,  tem a possibilidade de aceder a uma tradução desta canção aqui .

Assim, deixo-vos uma das mais bonitas composições que já tive a oportunidade de conhecer e que encerra em si algum tipo de simbolismo maçónico:

“Yo tengo tantos hermanos
Que no los puedo contar
En el valle, la montaña
En la pampa y en el mar
Cada cual con sus trabajos
Con sus sueños, cada cual
Con la esperanza adelante
Con los recuerdos detrás
Yo tengo tantos hermanos
Que no los puedo contar
Gente de mano caliente
Por eso de la amistad
Con uno lloro, pa llorarlo
Con un rezo pa rezar
Con un horizonte abierto
Que siempre está más allá
Y esa fuerza pa buscarlo
Con tesón y voluntad
Cuando parece más cerca
Es cuando se aleja más
Yo tengo tantos hermanos
Que no los puedo contar
Y así seguimos andando
Curtidos de soledad
Nos perdemos por el mundo
Nos volvemos a encontrar
Y así nos reconocemos
Por el lejano mirar
Por la copla que mordemos
Semilla de inmensidad
Y así, seguimos andando
Curtidos de soledad
Y en nosotros nuestros muertos
Pa que nadie quede atrás
Yo tengo tantos hermanos
Que no los puedo contar
Y una novia muy hermosa
Que se llama ¡libertad!”
Também eu, tal como Héctor Roberto Chavero, tenho tantos irmãos que não os conseguirei contar, cada um com o seu trabalho, com o seu feitio, com as suas singularidades pessoais, guardando na lembrança os que já partiram e auxiliando os que ainda por cá se encontram; semeando a fraternidade, caminhamos juntos e livres, alimentados pela esperança de um dia podermos vir a criar um mundo que seja melhor…para todos!

19 janeiro 2015

Formalismos na Maçonaria…

(imagem proveniente de Google Images)

Na Maçonaria existe o costume de os seus membros se tratarem por irmãos ou manos, uma vez que a Augusta Ordem Maçónica é uma Irmandade de carácter fraternal.

Mas para além deste hábito, existe outro que costuma fazer alguma confusão aos recém-chegados. É o facto de todos no seu trato habitual se tratarem por “tu”.
Independentemente da idade, do grau ou da qualidade maçónica (cargo que se represente em Loja ou na Obediência), todos, mas mesmo todos, se tratam por “tu”.

Enquanto na vida profana é habitual  as pessoas tratarem-se com alguma deferência, nomeadamente tratarem-se por “você” ou por “senhor” ou até mesmo pelo título académico que detenham, na Maçonaria não existe esse distanciamento pessoal. Quando se aborda um irmão, é por “tu isto…” ou “tu aquilo…” É “tu” e prontos!

Isto por si só, é uma demonstração que aos maçons não interessam os cargos ou as profissões que um irmão desempenhe na sua vida profissional. Em Loja todos sãos iguais entre si. Desde o mais desfavorecido financeiramente ao mais folgado em questões de metais, não existe diferença no trato. Os “metais” devem ficar sempre fora de portas do Templo. 
Esta é outra das virtudes que se podem encontrar na Maçonaria a par da tolerância e do espírito fraternal.

E como entre irmãos não há lugar para deferências ou "salamaleques", é mais salutar e sensato o tratamento por “tu” que por outra coisa qualquer. Desse modo, aos recém-chegados dá-se lhes a confiança necessária para se enturmarem com os mais antigos na casa, e aos mais idosos em idade, consegue-se que mantenham dessa forma, um espírito jovem e reverencial que a todos agrada. Aos mais jovens é que normalmente causa algum desconforto em tratar alguém mais velho em idade por uma forma tão simples de tratamento, mas com o tempo esse pequeno desconforto passa e é normal que depois nem se note a diferença de trato nem a idade do irmão com quem se interage.

Esta forma de tratamento entre pessoas, foi dos hábitos que mais “estranheza” me causaram nos meus tempos de neófito.

É como se costuma dizer: “primeiro estranha-se, depois entranha-se…”

Mas em Maçonaria e em como tudo o que sejam instituições, associações ou grupos onde o Homem se reúna, existe sempre uma hierarquia a respeitar, e como tal, o tratamento com alguém hierarquicamente superior, devido às funções que lhe são acometidas, nunca poderia ser igual à que os outros membros terão entre si. E como afirmei acima, se na Maçonaria os seus obreiros se tratam entre si como irmãos e no trato normal por “tu”, não deixa de ser interessante que quando se trata de alguém com funções diretivas, esse tratamento seja enaltecido.

Apesar de quando um irmão se dirige a um irmão que ocupe um cargo relevante na estrutura maçónica o trate na mesma por “tu”, a diferenciação no tratamento é respeitante ao cargo e função ocupada em si e não à pessoa em concreto. Por isso é que é habitual se ouvir falar em “Venerável Mestre”, “Respeitável Irmão” e “Muito Respeitável Grão-Mestre” entre outros apelidos que se conheçam e que existem, que servem apenas para diferenciar um irmão dos restantes apenas pelas funções que lhe são atribuídas e nada mais.

Em Maçonaria todos os cargos são transitórios, tal como quase tudo na vida, e os maçons têm isso presente, e como tal, não adianta ou não é necessário existir outro tratamento que não seja por “tu”, pois se hoje desempenhamos um cargo, amanhã poderemos estar apenas a ocupar um lugar numa das colunas. E quem hoje se encontra simplesmente numa coluna e sem funções atribuídas, amanhã poderá ser chamado a ocupar alguma função importante na estrutura maçónica. E este tipo de tratamento possibilita uma transição entre colunas ou funções sem qualquer tipo de sobressaltos.

Concluindo, se as designações dos cargos maçónicos ou dos títulos dos graus maçónicos que existem poderem sugerir algumas vezes que o tratamento entre irmãos possa derivar em "pantominices", essa assumpção está bastante errada. O tratamento entre irmãos é sempre feito da forma mais simples que se conhece, utilizando simplesmente o pronome “tu”.
E é assim que se quer que a Maçonaria funcione, de uma forma simples e elementar.


PS: Texto adaptado deste outro, também escrito e publicado por mim.

01 dezembro 2014

Sugestão musical para a Coluna da Harmonia: "You’ve got a friend in me" de Randy Newman ...



Hoje venho fazer uma sugestão musical para ser utilizada pela Coluna da Harmonia num momento de descontração em sessão de Loja. E uma vez que estes momentos também existem, penso que esta canção é apropriada para ser ouvida durante a sua ocorrência. E como de vez em quando encontramos a presença da Arte Real onde menos esperamos, decidi partilhar convosco uma canção que apesar de ser bastante simples não o é na realidade, pois exprime alguns dos melhores sentimentos que se pode sentir e partilhar com outrém. E falo-vos da Amizade e do sentimento fraterno que sentimos por quem decidimos que faça parte da nossa “vida ativa”…
Assim, a sugestão musical que tenho o prazer de partilhar com os leitores deste blogue é uma canção que encontrei num filme de animação para crianças.
O que poderá causar alguma estranheza a quem lê este texto.
Uma sugestão musical “maçónica” e logo encontrada numa animação infantil?!
 Pois, não é habitual se encontrar a presença de princípios morais maçónicos em animações feitas para crianças (preferencialmente)  apesar de existirem vários contos infantis e bandas desenhadas onde os mesmos se podem encontrar. Dou como exemplos as “fábulas de La Fontaine”, as estórias protagonizadas por “Corto Maltese” ou o conto infantil “O Pequeno Príncipe” de Saint Exupery, entre outros… Mas numa produção Disney, o que é o caso nesta publicação, e uma vez que o fundador desta empresa, Walter Disney (05/12/1901-15/12/1966) foi maçom, a possibilidade de se encontrarem princípios morais maçónicos nos seus filmes e contos infantis nunca pode ser descartada.
A canção que hoje faço referência, integra a banda sonora original do filme de animação infantil "Toy Story" co-produzido pela Disney e pela Pixar. 
Aqui pode encontrar mais informação sobre este filme infantil. E também durante o visionamento do referido videoclip é  possível encontrar a sua letra original. Mas se preferir uma tradução ligeira desta letra, pode-a encontrar aqui também, apesar de eu traduzir a respetiva letra na análise que irei efetuar a esta música.
O título desta canção é “You’ve got a friend in me - Tú encontras um amigo em mim -“ e foi produzida pelo compositor musical Randy Newman e a sua letra é:
"You've got a friend in me
You've got a friend in me
When the road looks rough ahead
And you're miles and miles from your nice and warm bed.
You just remember what your old pal said
Boy, you've got a friend in me
Yeah, you've got a friend in me
You've got a friend in me
You've got a friend in me
You got troubles, then I got 'em too
There isn't anything I wouldn't do for you
If we stick together we can see it through
'Cause you've got a friend in me
You've got a friend in me
Now some other folks might
Be a little bit smarter than I am
Bigger and stronger too. Maybe
But none of them will ever love you
The way I do
Just me and you, boy
And as the years go by
Our friendship will never die
You're gonna see, it's our destiny
You've got a friend in me
You've got a friend in me
You've got a friend in me"
Assim numa primeira impressão criada pela leitura do título da canção, pudemos reter no imediato é que esta canção trata de Amizade, e por inerência, de Fraternidade; dois dos princípios morais de excelência da Maçonaria. Mas tal como na sugestão musical anterior onde pudémos encontrar também valores morais tais como o “Amor Fraternal” e o “Dever de Auxílio”, também na canção  You’ve got a friend in me” os vamos encontrar apesar de num contexto um pouco diferente.
Enquanto na sugestão musical anterior dava-se ênfase ao auxílio que deve existir entre irmãos, nesta canção a amizade é enfatizada em relação aos restantes valores morais que encontramos. E apesar de não se falar em fraternalismos e nem mesmo em fraternidade de forma explícita, subliminarmente os mesmos estão bem implícitos na letra desta canção. E a frase “you’ve got a friend in meencontras um amigo em mim” é a prova disso.
Quantas vezes existem e conhecemos casos de famílias desavindas onde os seus familiares nem se falam sequer? E nas quais, os seus membros se relacionam apenas com os seus amigos?
Quantas vezes nós preferimos o apoio, o abraço ou o carinho de um amigo em detrimento dos mesmos, efetuados por familiares nossos?
Uma das grandes conquistas que provém da liberdade que nos oferecida pela vida é a liberdade de escolha. A liberdade de escolher com quem queremos conviver e de nos intimamente relacionarmos. A liberdade de decidir com quem queremos partilhar a nossa vida e desejamos fazer o bem. Por certo a nossa  família de sangue não a podemos escolher, é algo que é natural. Mas quanto às nossas amizades e famílias fraternais, a escolha só dependerá da nossa vontade e do desejo dos outros em nos acolherem nas suas vidas.
E voltando à análise desta canção nas frases seguintes, When the road looks rough ahead And you're miles and miles from your nice and warm bed. You just remember what your old pal said Boy, you've got a friend in me”E quando o caminho em frente te parecer difícil e estiveres milhas e milhas longe da tua cama quente. Só tens de te lembrar do que o teu velho amigo disse, Rapaz tú tens um amigo em mim-. Isto bem o percebem, os maçons. Que mesmo longe do seu lar, seja no ar, na terra ou no mar, terão sempre um amigo ao seu dispor, um irmão que os poderão apoiar e auxiliar no que necessitem. Aliás um bom maçom e membro da Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues nº5 afirma e bem que “na Maçonaria, a amizade é prêt-à-porter”, isto é, a amizade encontra-se e faz-se em qualquer parte do mundo.
No entanto, também o auxílio mútuo que é devido entre irmãos e amigos se encontra bem patente em “You got troubles, then I got 'em too There isn't anything I wouldn't do for you If we stick together we can see it through 'Cause you've got a friend in me”Tú tens problemas, então eu também os tenho, não haverá nada que eu não farei por ti e se nos mantivermos juntos nós conseguiremos ultrapassar isso porque tens um amigo em mim -. Isto é na verdade, o tal "ombro amigo" de que por vezes tanto se fala no mundo profano. É alguém sentir que deve "estar lá" para todas as ocasiões e não  estar presente apenas nos bons momentos  que a vida proporciona aos seus amigos e irmãos. Geralmente é nos momentos adversos da nossa vida que encontramos ou descobrimos quem realmente são os nossos amigos. O apoio que nos poderão dar nesses momentos menos positivos da nossa vida é crucial para que estes possam ser ultrapassados ou esquecidos.

 E, uma vez mais, a amizade é salientada nesta música novamente em “Now some other folks might Be a little bit smarter than I am Bigger and stronger too. Maybe But none of them will ever love you The way I do”- Agora outros rapazes poderão ser um pouco mais espertos que eu para além de serem maiores e mais fortes. Talvez, mas nenhum deles gostará de ti da maneira como eu o sinto -. Aqui encontra-se representada a pureza e a intemporalidade de uma grande amizade. A qual deverá permanecer inabalada seja pelo tempo ou pela distância que por vezes e por vários motivos pode separar os amigos e irmãos.

Nomeadamente encontramos o eco destas palavras e deste sentimento  na frase “And as the years go by Our friendship will never die You're gonna see, it's our destiny”- E à medida que o tempo passa, a nossa amizade não perecerá, e tú o assim irás observar, é o nosso destino -. E é mesmo esse o nosso destino; pois tal como encontramos no  mote maçónico latino “Virtus junxit mors non separabitAquilo que a Virtude juntou, a morte não o separará…” também assim tal ficou demonstrado nesta última estrofe da canção. Seja neste oriente ou no Grande Oriente Eterno, juntos uma vez, juntos para sempre
Mais uma vez, de algo que inicialmente nada de maçónico poderia conter, mostrou-se que afinal existe muito para refletir e principalmente, para sentir

11 setembro 2014

O Maçom, Homem Fraternal...


                                          (imagem retirada de Google Images)                                          
Este é o primeiro texto de muitos, assim o espero, que irei publicar neste honorável espaço de escrita para uns, leitura para os demais.  
Espero que com o que eu irei partilhar convosco, Vos ajude a compreender qual a “missão” da Maçonaria no mundo que nos rodeia e um pouco mais sobre a vasta simbólica maçónica que existe, sendo que os meus textos demonstrarão a minha visão pessoal sobre qualquer tema que seja versado por mim.
Sendo assim, este meu primeiro texto teria de ser naturalmente, um texto muito pessoal.
Assim, hoje venho falar-Vos de como o maçom é alguém com um elevado sentido fraterno, logo irei falar de Fraternidade, algo que para mim não é apenas sentimento, mas antes sentido.
Não no sentido dos outros cinco sentidos que dispomos, nos quais eu qualificaria a Fraternidade como um sexto sentido, um “sentido espiritual”; mas trato deste sentido/sentimento como o “sentido” do verbo “sentir”, de sensação…
A Fraternidade é algo que se sente e se partilha, uma vez que a mesma tende a vivificar no nosso interior, algo que se reflete posteriormente nas nossas ações.
Por isso é tão habitual entre os maçons se afirmar que a “Maçonaria também se vivencia,  praticando a fraternidade!”.
E como Fraternidade que é, na Ordem Maçónica, o amor ao próximo, ao nosso Irmão, encontra-se presente e em permanência. Concordemos ou não com as suas opiniões, aceitemos ou não a sua forma de estar na vida, mas amamo-lo!!!
E  amar está muito além de apenas se tolerar
A Tolerância implica Respeito, um respeito pelo “outro” em toda a aceção da palavra, senão seria apenas mais uma palavra vã nos nossos dicionários, tal como outras que pela sua quantidade, mais me parecem ser tantas como as espigas que existem nos campos…
No entanto,  Fraternidade também é muito diferente de Benevolência ou Caridade, pois se tanto uma como outra podem suscitar sentimentos ditos “menores”, uma forma de auxílio em que se age assim apenas porque é moralmente aceitável ou simplesmente porque socialmente fica bem ou parece bem a quem o assim faz.
Tanto que por isso, a Fraternidade também é sinónimo de Solidariedade, algo que se encontra mais além que a Caridade ou a Benevolência; a Solidariedade é para mim um sentimento ainda mais nobre, uma vez que é suposto advir diretamente do coração. 
E ser solidário nivela-nos como Homens, pois quem o pratica e quem recebe a nossa solidariedade, encontrar-se-á num mesmo patamar moral, apesar de que socialmente seja muito diferente. E essa humildade que é necessária para quem é solidário e fraterno, deverá fazer parte integrante da nossa natureza humana como maçons. Isto sim, é o “core”, o cerne  dos tais “bons costumes” com que habitualmente nos reconhecem ou nos quais nos revemos…
Não deveriam os valores que defendemos, tais como a Igualdade, a Liberdade e principalmente a Fraternidade, serem a base da Sociedade humana?!
Todavia, tenho para mim que a Fraternidade também é uma alavanca, um apoio que está subaproveitado na sociedade em que vivemos e que a ser usada como “ferramenta social”, muito contribuiria para o progresso humano.
Cada vez mais o Homem olha apenas para si próprio, não retribuindo o mesmo valor ao seu igual. E nesse contexto, nós como maçons que somos reconhecidos, poderíamos fazer mais… e melhor.
O maçom é um livre-pensador; logo de que nos valerá sermos intelectualmente ou moralmente mais instruídos ou como tal considerados, sermos formados nas ditas “artes liberais”, as mesmas artes que libertaram os homens do obscurantismo e do jugo da Ignorância, se depois de adquirirmos estas valências, não agirmos no mundo à nossa volta também para o melhorar e o fazer evoluir no comportamento e relacionamento entre os seres?!
Não fosse a minha Iniciação na Augusta Ordem Maçónica e eu não privaria com muitos dos meus Irmãos. E digo isto porque na sua maioria temos percursos profissionais distintos, não pertencemos às mesmas agremiações profanas e o nosso percurso de vida é muito díspar. Mas por partilharmos os mesmos desígnios, em Loja nos encontramos. E afirmo, se a Loja me acolheu, eu também acolhi a (nossa) Loja na minha vida.
A Loja passou a fazer parte integrante da minha Família.
E esta fraternidade e esta sensação de amor fraterno que nos une vale muito mais do que aquilo que à primeira vista possa aparentar…
De facto, esta sensação não é imediata, e ainda bem que tal assim acontece. Pois se assim o fosse, seria uma sensação falsa e carente de sentido. Ninguém ama ninguém de um momento para o outro ou somente apenas pelo trocar de um olhar ou um sorriso.
Os amores platónicos ficam para a nossa vida profana.
E refletindo, questiono-me:
  • Como poderei eu amar alguém que não me conhece e que também eu não conheço?!
  • Como poderei eu amar alguém quando apenas o tolero?
  • Como poderei eu respeitar alguém com quem eu frequentemente esteja em desacordo?
Na Maçonaria encontro a resposta a estas questões.
A Maçonaria é fraternidade e, como tal, o seu espírito fraterno depende unicamente da união de todos os que a integram.
A nossa fraternidade só o é e somente o pode ser, se for construída dia após dia e cimentada sessão após sessão. E é aí que reside a nossa força!
Os maçons, tal como os “irmãos de sangue” não podem nem devem estar sempre em sintonia, pois as diferenças também propiciam à formação/evolução pessoal, de modo que na Maçonaria é-nos permitido discordar, concordando; e concordar, discordando; isto é, o respeito salutar que deve existir entre todos, permite aos maçons não se travarem de razões tal como quiçá o fariam no mundo profano, mas antes, ouvindo e interiorizando as opiniões contrárias à sua forma de pensar, permite-lhes que possam aprender e conviver com as diferenças e divergências que naturalmente possam existir. Somos Homens e como tal não podemos ser todos iguais.
O que seria do azul ou do amarelo, se todos fossemos vermelhos…
E tal como bagos de uvas que com a sua própria identidade estão ligados entre si, ou como as sementes de romã que se agregam no interior deste fruto, que podemos encontrar sobre os capitéis das colunas de entrada no nosso Templo, também a união e ligação dos nossos pensamentos em prol de algo melhor, a energia e sentimentos que aplicamos na Cadeia de União aumentam a coesão do nosso grupo e potenciam o nosso espírito de corpo.
Assim, na formação da Cadeia de União, um dos momentos “altos” da ritualística maçónica em sessão de Loja, o encadeamento dos Irmãos que é formado e a oração que é proferida, permite-me também sentir que aquilo que nos une é mais do que aquilo que nos poderá afastar e que os laços não-sanguíneos que nos unem, ligam-nos por um cordão umbilical ainda maior e que nos juntam numa caminhada  através da Virtude e em prol de todos Nós.
Pois se a egrégora acontece, é porque todos o assim desejamos e fazemos para que assim tal aconteça!
Para mim,  no estrito cumprimento do ritual em Loja, se demonstra  que aí reside o espírito fraternal que devemos vivenciar e transmitir também  para o mundo profano.
 Eu vivo e sinto assim a nossa fraternidade. Outros o farão à sua maneira pessoal. Podemos não ser todos iguais, mas posso afirmar que somos todos muito semelhantes